Os casamentos de Sara & Moshin

Por: Lúcia Helena Maniglia Brigagão

358732
Assustei-me com a inclusão de meu nome entre os convidados para duas das festas de celebração do casamento da filha dos vizinhos de minha filha que mora na Inglaterra. Aliás, assustei-me com muita coisa e continuo tendo extra-sístoles ora provocadas pela estupefação, ora pelo deslumbramento. Os vizinhos, de origem indiana, são muçulmanos. Farooq e Rabiya Jhetam têm três filhos, dois homens e Sara, que vem se casando com Moshin Khan, há dois anos. “Vir se casando” é a mais pura expressão da verdade. O processo do casamento islâmico,  que para os cristãos está dividido apenas em namoro, noivado e casamento, para os islâmicos possui mais fases que terminam, todas elas, com comemorações especiais, muita comida, flores, salgados e doces. Uma peculiaridade, os filhos homens que se casam continuam morando com os pais depois do casamento e as filhas mulheres, depois da quinta e última fase do casamento, aliás marcada com comemoração absolutamente especial, deixam a casa dos pais e passam, definitiva e literalmente, a pertencer à família do noivo. A primeira comemoração é o Dolki, quando o casamento é anunciado pelo casal, e as duas famílias celebram com eles o começo dos planos matrimoniais.  
 
Depois vem o Mehndi, segunda celebração, da qual somente as mulheres participam com cantos e danças, quando pintam a noiva com hena, ou mehndi. Como final alegre desta etapa, para demonstrar seu regozijo, as mulheres cantam e dançam. 
 
 
(No Mehndi Day,  Sara& Moshin e familiares do noivo – irmãos, irmãs e esposos)
 
 
O Nikkah, a terceira fase, é protagonizada apenas pelos familiares masculinos, e o casal de noivos.  Ela é levada ao templo pelos homens de ambas as famílias e o casamento na fé islâmica é celebrado pelo sacerdote ou oficial da mesquita, ou ainda por qualquer homem que tenha familiaridade com o Alcorão. Quarta fase, o Walimah é parecido com a festa tradicional de casamento ocidental. É quando   anunciam o casamento para, além das duas famílias, para os amigos. Celebram todos juntos na festa onde é servido farto jantar, doces e o tradicional bolo de noiva. Geralmente ela usa vestido com detalhes vermelho cereja, intensamente bordado com pedrarias; e o noivo, roupa branca de talhe especial, com turbante também branco. O noivo vai buscá-la em casa de carruagem branca, puxada a cavalos também brancos, e vão juntos para o local da festa. No salão, profusamente enfeitado, está montado palco com dossel, que servirá de cenário de fotos para a posteridade, onde todos os convidados sobem e registram para sempre o importante momento. Antes da quinta etapa, há a visita da família do noivo, à família da noiva, na casa dela. Na ocasião são levados presentes para a nova casa, para eles individualmente e para os familiares da noiva. Levam, igualmente, o vestido que ela deverá usar na próxima etapa com todos os adereços, presente do sogro, para ela. Os familiares chegam em procissão conduzida à frente pela mãe do noivo, que anuncia a chegada de todos através da batida tradicional de pequeno tambor. Jogam flores, vão depositando todos os presentes no chão da sala de entrada da casa, o que toma quase o espaço todo. Há pacotes de doces, flores, roupas, vestidos, camisas, sapatos, jóias lindíssimas. 
 
 
Chegam, e o séquito  se dirige para o local onde será servido jantar, tarefa exclusiva dos parentes da noiva – local que, para nós, era uma tenda branca montada no jardim da casa.  Em nenhum momento, de qualquer etapa, são servidas bebidas alcoólicas. Terminado o jantar, depois que se servem aqueles que atenderam os convidados,  os homens vão para a sala, as mulheres fecham as cortinas da tenda dançam,  cantam, se divertem. Finalmente chega o dia tão aguardado do Rukhsaki. Nesta etapa, que encerra o ciclo de comemorações, as duas famílias se unem para o momento em que a noiva deixa sua família e será entregue à família do seu marido. Momento emocionante e esperado do processo que já dura dois anos, o espetacular grand finale do Rukhsaki de  Sara e Moshin será celebrado por trezentas pessoas vestidas e paramentadas segundo o protocolo de gala indiano, que descerão o Tâmisa dentro de barco que em dado momento, deverá passar pela London Bridge que se abrirá, dando passagem. Será hora de brindar à felicidade do novo casal. Com muito brilho. 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras