20 de agosto de 2019

Opinião

Escutar Deus

Opinião 20/07/2019 -

A correria do dia-a-dia nos torna elétricos. Fazemos tudo com muita pressa e até rezamos sem dar o tempo necessário que Deus merece. Os ensinamentos que seguem são valiosos.

Primeira leitura: Genesis 18: A característica da verdadeira hospitalidade é o desinteresse, e no povo de Israel dois personagens bíblicos são apresentados como modelos: Jó e Abraão. Do primeiro se diz que mandou construir uma casa com quatro portas, de modo que os pobres não teriam qualquer dificuldade de encontrar a entrada. Abraão é considerado não só como o pai da fé, mas também é lembrado como exemplo de solícita hospitalidade, justamente por causa do episódio narrado na leitura de hoje.

Sentando na entrada da sua tenda, ao levantar os olhos, viu três homens de pé diante dele. Foi-lhes ao encontro, mandou buscar água para que pudessem refrescar os pés e fez que se sentassem à sombra de uma árvore. A atitude de Abraão é para nós muito instrutiva e exemplar: diante dos irmãos, que precisam de nós, como nos comportamos? Estamos sempre prontos para acudir às suas necessidades ?

Deus ficou muito satisfeito com a hospitalidade de Abraão e, para mostrar quanto lhe foi agradável, concedeu-lhe o maior favor que ele podia desejar: deu-lhe um filho.

Segunda leitura: colossenses 1: Quando Paulo escreve esta carta, encontra-se na prisão em Roma e já está velho. Ele diz que, não obstante todos os sofrimentos, sente-se feliz porque dedicou sua vida à causa do Evangelho. Por meio dele, Cristo continuou sua obra: tornou-se presente no meio dos homens e lhes ofereceu o seu amor.

Evangelho: Lucas 10: Lucas gosta de apresentar Jesus sentado à mesa na casa de alguém. O Senhor aceitava os convites de todos. Na passagem de hoje o encontramos na casa de duas irmãs. Marta, a mais velha, se envolve imediatamente nas suas tarefas.

Maria, a mais nova, em vez de colaborar nas lides da cozinha, prefere ficar tranquilamente sentada, escutando as palavras de Jesus. É neste ponto que começa a discussão entre as duas irmãs que acaba envolvendo também o hóspede. Vamos analisar agora o ponto mais difícil do Evangelho de hoje: a censura de Jesus a Marta e o elogio a Maria. Marta não é censurada porque trabalha, mas porque fica agitada, ansiosa, preocupada, inquieta-se por tantas coisas. Maria é elogiada. Ensina que a coisa mais importante, que merece prioridade total, se quisermos que a nossa atividade não se reduza a uma agitação, é a escuta da Palavra. 

 

Monsenhor José Geraldo Segantin

Pároco da Igreja de Santo Antônio e vigário geral da Diocese -segantin@comerciodafranca.com.br 


COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

VER MAIS