06 de julho de 2020

Gazetilha

Guerra declarada

Bolsonaro, o capitão, não deixa Bolsonaro, o presidente, governar. Trocou o diálogo pela declaração de guerra.

Gazetilha 19/10/2019 - Repórter: Corrêa Neves Júnior
Foto de:
“Governar ou conspirar, ou governar conspirando, é infelizmente a vocação fatal e invencível de muitos homens ambiciosos”
 Marques de Maricá, escritor e político brasileiro

Sempre que acontecem episódios agudos de violência em que as forças policiais de diferentes estados brasileiros não conseguem enfrentar de forma adequada a crise instalada, surgem imediatamente apelos para que se recorram às forças armadas. Salvo raríssimas exceções, oficiais do Exército, da Marinha e da Aeronáutica advertem que não se pode confundir o papel de polícia com o das tropas.

Há várias razões para manter cada qual no seu quadrado. A principal delas é que unidades policiais e forças armadas têm abordagens completamente diferentes para enfrentar ameaças. A polícia prioriza a vida dos civis, evita o confronto a não ser que seja inevitável, sabe que prender é preferível a matar, e está sujeita à Justiça comum no caso de abusos ou excessos. Atira, obviamente, mas apenas quando não há outra opção. Mata, se for o último caso.

Para as forças armadas, cuja função é proteger o país, ainda que com o sacrifício da própria vida, a conversa é outra. Por definição, em qualquer exército, quem não é amigo é um inimigo que, como tal, deve ser neutralizado – preferencialmente, morto.

Entender essa diferença é crucial para compreender o modo de agir do presidente Jair Bolsonaro, um homem que, antes de ser deputado, foi capitão do Exército. Sua forja foi nas forças armadas. Sua lógica, mesmo depois de anos no Congresso Nacional, segue obedecendo a doutrina que aprendeu nos quartéis. Quem não obedece ao comando, por mais que a ordem seja estapafúrdia, não presta. Quem não é amigo, é inimigo – e, como tal, deve ser aniquilado. Quando não pelas balas, por palavras e ações. Na arena da política, onde o diálogo é tudo, não poderia haver conduta pior.

No seu até agora curto mandato de dez meses, Bolsonaro acumula não apenas os “inimigos” que já teria por conta de suas posições extremistas e radicais. Insaciável, arregimentou entre os próprios aliados uma gigantesca coleção de novos adversários, gente que com ele percorreu o Brasil em campanha, pessoas que nomeou para ministérios, figuras que se dispuseram a muitos enfrentamentos em nome do seu governo. Na lógica do capitão, não há espaço para debate nem para divergência. Discordou, não presta. Recusou-se a ser subserviente, não vale nada. Desagradou os filhos, têm que morrer. De um jeito ou de outro.

Na sangrenta batalha deflagrada nesta última semana, Bolsonaro pessoalmente agiu para tentar tirar o delegado Waldir da liderança do seu partido na Câmara. Queria substituí-lo pelo filho, o ex-futuro embaixador em Washington, Eduardo Bolsonaro. Fracassou e teve que ouvir o delegado chamá-lo de “vagabundo”, “traidor”, e de ameaçar “implodir” o governo com revelações sobre troca de cargos por apoio. Não satisfeito, tirou a deputada Joyce Hasselmann da liderança do governo no Congresso sem nem mesmo um telefonema de cortesia. Depois, teve que engolir em seco diante da ameaça dela de relevar o que aconteceu “nos verões passados”.

Bolsonaro, o capitão, não deixa Bolsonaro, o presidente, governar. Trocou o diálogo pela declaração de guerra. Contra tudo, contra todos, contra seus aliados. A batalha já começou. Uma coisa, porém, é certa. Qualquer que seja o desfecho, o Brasil será a grande vítima e suas as feridas precisarão de muito tempo para serem suturadas. Isso, se puderem ser.

 

Corrêa Neves Júnior, publisher do Comércio e vereador.
email - jrneves@comerciodafranca.com.br


COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • José Carlos Zanetti Ravagnani
    20/10/2019 1 Curtiu
    Mais uma vez o Sr. Correa Neves com seus comentários tendenciosos e inadequados. Quem é você para dar pitacos ? Dentro do partido existem traíras, velhas raposas tentando sabotar o governo, por esse motivo a reação rápida e certeira. Seu empenho como vereador é que deveria estar sendo questionado !
  • Nelson da Rocha Neves
    20/10/2019
    Lei da Causa e o Efeito e Ação e Reação “Em resumo, causa e efeito: eu fico irritado por algo que o outro me fez, e sem afetá-lo eu fico com raiva e dou um murro na parede, até esmurrar eu sou livre para escolher, depois que eu golpeio dois dedos da minha mão sofrem fraturas nada mais eu posso fazer. Terei que passar pelos efeitos naturais que a vida me oferece, ou seja, a recuperação não sou eu quem determino, eu passo a responder pela reação da vida. Isso é a lei de causa e efeito, eu escolho, depois sou obrigado a assumir”
  • Francisco Matos
    28/10/2019
    Cadê as instituições? STF, OAB, MPF, etc. - estamos caminhando para o caos e ninguém interfere! Cadê os francanos defensores da ética que frequentavam o espaço aberto da concha acústica nas manhãs de domingos? onde estão? procurando empregos, fechando suas empresas, fugindo para Portugal? ( paradoxo: onde o governo é socialista). Verdade jornalista, estamos prestes a uma guerra civil.
  • José Carlos
    31/10/2019
    Franca merce mais, no mínimo um ATR que a Azul e Passaredo utilizão nos seus voos. Como será o deslocamento do time de basquete no NBB. Que as pessoas influentes possam lutar e dar a Franca o que ela realmente merece enquanto ainda é tempo esse projeto precisa dar certo é muito importante pra todos da região.
Veja mais Corrêa Neves Jr

CLIMA EM FRANCA

27°
15°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: Data:
  • Quina:
    Sorteio: Data: