De tanto procurar

Por: Baltazar Gonçalves

409555

Essa é a história de um homem que andava sempre olhando para o chão em busca do que os outros perdiam por aí. Vivia sozinho e tinha os bolsos cheios de quinquilharia. As noites passava enamorado de seu tesouro disperso, iluminado à luz de velas.

Certo dia bateram à porta, era um jovem perguntando se ele não teria encontrado uma chave que perdera:

_ Foi a velha da esquina quem disse que o senhor enxerga por 2.

O homem tinha encontrado 3 chaves e o jovem levou-as prometendo devolver as que não servissem. Não voltou. Passaram-se os dias.

Bateram novamente à porta, nessa porta onde ninguém procurava nada. No lugar do jovem, uma mulher que tinha perdido um dos brincos. Ela trazia as duas chaves que não serviram ao rapaz e as devolveu.

A fama desse homem que encontrava coisas perdidas se espalhou pela cidade e ele, de imperceptível, passou a ser notado.

Muitos dias se passaram, muitos o procuraram. Até que (toc, toc, toc) outra mulher pediu ajuda:

_ Ando distraída, perdida entre as horas e os dias, procuro o juízo que um dia tive. Desconfiado da insanidade, o homem dispôs-se a acompanhá-la. O barulho do seu sapato lembrava as batidas na porta (tac, tac, tac).

Acontece que os caminhos por onde a mulher procurava o juízo perdido eram diferentes dos caminhos que o homem percorrera sempre de olhos fixos no chão. De modo que, aos poucos, saíram da cidade e ganharam os bosques, as fazendas e as colônias tortas sopradas por brisa suave. Aos poucos o ritmo dos passos da mulher insana tornou-se íntimo do coração solitário (tuc, tuc, tuc). Muito procuraram. Passaram meses juntos.

Então, certa manhã no início da primavera, abaixado ele gritou:

_ Achei!

O homem estendeu a mão oferecendo o achado. Mas não foi o juízo dela que ele encontrou. Esse que encontrava coisas perdidas estende a mão e oferece a primeira flor da estação.

Daquele momento até hoje caminham juntos. Sem juízo e perdidos.

 

_____________

Esse texto pertence à série EU RECONTA, um projeto literário em que reconstruo narrativas que me inspiram. Mantendo os elementos originais, acrescento contornos particulares. De tanto procurar é um conto de Marina Colasanti no seu livro Do seu coração partido.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras