18 de setembro de 2020

Artes

POESIA

Tecido na Papelaria

O escritor Baltazar Gonçalves lança nesta segunda, 23, na Casa da Cultura, a partir das 20 horas, o livro Tecido na Papelaria, traba

Artes 21/09/2019

Divulgação
O escritor Baltazar Gonçalves lança nesta segunda, 23, na Casa da Cultura, a partir das 20 horas, o livro Tecido na Papelaria, trabalho editorial da Penalux
Torço para que o auditório da Casa da Cultura esteja lotado nesta segunda-feira, quando o francano Baltazar Gonçalves lançará seu livro de título emblemático, sugestivo: Tecido na Papelaria. Assim os presentes poderão conhecer e aplaudir como se deve o autor de obra consistente, profunda, embebida numa poética renovada como a brisa da primavera recém-chegada.

A mim surpreendeu o fato de ser estreia: o primeiro livro não costuma vir à luz com tão fino acabamento, exibindo construção precisa de quem sabe por intuição que áreas de respiro são imprescindíveis a palavras densamente carregadas de sentido.

Exibindo os fios de um léxico metafórico, tanto a urdidura dos poemas como a trama da prosa compõem texturas que traduzem emoções captadas no tear da alma; apreendidas naquele instante em que ainda não ganharam a folha em branco, papelaria prístina onde os poetas semeiam palavras na arquitetura do texto: “Hoje sopro ao nada o que ontem foi inspiração e quando o silêncio improvável volta para a gaveta, remo e ancoro no charco em busca das impressões da sua língua na minha- mucosas da língua, nosso degredo”. Língua, linguagem, idioma. A metalinguagem é uma chave importante com a qual abrir os textos. Ela “fica na ponta de cada agulha ao longo da obra”, já avisou o poeta.

Mas existem outras chaves, talvez mais explícitas. Uma dela, o vocábulo “tecido” (e seus cognatos), que pode se referir ao particípio passado do verbo tecer ou pode ser forma substantiva. Sonhemos nos poemas e na prosa.

Do ponto de vista da biologia, um tecido é o conjunto de células que nos humanos se classificam em epiteliais, conjuntivas, musculares e nervosas. A histologia, que analisa os tecidos em profundidade, usa como principais ferramentas o bisturi e o microscópio, que permitem adentrá-los em cortes finíssimos de material. Pois assim imaginei o trabalho cirúrgico de Baltazar Gonçalves- do exterior para o interior, da pele aos nervos, fazendo uso de um bisturi etéreo que auxilia seu olhar no processo de dissecação e, depois, na sua sutura, destecendo para depois tecer. A cada camada, da pele aos nervos, o caminho sofrido é compensado pelas revelações lapidadas com o cinzel do estilo: “O dia não pede pressa, pede ciência./ Abrevia.”

Mensagens densas, apenas sugeridas, por vezes expressas com um mínimo de vocábulos, abrem-se como um leque aos olhos do leitor atento e sensível às flutuações de sentido. Outras, mais transparentes, nem por isso menos profundas, fundam uma prosa cuja grande maestria está em mostrar a realidade com a vibração de quem nela vê sentidos inusitados ou enigmáticos.

Na orelha, a ficcionista Vanessa Maranha escreve a respeito que “o que brilha e irradia mesmo é a linguagem, experimental, filigranada, trazendo aliterações engenhosas, neologismos, sintagmas, sofisticações várias, bem como os prosoemas, ou seja, poesias com versos dispostos de forma linear, horizontal, numa estrutura semelhante à da prosa.” É sem dúvida uma das riquezas do livro.

Nos versos e na prosa poética as palavras sugerem a complexidade dos sentimentos, buscam sentido para momentos prosaicos, perseguem a passagem do tempo e suas transformações, sinalizam construção e desconstrução de afetos. Elas sobretudo falam de si mesmas, num nível de abstração e beleza que de repente desabrocha versos como os de O pintor, o costureiro e a dama, escolhido pelo autor para a contracapa: “Logo o quadro estará pronto, grande painel decorativo; deve ocupar o centro da sala / se bem vestida a Dama inculta e bela /ainda estiver nua.”

Vamos ler poesia, minha gente. Ela nos exila por instantes das realidades duras e ásperas que nos cercam. Ela nos humaniza.

 

Escultura
 
Adentra o estéril frio marmóreo
da branca bruta pura flor de pedra
a mão do escultor.

No túmulo dicionário a palavra tecida
dormia no jazigo e não servia a nada.

Mãos à obra: o escultor esculpe
nas camadas da mortalha
o som de uma revoada.

Talha, abre, amplia, corta, areja, golpeia, grava, molda,
lavra e assopra revoada o  hálito criador.

 Voam borboletas sobre arranjo de dálias.
Lírios, gérberas e margaridas ganham vida.

  



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Baltazar Gonçalves
    21/09/2019
    Obrigado, Sônia Machiavelli! Você escreve bem demais, tenho certeza que os leitores do COMÉRCIO tiveram a melhor apresentação do livro.
  • Cecília Maria De Luca
    21/09/2019
    Conheço a poesia de Balrzar há muito tempo. Sempre soube que um dia ele seria reconhecido. Já era hora. Considero-o um gênio da escrita contemporânea. Espero, torço, para que o Brasil, o mundo, descubra esse talento. A resenha que acabei de ler, além de captar a alma do poeta, é fantástica.
Veja mais Notícias

CLIMA EM FRANCA

34°
20°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena: 2300
    Sorteio: 09, 21, 37, 39, 43, 54 Data: 17/09/2020
  • Quina: 5368
    Sorteio: 21, 45, 50, 56, 69 Data: 17/09/2020