Cadê meu texto?

Por: José Antonio Pereira

Cadê meu texto? Tenho certeza de que estava por aqui. Tenho certeza de que deixei aqui. Fui trabalhar, voltei, escrevi, fechei, fiz o esqueleto. Lembro-me quando a inspiração baixou, estava com caneta na mão. Não, estava com meu notebook. Era uma rua escura e a menina passeava naquela rua, onde tantas vezes passei. Não, estávamos em Búzios e de repente a vida se manifestou. Ah! Vem cá. Nossa, que bom ver você! E a sua mãe, nossa, casou de novo? Como eu andei distante!


Meu Deus como é difícil escrever quando se quer! Acho que às vezes eu não quero escrever. Mas baixa uma emoção tão grande no peito, aí choro, sofro, corrijo, e são palavras brotando dentro da cabeça e do coração e eu escrevendo feito um Chico. Na verdade escrevo sonhando ou sonho escrevendo?Escrever para as pessoas lerem e se emocionarem. É assim, quando você escreve, pessoas viajam , pensam,refletem, reagem, sorriem, amam e desejam que não paremos nunca. Escrever sobre amores e desamores. Aquela palavrinha especial. Incentivos e assuntos engraçados, as coisas de Deus? Amores calados, falados e loucos.


Cadê meu texto, gente, deixei aqui, velho. Cadê o meu texto? Acho que está aqui no meu coração querendo aflorar e eu não deixo, pois estou carregado de afazeres que não me deixam sonhar. Escrever é sonhar, é ser mágico, é brincar de roda em um domingo de sol. É passear no céu com os pezinhos na Terra. É ser feliz sem ser nada, apenas escrever. Cadê minha inspiração. Cadê minhas letras? Perderam-se nesse espaço em branco. Quem sou eu sem aquelas palavrinhas, rimas e contos. Socorro, meus escritores preferidos. Oh Cruz divina, magicamente em mim. Maquiaveli-me, transforme-me em um homem das letras. Vereda-me por esses malucos arquitetos da mágica letra. Traga-me Everton em versos, prosas e vidas, reduza-me em pequenas crônicas, traga-me imagens perdidas. Cadê meu texto?


Outro dia, outra hora ou assim que a inspiração chegar.

 

Paulo Maestri
Professor
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras