27 de junho de 2019

Opinião

Epifania

Afesta da Epifania é a grande convocação que Deus faz, a fim de que todas as nações e raças encontrem forças para tornar humano e fraterno o nosso mundo.

Opinião 06/01/2019 -

Afesta da Epifania é a grande convocação que Deus faz, a fim de que todas as nações e raças encontrem forças para tornar humano e fraterno o nosso mundo.

Os homens de boa vontade têm uma “estrela”, não cessam de “sonhar” um caminho alternativo, que não passa pelos poderosos, mas nasce do menino-pastor. Essa caminhada é cheia de dificuldades, mas é Deus quem a ilumina, gerando forças e vida nova.


Primeira leitura: Isaías 60: A primeira leitura se refere à cidade de Jerusalém, embora seu nome não seja mencionado. A situação da cidade é desanimadora.

Teria Javé abandonado seu povo e a cidade santa? O papel do profeta aqui é suscitar ânimo e esperança. Javé continua sendo o esposo da cidade. Por causa do amor fiel que tem para com Jerusalém, esta será transformada em ponto de convergência da caminhada das nações.

É um marido apaixonado que deseja todo o bem à sua amada, ele é luz e permite à cidade participar dessa luz.

O Novo Testamento, na pessoa de Jesus, irá propor o Reino de Deus como alternativa contra os imperialismos que esmagam a vida do povo.


Segunda Leitura: Efésios 3: A carta aos Efésios é um texto que Paulo, ou um discípulo seu, escreveu para diversas comunidades das regiões próximas a Éfeso.

Paulo utiliza a palavra projeto de Deus. Prefere falar de mistério. Mas esse termo nada tem a ver com algo obscuro ou incompreensível. Pelo contrário, mistério corresponde à revelação do plano divino.


Evangelho: Mateus 2: O evangelho mostra que o verdadeiro rei dos judeus não é o violento (assassino), prepotente e politiqueiro.

Herodes e a cidade inteira se agitam com o anúncio de novo rei.

O verdadeiro rei dos judeus é um recém-nascido, que tem suas raízes no poder popular alternativo que se forma a partir do descontentamento e das necessidades básicas do povo, ou seja, é rei à semelhança do pastor Davi.

Os magos são os primeiros a intuir isso, e seu desejo é adotar esse novo poder que nasce do pobre. Eles são guiados por uma estrela, que exprime as intuições mais puras e os anseios mais profundos da humanidade sedenta de paz, justiça, fraternidade.

O gesto de reconhecimento é acompanhado da oferta do que há de melhor em seus países: ouro, incenso e mirra.

Para os Padres da Igreja, essas riquezas simbolizam a realeza (ouro), a divindade (incenso) e a paixão de Jesus (mirra).



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

VER MAIS