Arrumar para arrimar

Por: Maria Luiza Salomão

401569

A vida angustia. Angústia pode sufocar e aprisionar o peito, impedir a criatividade se muito intensa. Mas pode ser a companheira, a sinalizar a necessidade de reconfigurações dos sentimentos/pensamentos, percepções/expectativas, dores limitantes/constrangedoras. A angústia também pode ser fiel bússola para o crescimento psíquico e espiritual.

Paredes grafitadas têm cativado meu olhar. Reflexões condensadas em imagens, poesias expressas em frases, palavras-baú. Vi uma em São Paulo.

Grafitar já foi transgressivo. Para alguns grafiteiros, deixar de ser atividade marginal tornou banalizado o que era ato heroico, de denúncia.

Pensar é ato criativo: pode ser penoso: implica em lidar com situações angustiosas, desconhecidas, internas e externas.

Sair do “quadrado familiar” é uma ousadia do espírito para novos horizontes. Angustia suspender a pálpebra sonolenta do familiar para o que contraria crenças estabelecidas que são o esqueleto de um modo de ver/viver.

Pensar cria nova perspectiva; permite novas sensações; faz emergir sentimentos imprevisíveis...

Arregalo olhos para as ruas, para o céu, para o chão, para pessoas com que cruzo nos meus “caminhos da roça” – casa/trabalho; casa/cidade em que moro; cidades que visito. Perscruto abismos e cavernas: mundos e fundos.

Drummond está certo: o mundo não cabe em um só coração. E também: o que os olhos não veem... não sofrem, assim, com dolorosas percepções.

Somos seres limitados, embora abertos; sensíveis, embora impermeáveis; pensantes, embora parcialmente robotizados.

Uma frase grafitada, que tanto gostei, sumiu dentro de mim; conexões se perderam. Ficaram duas palavras - “arrumo”/“arrimo”. Ao meu modo, conectei arrumar e arrimar como constante oscilação - caos/cosmos.

Há que ter arrumação cósmica para amparo, escora, arrimo no caos. Dentro de arrumar mora o rumo. Dentro de arrimar, a sustentação.

Arrimar é coisa do possível. Arrumar, coisa do necessário.

Entre possível e necessário...grafitar a alma... para conter a angústia de existir, aberta e alerta.


  

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras