A tecelã

Por: Heloísa Bittar Gimenes

407211

Delicadamente com minhas palavras ela tecia minha história. Buscava no passado os motivos do presente para só depois abrir as tessituras do amanhã.

Dentre uma gigantesca teia de repetições e nós o novo aparecia sutilmente no alinhavo da tecelã. Ali, outro ponto, outro ritmo. As cores ainda eram tímidas no tear... Porém, sabíamos que funcionavam cintilantes quando se desbotavam nas palavras engasgadas e malditas. Lá vai a tecelã... e com ela outras possibilidades, teias, telas e emaranhados... Lá vai a vida vivida.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras