Espera

Por: Luiz Cruz de Oliveira

351057
O toque-toque escorreu suave pelo interior da casa e acordou carinhosamente a letargia e o desânimo que dormiam a meu lado. E, no entanto, aquela música composta pelos nós de dedos desmanchou a metáfora que se erguia das cordas do instrumento.
 
Abri a porta, e me entraram pelos olhos o pó de suas vestes e o cansaço de seu corpo. 
 
— Um copo de água apenas, pediu.
 
Escancarei a porta, insisti mesmo  que entrasse,  que restaurasse as energias no abrigo pobre, pouco mais que  tapera à beira da estrada.   
 
A viajante estava sedenta de fato. Então lhe ofereci uma taça de versos, banhei-lhe o corpo, derramando-lhe jarras de estrofes. Depois, antes que se deitasse, estendi sobre a cama um lençol de poemas brancos.
 
As notas mais sonoras de meu violão velaram seu sono.
 
Quando o sol cantou na cumeeira da serra, ela se levantou, disse adeus e se foi, deixando o sinal de seus pés no pó do caminho. Retomava a caminhada em busca de um príncipe sobre um cavalo branco.
 
Plebeu e poeta, resto sozinho.
 
Olho para meu pasto vazio, dedilho as cordas do meu violão, e uma voz me diz da chegada de uma mulher cujo daltonismo singular não a deixe distinguir cores do sangue.
 
O pinho me segreda que a bem-vinda achará nobreza no meu canto.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras