21 de setembro de 2019

Franca

NA CÂMARA

'Perdi meu noivo, uma vida, por falta de uma vaga na UTI', denuncia noiva

'Ele sofreu um infarto e ficou 12 horas esperando por atendimento. Ele era cardiopata e precisava de atendimento rápido no hospital'.

Franca 10/09/2019 - Repórter: N. Fradique
Márcia das Graças Ribeiro, 39 anos, que perdeu o noivo no dia 24 de agosto, por demora no atendimento no Hospital do Coração, fez um discurso emocionante em meio à revolta.

O vice-prefeito de Franca, Frank Sérgio Pereira (DEM), usava a Tribuna da Câmara Municipal na manhã desta terça-feira, 10, para falar das dificuldades do cidadão para acessar o Portal de Transparência da Prefeitura e obter informações sobre os gastos públicos, quando foi interrompido por manifestantes. Frank explicava sobre as dificul


COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Nelson da Rocha Neves
    10/09/2019 2 Curtiram
    Por favor Sr. Secretario de Saúde de Franca, faça leitura da resolução do CREMESP – Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo - Edição 29 – Outubro/novembro/Dezembro de 2004 - ESPECIAL -Urgência e Emergência: situação crítica no sistema público de saúde Urgência e Emergência. Regulação, Notificação de Dados e Vaga Zero. A dinâmica e o bom funcionamento da regulação dependem da fidelidade dos dados e da agilidade das informações. O grupo discutiu a possibilidade de solicitar dados dos serviços para acompanhar os indicadores de vaga zero, da taxa de ocupação dos hospitais, a estrutura instalada, número de atendimentos e de internações. Os dados permitiram o conhecimento sobre a rede e um melhor diagnóstico e controle do sistema. “Precisamos de uma Resolução que peça os dados sobre os serviços. Isto envolve o Código de Ética e o papel deste Conselho como autarquia definida para defender o trabalho médico e a população. Utilizando as resoluções que já existem, poderíamos criar uma sistemática nos prontos-socorros para fazer um levantamento de dados. Temos que identificar o problema e a sua incidência para praticar uma ação educativa proporcional às falhas hoje detectadas. Esse trabalho seria muito importante como ação preventiva e educativa. O sistema deve dar essas informações; o médico também porque quando ele aceita uma vaga zero, está se sujeitando a atender sem as condições adequadas. Isso é grave e não pode ser banalizado. Quando tivermos avaliado a proporção do problema, poderemos tomar medidas coerentes.” Por favor Sr. Secretario de Saúde de Franca, faça leitura da resolução do CREMESP – Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo - Edição 29 – Outubro/novembro/Dezembro de 2004 - ESPECIAL -Urgência e Emergência: situação crítica no sistema público de saúde Urgência e Emergência. Regulação, Notificação de Dados e Vaga Zero. A dinâmica e o bom funcionamento da regulação dependem da fidelidade dos dados e da agilidade das informações. O grupo discutiu a possibilidade de solicitar dados dos serviços para acompanhar os indicadores de vaga zero, da taxa de ocupação dos hospitais, a estrutura instalada, número de atendimentos e de internações. Os dados permitiram o conhecimento sobre a rede e um melhor diagnóstico e controle do sistema. “Precisamos de uma Resolução que peça os dados sobre os serviços. Isto envolve o Código de Ética e o papel deste Conselho como autarquia definida para defender o trabalho médico e a população. Utilizando as resoluções que já existem, poderíamos criar uma sistemática nos prontos-socorros para fazer um levantamento de dados. Temos que identificar o problema e a sua incidência para praticar uma ação educativa proporcional às falhas hoje detectadas. Esse trabalho seria muito importante como ação preventiva e educativa. O sistema deve dar essas informações; o médico também porque quando ele aceita uma vaga zero, está se sujeitando a atender sem as condições adequadas. Isso é grave e não pode ser banalizado. Quando tivermos avaliado a proporção do problema, poderemos tomar medidas coerentes.”

LEIA ARTIGOS ANTERIORES