A salvação na palma das nossas mãos

Por: Ligia Freitas

407660

Individualismo x Cooperativismo. Olhar para o umbigo x olhar para o próximo. Egoísmo x Generosidade. Foco no Jovem x Foco no idoso. Apenas um jogo antônimo de palavras?

Não, eis o antes e depois, aquilo que se espera que aconteça com a nossa sociedade contemporânea após a passagem do coronavírus pela Terra. Um vírus que tem um baixo índice letal; no entanto, devido à sua alta proliferação num curto espaço de tempo, o pânico está instalado, pois há prováveis chances de o sistema de saúde colapsar.

Um vírus perigoso para os idosos, mas que traz à tona a necessidade de a sociedade contemporânea voltar seus olhos para essa parcela da população que anda esquecida, à margem desta sociedade pós-moderna, que cultua corpos ao invés de mentes.

Nunca foi tão contraditório viver em pleno século XXI, auge da capacidade intelectual, cultural, política e financeira do ser humano, e ao mesmo tempo: crises no ensino, na política, na saúde física e emocional da população, com altas taxas de depressão e suicídio.

Será que a nossa sociedade precisa do coronavírus para perceber que está doente? Parece que sim, é preciso medo, medo de perder o dinheiro, de morrer, de perder tudo para entender que a luz no fim deste túnel é tão somente uma: a união entre os povos (pensarmos no coletivo).

A individualidade, o egoísmo, o mundo virtual (e não real) que bate à porta da nossa casa a cada flash de celular ou de televisão estão destruindo a humanidade.

E em situações como esta, de grande instabilidade, somos convocados a um caminho: darmos as mãos (pensarmos no coletivo). Se a sociedade contemporânea não entender esse chamado, catástrofes e mais catástrofes acontecerão.

Enquanto não entendermos que devemos cancelar uma viagem, porque o pai do nosso amigo está em risco, catástrofes acontecerão; enquanto não entendermos que devemos lavar as mãos em prol do idoso, do paciente em risco, catástrofes acontecerão; enquanto não entendermos que cuidar do próximo é também cuidar de si mesmo, catástrofes e mais catástrofes acontecerão.

Sim, é hora de sairmos da nossa bolha para salvarmos o próximo, só assim salvaremos nossos filhos, nossos pais, nossa família, e a nossa tão sonhada noite de sono.

Estamos juntos? 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras