Vida e Morte

Por: Janaina Leão

401565

Minha mãe era alegre, ruiva e usava um cabelão de “permanente”. Eu lembro dela sempre de batom daqueles que duram 24 horas. Eu era criança e gostava era de comer eles: meus dentes denunciavam (risos).

Ela gostava de ir ao clube- todo final de semana íamos na Francana. Lembro que ela passava bronzeador que parecia cocô. Chamava “Raíto”, mas tinha cheiro muito bom! Dava vontade de comer também! Eu devia ter muita lombriga (risos).

Ela gostava de ir na boate Algarve e no Vivenda com as amigas. Eu tinha uma coleguinha de classe que sempre me contava que minha mãe dançava muito bem! E que a saia dela rodava quando ela dançava! Eu imaginava a cena porque nunca vi...

Minha mãe dava aula em três períodos quando se separou de meu pai. Tinha dias que ela não conseguia nos ver acordadas pois saía antes da Nayara e eu acordarmos e chegava depois que minha avó já tinha nos colocado para dormir. Ela trabalhou em tanta coisa: fábrica, enfermagem, babá, contadora. E pagou as próprias faculdades- Letras e Pedagogia.

Deu aula para metade da Franca: é a melhor professora que eu conheço. É também a pessoa mais generosa e honesta, tem a maior fama de bom coração – é verdade!

E ela arrumava um tempo pra sair com as amigas. Ah! Tinha os bailes em Patrocínio Paulista que eu sei, hein, dona Marli! Elas iam escondido da minha avó que não gostava muito. É; minha mãe já foi rebelde!

Mas ela sempre voltava com um lanche ou um chocolate. Ela cuidou da gente da melhor forma que pode todos esses anos. Até que minha irmã partiu e a tristeza invadiu tudo.

Mamãe é professora. Aposentada, hoje em dia. Eu queria lembrá-la de que ela é a mulher mais linda que eu já vi...em todos os sentidos. Que é uma honra ser filha da TiaCê.

Ela tem um legado tão bonito, é professora por vocação e amor. Os alunos dela jamais a esqueceram. Sou tão formiguinha perto dela... Me esforço para merecer todo ensinamento e fazer jus a essa linhagem de guerreiras.

Infelizmente a depressão a fez esquecer disso tudo. Mas eu vim aqui para lembrar você, mãe. E pra gritar pro mundo inteiro ouvir: Eu te amo: acredite! Saia deste movimento de morte e volte pra VIDA: sua filha te espera aqui de braços abertos.

Tem tanta coisa que quero fazer com você! Vamos ver o mar...

 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras