16 de junho de 2019

Opinião

Oração é intimidade

A oração é um fenômeno presente em todas as religiões. O homem que crê, ora. Ora porque crê, e crê porque ora.

Opinião 19/05/2019 -

 “E aconteceu que, estando ele a orar num certo lugar, quando acabou, lhe disse um dos seus
discípulos: Senhor, ensina-nos a orar, como também João ensinou aos seus discípulos”.
Lucas 11.1


A oração é um fenômeno presente em todas as religiões. O homem que crê, ora. Ora porque crê, e crê porque ora. O texto acima destacado, nos informa que Jesus estava em um certo lugar orando e, quando acabou, disse-lhe um dos seus discípulos: “Senhor, ensina-nos a orar”. Por que os discípulos pediram para que Jesus os ensinasse a orar? Eles não sabiam? Claro que sim! Todos eram homens religiosos, que participavam da vida religiosa de Israel, e, portanto, desde a tenra idade tinham aprendido a orar. Na verdade, quando os discípulos pediram para aprender a orar, estavam de fato pedindo para orar como Jesus orava. Não apenas uma simples oração, mas aquela oração que rompe os céus, que nos torna certos de que nossas palavras sobem ao Trono da Graça, e, com efeito, nos proporciona excelentes resultados.

Diante do pedido daquele discípulo, Jesus não ensina apenas um método, não dá simplesmente um modelo, para que possamos ficar presos somente à oração do Pai nosso. Mais do que isto, Jesus ensina que oração é intimidade, é relação, é comunhão. Partindo deste princípio, podemos concluir que só aprenderemos a orar da forma correta, no momento que nos tornarmos íntimos de Jesus. Toda oração sem intimidade com Deus são apenas palavras jogadas ao vento, frutos de lábios religiosos, mas de um coração distante do Senhor. A oração cristã é peculiar na medida em que estabelece a comunhão como princípio. Uma das mais belas palavras que Jesus usou para “Pai” é o aramaico “Abá”, que significa literalmente “papaizinho” e somente os íntimos, conseguem chamá-lo assim. Não que tenhamos que orar invocando a Deus desta forma. Podemos invocá-lo chamando-o de Pai, Senhor, Rei, Deus, Jeová. A forma aqui não importa. O importante é a intimidade que nasce da reverência, do temor, da entrega, da submissão e do conhecimento que temos Dele. Portanto, vamos estreitar nossa relação com Deus, de tal maneira que nos tornemos íntimos do Senhor.

Deus Vos abençoe.

 

Pastor Isaac Ribeiro
Presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus/Franca - Ministério Missão –pr.isaac@uol.com.br


COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.