sinal dos ventos

Por: Luiz Cruz de Oliveira

359810
De primeiro, em terras muito longínquas, durante toda a primavera, o vendaval hibernava. Depois, quando o verão bafejava seu hálito quente no interior da morada, ele arribava com sua prole e visitava florestas, onde ensinava música para seus filhotes.
 
As árvores, rasteiras ou esguias; os troncos, hartos ou tenros; as folhas e os galhos, tudo era instrumento de sopro. E, enquanto os maiores treinavam trons e silvos, os menores entoavam cantigas de ninar. 
 
Quando o outono se ia, ia-se também cada membro da família, passeando em aragens, recolhido em sussurros e acalantos.
 
Depois veio o homem e desmanchou o bosque.
 
Apagado o jardim, agora o vendaval e seus filhos percorrem avenidas e becos, dobram esquinas e circulam praças. Desnorteados, sopram seus gritos dissonantes, trombando desarmonias em troncos inflexíveis.
 
A voz do pai, da mãe, dos filhotes é som rude, que apaga a paz, e acorda o medo nos corações. 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras