Devaneios

Por: Soraia Veloso

409248

É meia-noite. Olho ao redor e tudo está em silêncio: todos dormem em casa. Menos eu. Estou trabalhando e neste horário um café cairia bem. Levanto e me dirijo a cozinha. Preparo um cappuccino e um gostoso aroma invade o pequeno espaço. Agora sento no sofá e retomo algumas leituras. Leio e respondo e-mails. Navego pelas redes sociais. Me preparo para o dia seguinte. Ouço barulhos que passam despercebidos na rotina da casa: o motor da geladeira, o glup do galão de água, estalos vindos das portas de madeira. O ressonar – tão importante – de quem dorme. Fora isso, só o leve barulhinho do teclado. Lá fora, ainda que tão tarde, escuto quero-queros – alguém desavisado deve ter passado próximo aos ninhos. Escuto carros passando ao longe. Às vezes uma moto. É, já passou da meia-noite. O silêncio permite pensamentos longevos. Novos planos. Novas ações. É preciso reorganizar a leitura. Terminar o que comecei. A moto passa novamente. Parece que alguém pediu comida. Deve estar com fome. Como minha luz está acesa o entregador poderia pensar é nesta casa que estão o esperam. Mas se entregador for entregadora? Devaneios. A meia noite já ficou para trás. O relógio anda muito rápido. Todos da casa continuam dormindo. É hora de ir dormir também.Será que consigo?


 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras