Oscar

Por: Lúcia Helena Maniglia Brigagão

394395

Pequena. Mede apenas 33 centímetros e pesa míseros 3,85 Kg para seu significado. Tem rivais expressivos como o Urso de Ouro de Berlim e a Palma de Ouro, de Cannes. Representa cavaleiro desnudo e corpulento, com os braços cruzados segurando espada e parado sobre objeto praticamente desconhecido nos dias atuais: o antigo rolo de filme. O troféu não foi sempre chamado Oscar, mas sua forma não mudou desde seu nascimento, exceto quando o colocaram sobre o pedestal, em 1945. Ao longo de quase um século tornou-se o prêmio mais importante do mundo da Sétima Arte. Criada em 1927 pela americana Academia das Artes e Ciências Cinematográficas, que na época era composta por 36 membros – hoje tem 5830 - tinha e conserva sua função de promover filmes e homenagear desempenho de atores, atrizes, diretores e outros realizadores. A cerimônia de entrega dos troféus, ao longo do tempo, tornou-se evento prestigiado e esperado. Grandes surpresas são esperadas a cada ano porque a escolha dos considerados melhores em suas categorias, embora represente a maioria das opiniões da Academia, é subjetiva. Muitas vezes os grandes sucessos e campeões de bilheteria são outros títulos , totalmente diversos da premiação. Diz a lenda que a bibliotecária da Academia da época achou a estátua muito parecida com seu tio Oscar e, desde então, ela seus funcionários passaram a chamá-la assim. Mas é certo que a popularização do nome teve início quando jornalista especializado em cinema, de Hollywood, utilizou-o em 1934 em sua coluna para se referir ao prêmio de “Melhor Atriz” recebido por Katherine Hepburn. Desde 1939, a Academia adotou o nome. A primeira cerimônia de entrega dos prêmios durou 15 minutos e distribuiu 15 estatuetas. Atualmente, entre a chegada monumental de astros e estrelas, o grande desfile que expõe as celebridades, a entrega, homenagens e shows, a transmissão dura mais de três horas e é assistida por milhões de espectadores em cada canto do mundo. Divulgados inicialmente através de rádio, os prêmios da Academia foram transmitidos pela televisão em preto e branco pela primeira vez em 1953, passando para a transmissão em cores em 1966. Este ano, particularmente, será muito difícil escolher os melhores filmes e profissionais entre os indicados. Ouso apontar alguns títulos, em algumas categorias, que acredito não possam ficar de fora da premiação. Faltam alguns títulos para completar minha preparação para o Oscar mas, fosse escolher, entre os que já vi repito, como Melhor Atriz premiaria Glenn Close (A esposa); o Melhor Filme, teria que rever Bohemian Rhapsody, Green Book e assistir Pantera Negra, Roma e Vice. Para melhor ator, estou em dúvida. Viggo Mortensen (Grenn Book)? Bradley Cooper (Nasce uma estrela?) Rami Male (Bohemian Rhapsody)? Coadjuvante Feminino? Falta ver Amy Adams em Vice, antes de escolher. Masculino? Aposto em Mahershala Ali, em Green Book. A Melhor Canção Original será Shallow, de Nasce uma estrela, quer apostar? Faltam poucos dias. Minha ansiedade está supitando! Haja Rivotril! Bendito lazer, nestes dias de medos, temores e tanta tristeza à nossa volta.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras