Alma Antiga

Por: Angela Gasparetto

355666
Tenho uma alma antiga, destas que prezam os silêncios sacros de ambientes vazios, os ventos mornos nas janelas distraidamente entreabertas. Destas que carregam um romantismo arcaico, pleno de esperanças vãs e doces promessas implícitas.
 
Esta minha alma passeia por entre casebres antigos, decorados com esta praticidade singela das almas puras. E ela namora a luz do sol, que entra pelos vãos das telhas escuras no verão e sente no rosto as goteiras divertidas das chuvas no inverno.
 
E nestas ocasiões, esta minha antiga alma se aconchega e renova nesta comunhão orgânica com a natureza.
 
E também possuo esta alma atemporal, de vestidos esvoaçantes pelas escadarias antigas.
 
Desta alma antiga, toda repleta de nuances  frágeis e travessias silenciosas ou de passos tímidos nas ruelas esquecidas.
 
Uma alma antiga, que também canta nas janelas floridas dos casarões em ruínas e corre nas verdes planícies sem fim.
 
Uma alma que atravessa os túneis escuros do tempo, levando apenas um coração repleto desta ingenuidade crível de alegrias vindouras.
 
E quando o sol se põe esta minha alma antiga também se recolhe com os seus grandes pensamentos tolos, soterrada de sentimentos todos. 
 
E deixo-a vagar nesta linha tênue entre a luz que morre e a que se encontra na escuridão das estrelas recém-nascidas.
 
E minha alma antiga canta uma canção subconsciente de que andamos sós, apesar de todas as companhias. Sofremos sós, apesar de todo apoio.
 
E curamos sós, pois cabe somente a nós, este exercício solitário de apagar a nossa fogueira das dores, o nascer das pérolas da aceitação e florir dos próprios caminhos traçados.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras