24 de agosto de 2019

Brasil e Mundo

Prefeitura de SP diz que pretende manter F-1

Bolsonaro afirmou que o novo autódromo será construído em área do Exército em Deodoro.

Brasil e Mundo 08/05/2019 - Repórter: FolhaPress
Foto de: Divulgação
Autódromo de Interlagos

Após o presidente Jair Bolsonaro assinar nesta quarta-feira (8) um termo de cooperação com o objetivo de levar as provas de F-1 para o Rio de Janeiro, a Prefeitura de São Paulo afirmou que seu contrato para realizar o GP de Interlagos vai até 2020 e tem a intenção de renová-lo.

"Inclusive já estão ocorrendo as tratativas para renovação ainda em 2019. Além disso, o Autódromo de Interlagos é o único do Brasil que possui certificação para realizar a prova de F-1", disse a prefeitura por meio de nota.

Pouco antes, em evento no Rio, Bolsonaro afirmou que o novo autódromo, que ainda será construído em área do Exército em Deodoro, receberá a prova já partir do ano que vem.

"A direção da F-1 resolveu, após a eleição do ano passado, tendo em vista quem foi eleito na região que interessava para eles, resolveram manter a possibilidade de termos a F-1 no Brasil. São Paulo, como havia participação pública, uma dívida enorme, tornou-se inviável a permanência da F-1 lá. Vieram para o Rio de Janeiro. O autódromo será construído em seis, sete meses após o início das obras. De modo que, por ocasião da F-1 do ano que vem, ela será no RJ", afirmou ele.

Atualmente, nenhum país sedia mais do que uma prova por ano na categoria. Isso já ocorreu no passado, por exemplo com Alemanha e Espanha, que também receberam os chamados GPs da Europa.

O primeiro GP Brasil foi realizado em 1972, em Interlagos. Nos anos 1980, a prova se mudou para o Rio de Janeiro, no autódromo de Jacarepaguá, onde ficou até 1989. No ano seguinte, voltou para Interlagos, onde permanece até hoje.

A reportagem procurou a organização do GP Brasil e a F-1 e aguarda um retorno.



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

VER MAIS