Plenitude

Por: Luiz Cruz de Oliveira

355099
1
Foi o que restou, quando ela se afastou, vestiu-se e se perdeu no coração da noite, incendiando-a toda.
 
 
2
Foi o que invadiu o quarto quando ela novamente se despiu e se deitou, segurando minha mão esquerda.
Depois, quando ela se vestiu e penetrou a noite e sumiu, uma estrela cadente – laivo de ciúme – riscou meu céu.
 
3
Foi o que restou quando ela dependurou os cabides no roupeiro, trancando as portas. 
Em seguida, deitou-se a meu lado, segurando-me as mãos.
Depois, muito depois, o sol soprou as estrelas para longe, espiou pela greta da janela e viu dois corpos nus sobre a cama.
E ficou vermelho.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras