20 de julho de 2019

Gazetilha

Levantar de novo

Os últimos tempos não têm sido fáceis. Tenho enfrentado uma sucessão de duras batalhas em todos os níveis – profissional, pessoal, político

Gazetilha 12/05/2019 -

Os últimos tempos não têm sido fáceis. Tenho enfrentado uma sucessão de duras batalhas em todos os níveis – profissional, pessoal, político. Algumas, resultantes de escolhas que fiz ou erros que cometi. Outras, reflexo das inevitáveis inimizades colecionadas - ainda que sem intenção - nos longos anos de atividade jornalística, profissão que exige muito de quem a exerce numa cidade de porte médio do interior, onde a proximidade entre o personagem e a notícia torna os choques tão frequentes quanto os desgastes. Tem o naco derivado dos embates políticos, nem sempre justos. Há ainda a porção que é fruto de circunstâncias ou mudanças na sociedade e nos padrões de consumo, cuja dimensão ninguém antecipou a contento e, muito menos, teria como evitar.

Para grande parte destes desafios, estava preparado ou, no mínimo, avisado do que viria pela frente. Para alguns, não. A decisão judicial da qual fui informado na última quinta-feira, e que fiz questão de tornar pública no mesmo dia, é uma dessas batalhas que até algum tempo atrás jamais imaginei que enfrentaria. Muito menos, que dela poderia resultar algum tipo de sanção por conta de decisões tomadas há 14 anos, naquele trágico 2005, ano da morte do meu pai e, certamente, período mais conturbado da minha vida – pelo menos, até agora.

Fui condenado, pela Justiça Federal em Franca, a três anos e oito meses de serviços comunitários, por conta de eventos acontecidos 14 anos atrás. Eram três acusações contra mim, as mesmas três contra minha mãe. Graças a Deus, mamãe foi absolvida de todas. Tive menos sorte. Fui absolvido de duas delas. Mas por uma das alegações, acabei condenado em primeira instância. Ainda é uma decisão da qual cabem inúmeros recursos. Mas a sensação amarga é inevitável. Obviamente, respeito a posição do Ministério Público Federal (MPF), que me acusou, e da Justiça, que me condenou. Mas, na mesma medida, discordo de ambos até o último fio de cabelo. Não cometi nenhuma ilegalidade, nada fiz de ilícito, não peguei um centavo nem usei nada que não fosse nosso. Fui condenado por um contrato lícito, feito pelo meu pai, e que me permitiu acessar dinheiro da nossa empresa, o que foi fundamental à época. O dinheiro foi depois devolvido ao caixa da empresa e tudo está na declaração do Imposto de Renda. Espero, com a ajuda dos advogados que me assistem, conseguir demonstrar isso diante do Tribunal Regional Federal. Minha luta é pela absolvição.

A história é longa, o espaço é curto e o tempo, distante. Mas para entender, um resumo ajuda. Entramos naquele 2005 cheios de planos. Havia muitos projetos em andamento, como a compra da rádio Difusora. Mas meu pai, que comandava o jornal de forma personalíssima, passou por uma cirurgia na cabeça – e dela, jamais se recuperaria. Viriam na sequência outras operações, muitas internações em Ribeirão Preto, São Paulo e Franca, todas sem o resultado esperado. Seu quadro acabaria se agravando até que morresse, em 18 de agosto, aos 77 anos.

Eu e minha mãe trabalhávamos na redação. Meu irmão, André, exercia outras atividades. Meu outro irmão, Rafael, ainda era desconhecido por nós. Nem eu nem minha mãe tínhamos qualquer função administrativa, o que qualquer um que convivia conosco ou trabalhava nas empresas à época sabia. Também não tínhamos grandes recursos na pessoa física. O dinheiro que a família tinha estava no jornal. Nossa vida era o jornal.

O complicado tratamento do meu pai exigiu muito dinheiro. Alguns cheques vultosos que ele havia emitido também precisavam ser honrados. Muitas destas despesas paguei com meu cartão de crédito. Usei o dinheiro do jornal para quitar as faturas, assim como para honrar os cheques que ele havia emitido. Era dinheiro nosso, que estava na empresa, usado para pagar despesas ou compromissos assumidos por meu pai, que era o dono. Parece óbvio para todos nós. Mas não foi, para a Receita Federal, que aplicou uma pesadíssima multa. Parcelamos e, durante anos, pagamos, ainda que inconformados, essa conta. Mas nos últimos tempos, com o agravamento da crise econômica, ficou impossível seguir pagando o débito. A prioridade são os salários. A Receita então informou o MPF, que por sua vez formalizou sua denúncia na Justiça Federal. O resultado foi a sentença tornada pública na última quinta-feira. Nada tem a ver com dinheiro público, nem com o exercício do meu mandato de vereador.

Mesmo assim, sempre cobrei transparência e exigi respeito pelo trabalho da imprensa. Jamais mudaria de postura porque me tornei o personagem. Agi da mesma forma com que espero que qualquer pessoa pública aja. Convoquei uma entrevista coletiva e informei, eu mesmo, o resultado e os detalhes da ação para os jornalistas que compareceram. Agora, vou recorrer e lutar pela absolvição. Posso até cair, mas dou um jeito de me levantar e seguir em frente, assimilando as lições, transformado, refeito. Sempre. Porque assim é a vida. E esse, sou eu.

PS: obrigado a todos os amigos e amigas que me escreveram com manifestações de apoio e solidariedade. Foram muitos. Obrigado também a todos os colegas de imprensa que, sem exceção, fizeram uma cobertura sóbria e correta dos fatos. 

Corrêa Neves Júnior, publisher do Comércio e vereador.

email - jrneves@comerciodafranca.com.br


COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

VER MAIS