Um natal esbecial

Por: Maria Luiza Salomão

391685

Quando pequenina, ganhava presentes em duas ocasiões, apenas duas: uma no meu aniversário e outra no Natal. Longa espera pelos presentes, o que os fazia especiais. No dia a dia, a gente criava brincadeiras, improvisava mamadeiras de boneca com vidros de remédio; comidinha de barro em fogão inventado; maré; cantorias; passa-anel; pula corda; esconde-esconde; queimada...

Tempo de sobra para invenções e improvisos.

O cheiro de coisa nova, que emanava dos brinquedinhos especiais, era inesquecível, porque raro. Era assim também o material escolar no início do ano. Cheirinho de posse, ritual de iniciação.

A casa no Natal era outra – os enfeites, as luzinhas da árvore, tudo muito colorido, vermelho, dourado, prateado. O presépio conferia significados: alimentava narrativas e devaneios .

A roupa de festa: especialidade natalina. O aroma que se espalhava pela casa o dia todo, como esquecer? Pernil, ou lombo de porco. Uma farofa doce, que agradava uns e não outros. Então, farofa salgada. Um frango assado no forno de casa era totalmente outro. Cada família nos preparos de comidas outras. Castanhas só nesta época, assim como a caixa de uvas Niagara, roxinhas e brancas. Dia de Natal era dia de comida feita em casa, comida um tanto sagrada.

Abrir os presentes depois da meia-noite. Dia de dormir tarde... ver a noite escura, chuvosa ou radiosa com lua espalhando mistérios perfumados. Noite de galo, Noite única. Em algum momento eu era capaz de pensar no menino Jesus, e no aconchego de seus pais a rodeá-lo, na manjedoura. Eu estava aconchegada solenemente – roupa, comida, reunião dos seres mais queridos e íntimos – tudo outro.

Vivia o natal no mistério.

Meu pai brincava que tinha meias para duas gerações (ele sempre ganhava meias no natal). Era inventor de brincadeiras natalinas, acabávamos esquecendo das badaladas da meia-noite, dos presentes, de tudo: éramos nós.

Neste Natal, não decorei a casa, comprei livros para quem me é significativo, e vou ter uma ceia simples, gostosa, sem fartura, com a família querida próxima (o filho estará conosco, de modo único, outro, forte!).

(meu pai me fará rir muitas vezes, em espírito. Ele continua me dizendo: um natal esbecial).

Quero me concentrar: será um natal válido para o ano inteiro: sem excessos, com a família sagrada no meu coração. No entanto, tudo esbecial:

- A árvore é viva, o presépio é vivo, o amor cultivado vivo o ano inteiro. Amém.
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras