Maquinista do tempo

Por: José Antonio Pereira

O trem parte cedinho, soltando fumaça, espalhando barulho, levando e deixando gente pelo caminho. Este trem não leva só pessoas, carrega também anseios, histórias e destinos. Cada passageiro marca seu curso pelo tic tac do relógio.
O maquinista do trem marca cada território com o apito, que soa como um despertador, avisando todos da estação que não só o trem, mas o tempo também está passando. Cada buzinada reflete um novo instante, esmagado pelos trilhos e carregado pela sinfonia da viagem.
 
 
Karina Gera
publicitária

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras