Chão e sonho

Por: José Antonio Pereira

"E eu pisando a estrada, e eu pisando a estrada,
vendo o lago denso, vendo a terra de ouro,
com pingos de chuva numa luz vermelha…
[...]
Sonho muito, falo pouco."
Cecília Meireles in ‘A Mulher e a Tarde’


Pisando a estrada e seguindo a voz do vento
Cantando cantos em mudas notas de terra e púrpura e malvas
Sonhando sonhos acordados em vida, silêncio e lágrimas.
 
Ao suspiro longo do dia
Breves céus se esgarçando em lavandas e maçãs
E se enlaçando - líquidas luzes - em fios de seda e romã.
 
(E eu vivendo essa tarde piso o chão da estrada viva
Vejo nuvens densas soltas entre damascos e tâmaras
E sinto alma e olhos postos em águas e mel e chamas).
 
Pisando a estrada cruzando a tarde vivendo o chão sonhando o sonho...
E sabendo que os pés são terra e os olhos são azul
Posto no fim do dia entre sangue silêncio e sombras.
 
 
Eny Miranda
Médica, poeta e cronista

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras