20 de julho de 2019

Culinária

Barquetes de frango

Típica das festas dos anos 80, as barquetes de recheios diversos estão voltando com tudo neste verão de rachar mamonas: são frescas, saborosas, fáceis de fazer e práticas para servir

Culinária 17/02/2019 - Repórter: Sônia Machiavelli
Foto de:
De olho em fotos e textos de revistas já antigas, é surpreendente observar como mudam os cardápios ao sabor do tempo. As novidades surgem numa época, fazem muito sucesso, todo mundo repete à exaustão. Depois, como tudo o que é demais enjoa, vão desaparecendo das mesas. Foi o caso, só para citar um exemplo, do “coquetel de camarão” dos anos 70- aparecia em tudo quanto era jantar. Hoje muitos nem sabem que vinha em taça de boca larga, tipo Martini, e o camarão GG tinha metade do corpo frio (antecipadamente frito na manteiga com alho) imerso num molho rosé gelado; a outra metade fora, com o rabo balançando. Aliás, até o rosé, como era feito então, já não é o mesmo. Foi industrializado e perdeu o sabor e a graça originais..
 
As barquetes tiveram seu tempo de glória nas festas infantis da década seguinte- a dos anos 80.
Faziam-lhe companhia as minibatatinhas em conserva agridoce e o bolo salgado de pão, unipresente nas mesas. Este era uma delícia, antes de ser falsificado. O daqueles tempos tinha como recheio presunto, muçarela, patê de cenoura, patê de espinafre, molho de tomate caseiro, ovos bem picadinhos - tudo espalhado delicadamente nas fatias longitudinais de pão de forma branco sem casca que a gente encomendava de véspera na padaria. Ficava parecendo um edifício de fachada colorida, se olhado de lado. Uma lindeza quando feito com dedicação, porque em culinária capricho é tudo. No item doces, inesquecíveis se tornariam as balas de coco embrulhadas em papel de seda repicado; as de café enroladas em papel manteiga dobrado à moda de drops; gelatina multicolorida em copinhos; beijinhos (com cravo espetado à guisa de miolo); cajuzinhos (com lasca de amendoim no topo); olho-de-sogra grandão, arregalado, vidrado como se tivesse feito alguma incrível descoberta. O passado parece ser melhor do que foi, já disse alguém. Será?
 Verdade verdadeira mesmo é que o ser humano gosta de novidades. No começo o recheio das barquetes era de camarão. Falava-se barquete, já se sabia que vinha dentro o camarão refogado em pedacinhos com palmito e misturado com maionese. Daquelas maioneses batidas em liquidificador- uma gema crua, outra cozida, pitada de sal, gotinhas de limão, e dá-lhe azeite até obter ponto. Que girassem as pás naquele zumbido que chegava à vizinhança. Os eletrodomésticos também mudaram, ficaram mais silenciosos.
 
Mas o camarão que já era caro, foi ficando inacessível aos bolsos da maioria. Eis que por esse tempo, não tão distante assim, no interior começaram a aparecer os cortes de frango prontinhos nos supermercados, tudo limpo, bonito, esterilizado. A criatividade humana é vasta, a dos cozinheiros, maior ainda. E o peito de frango foi substituindo em muitos preparos o camarão. Do bobó o frango pulou para as barquetes. E é uma receita dessas que trago hoje para os leitores.
 
As barquetes, que antes eram feitas em casa, já são encontradas há muito tempo à venda em caixinhas, e sua massa é melhor que a antiga- mais leve e seca. Ficam perfeitas para serem recheadas. Os ingredientes aqui listados são suficientes para 30 barquetes.
Comece preparando o frango. Limpe, lave e corte em cubos pequenos um peito de frango. Leve a uma panela, cubra com água, agregue um cubo de caldo de galinha, cozinhe até amaciar. Escorra a água e na própria panela desfie a carne, batendo nos pedaços um martelo de cozinha. Outra técnica, que vi o Rodrigo Hilbert reproduzindo, consiste em cozinhar os pedaços de peito de frango na pressão, abrir para ver se estão macios, em caso afirmativo escorrer o caldo, voltar a carne para a panela, tampar e sacudir energicamente. Em dois minutos está desfiadíssima! Mas tem aqueles que preferem desfiar manualmente. Em qualquer dos casos, depois de desfiada a carne, reserve. Enquanto ela esfria passe aos legumes. Retire as sementes dos dois tomates e corte-os em cubinhos miúdos. Raspe a cenoura e rale no lado grosso. Pique o cheiro-verde bem miudinho, salsa e cebolinha separadamente. Retire os caroços das azeitonas e corte-as em rodelas. Coloque numa tigela grande o frango desfiado e junte cenoura, tomate, azeitona. Misture bem com garfo. Acrescente a maionese e o requeijão e volte a mexer. Experimente. Acerte o sal se precisar. Apimente se gostar. Junte o cheiro verde. Revolva a mistura para que todos os ingredientes fiquem bem agregados.
 
Usando uma colher preencha as barquetes. Coloque numa travessa de servir e decore o centro com meio tomate-cereja e um raminho de salsa. Deixe meia hora na geladeira e então sirva.  
 
 
 
Ingredientes
 
 1 pacote de massa de barquete assada
(encontradas em supermercados)
 2 xícaras (chá) de frango cozido e desfiado
 ½ xícara (chá) de maionese
 ½ xícara (chá) de requeijão cremoso
 ½ xícara (chá) de azeitonas verdes picadas
 ½ xícara (chá) de cheiro-verde picado
 2 tomates pequenos sem sementes picados
 1 cenoura ralada
 Tomatinhos-cereja e ramos de salsa para decorar
 
 
Passo a Passo
 
 
Numa tigela grande misture frango desfiado, cenoura ralada, tomate e azeitonas picadas
 
Acrescente requeijão cremoso e maionese, prove o sal, misture bem
 
Agregue o cheiro-verde picado miudinho e volte a mexer
 
Com uma colher, preencha as  barquetes com delicadeza
 
Guarneça com meio tomate cereja e um raminho de salsa; leve à geladeira 


COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

VER MAIS