2019: memórias afetivas

Por: Maria Luiza Salomão

392008

Agenda novinha: datas já assinaladas: trabalho. Outras datas que rememoram afetivamente aniversários de amigos, de amores meus. Datas que nem preciso fazer um redondo sinal em torno delas.

Sei de Janeiro, nascimento de meu pai; fevereiro eu nasci e também minha mãe; aniversário de casamento dos meus pais, e do meu também. Meu cunhado querido nasceu em fevereiro: mês gordo de significados eternos.

Em Março descobri amigos, no fim de meu verão existencial, quase outonal vivência. Somente um inverno: meu pai faleceu. Memória difícil afetiva.

Abril? A amiga-irmã: taurina, dia do descobrimento do Brasil e do meu descobrimento que a amizade pode ser eterna. Junho nasce meu amor de 36 anos: eu o conheci na primavera setembrina - meu companheiro, amigo verdadeiro: eterno. Julho, a filhota faz nascer uma alegria rósea na minha vida; minha irmã nasce em julho: laços irreversíveis. Setembro, a poeta amiga. Outubro, amigos fortes, muitos! Eternos enquanto duram, duraram, durarão! Novembro, filhote querido, nasce um azulão arretado, que sacudiu, sacode e deverá sacodir minha vida. Dezembro, nasce o irmão: modelou gostos meus para o resto da vida: musicais, “most of all”.

Memórias afetivas. O difícil é a abertura para acidentes de percurso, as chamadas coincidências. Contingências, para as quais ninguém é preparado, agradáveis ou terríveis. Quais acasos se farão significativos, em 2019? Poderia ter nascido em outra família, meus pais e irmãos seriam outros. Poderia não ter feito os amigos, que comemoro os nascimentos e os encontros casuais tecidos pelo...acaso.

É sempre muito difícil descobrir que vivemos sem ter real controle de nossas vidas. Submetidos ao imprevisível, ao desconhecido. Talvez por isso comemoramos o advento de um ano novo. Novo no que?

Das memórias afetivas não escapamos.

Veranescos acasos, outonais, invernais, primaveris, as contingentes vivências? Que tenhamos saúde para enfrentá-las.

Dois mil e dezenove: que venga lo toro! (cadê a capa roja?).


  

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras