Oba! 2019 chegou!

Por: Lúcia Helena Maniglia Brigagão

392013

O que eu quero para o Ano Novo? Eu quero que a Paz reine soberana em todos os cantos da Terra. Eu quero que os ditadores desapareçam, que cada ser tenha consciência do seu valor e de sua importância na ordem das coisas. Que a Fome não mate mais crianças; que ninguém mais ouça falar de acidentes de carro, principalmente os causados por falha, imperícia ou abuso humano. Eu quero que os pais verdadeiramente eduquem seus filhos através de exemplos; que os professores recuperem sua importância e reconhecimento nas escolas de todos os níveis. Por falar em escolas, eu quero que nas escolas os professores voltem a se dedicar a ensinar aos alunos as grandes fontes do conhecimento, ferramentas para o futuro dos jovens - Português, Matemática, História, Geografia, por exemplo. Eu quero que os mesmos professores esqueçam que um dia precisaram aprender a se esquivar de bolinhas de papel, de pontas de giz, de ataques verbais ferinos. Eu quero o aluno questionador, intrigado e pesquisador, preocupado em buscar respostas para suas dúvidas e que esteja limpo, calçado, vestido, penteado, dentro de sala de aula decente e digna, com paredes higienizadas. Ah! Que todos – professores, alunos, pais, funcionários saibam dizer ( e usar) expressões tais como por favor, com licença, desculpe.

Eu quero comerciantes honestos. Eu quero cidadãos preocupados com os acontecimentos que lhe digam respeito. Eu quero que os políticos respeitem seus eleitores. Eu quero que os estados recolham impostos e repassem para Brasília o que sobrar dos investimentos feitos em favor dos seus próprios contribuintes. Eu quero acabar o problema da seca nos estados mais pobres da Federação, pois desconfio que ela, a seca, seja mais problema de falta de ética, que propriamente de água naqueles rincões. Eu quero acreditar nos juízes que formam os Sistemas Judiciários do Brasil. Eu quero voltar a respeitá-los. Eu quero ter orgulho deles.

Eu quero continuar a confiar nas pessoas que ajudei a eleger. Quero que Joyce Hasselman vigie, denuncie, esteja atenta às mandraquices dos seus velhos colegas. Que Janaína Paschoal aprove leis que tenham importância para a população. Que o senador Major Olímpio dê suporte para o Presidente. E que o Presidente Jair Bolssonaro devolva a confiança e a esperança que seus eleitores lhe dedicaram. E que todos os políticos, raposas velhas ou neófitos, tenham certeza: aprendemos a dizer não. Se não fizerem por onde, a gente troca. Quanto a mim, de certa forma venci a corrida, chegando vestida, calçada, despenteada, esbaforida e suada ao fim de mais uma maratona. Não venci a corrida, mas estive entre os corredores que sobreviveram. Já é alguma coisa.... E vamos embora, que 2019 será mais curto que 2018!

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras