Temístocles e Aristides

Por: Mario Eugênio Saturno

401570

Às vezes, penso em fazer como Temístocles e ser alarmista, distorcer os fatos para colocar a sociedade brasileira no caminho da salvação, mas vou falar a verdade aos cidadãos brasileiros na esperança de que me ouçam, mesmo porque não tenho vocação de ser Cassandra.

Para quem não sabe, Temístocles decidiu contar uma mentira para salvar Atenas. Em 483 a.C., os atenienses tiveram um grande lucro graças às minas de prata. Temístocles, que passara os dez anos anteriores tentando convencer o povo a construir navios de guerra para enfrentar os persas, sem sucesso, mudou a estratégia. Aristides, seu rival, propôs que o lucro fosse dividido entre os cidadãos, mas Temístocles apontou para o poderio crescente de Egina e, para prevenir, deveriam construir navios de guerra. Aprovaram a construção de cem trirremes. O persa Xerxes I atacou, liquidou os 300 de Esparta e partiu para Atenas. Os navios foram usados para a evacuação do povo e depois deu a vitória na batalha de Salamina. Qual político foi melhor para Atenas, Aristides ou Temístocles?

Nossos políticos, no geral, não estão no nível de nenhum deles em cultura, conhecimento e amor à Pátria, mais por ignorância do que por maldade. Por desconhecer cientificamente a região amazônica, comportam-se como Aristides, querendo extrair de lá a madeira, os minérios e usar a terra para a agricultura e pecuária. E como Aristides, nem imaginam o mal que farão, já que desconhecem o solo, a fauna, a flora e o clima. A fauna e a flora, que são destruídas para sempre, poderiam ser uma riqueza inestimável para a farmacologia, por exemplo; aí poderia estar a cura de muitos tipos de câncer. É muita riqueza desperdiçada pela ignorante ganância de muitos políticos.

E para clarear nossas mentes, foi entrevistado no último dia 7 de agosto, na Globo News, o cientista do INPE Carlos Nobre que, com uma clareza inestimável, apontou todos os caminhos para que a nação trilhe para um futuro glorioso ou miserável. Aliás, a Globo poderia liberar o vídeo para todo cidadão de bem assistir.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras