19 de janeiro de 2020

Opinião

Quem usa cuida

É interessante para os pais jovens saberem que os filhos daqueles que trabalham no Vale do Silício não fruem dessa volúpia de uso contínuo d

Opinião 06/12/2019 -
É interessante para os pais jovens saberem que os filhos daqueles que trabalham no Vale do Silício não fruem dessa volúpia de uso contínuo de mobiles como aqui.

Quem conhece exatamente o que é um smartphone, não deixa seus filhos perto. Há um consenso entre os especialistas de que as vantagens das telas usadas como ferramenta de aprendizado são exageradas e que não sustentam cotejo com os riscos de viciar e atrasar o desenvolvimento da criança.

O uso contínuo das telas interfere no sono. Está associado a déficit motor e cognitivo, além de obesidade, depressão e ansiedade. Para algumas mães, proibir completamente é mais fácil do que deixar que se use um pouco. Pois quando a criança tem um pouco, insistem e querem mais.

Por isso é que a maioria dos pais especialistas não deixam que seus filhos usem smartphones. Na verdade, não entram em casa deles. Para Athena Chavarria, que foi assistente executiva no Facebook e hoje atua na entidade filantrópica de Mark Zuckerberg, “o diabo vive em nossos telefones e está causando um desastre em nossas crianças”. Seus filhos só tiveram acesso a celular no Ensino Médio. Mesmo assim, com restrições.

Quando indagam: “Você não fica preocupada quando não sabe onde estão seus filhos ou quando não consegue encontra-los?”, responde: “Não. Eu não preciso saber onde meus filhos estão a cada segundo do dia”.

Há gente ainda mais radical. Chris Anderson, ex-editor da Wired e hoje CEO de empresa de robótica e drones ,diz: “Na escala entre doces e crack, as telas estão mais perto do crack!”.

Eles são cientistas e sabem que é hipocrisia o pai dizer que consegue controlar o uso. A mensagem vai diretamente aos centros de prazer do cérebro em desenvolvimento. Isso não faz parte da capacidade de compreensão dos pais comuns. O próprio Bill Gates proibiu celulares até que seus filhos chegassem à adolescência. Sua mulher, Melinda Gates, escreveu que gostaria de ter esperado ainda mais. Steve Jobs também não deixava seus filhos pequenos chegarem perto de iPads.

Como tudo o que se discute, não há unanimidade. Mas é uma tendência que não pode deixar de ser considerada aqui, na terra em que não há limites, em que as crianças tendem a se tornar tiranas insensíveis, consumistas e cheias de vontades. O pior é que, sempre, insatisfeitas. Mal abrem um presente e já estão desinteressadas, pedindo outro.


José Renato Nalini
Reitor da Uniregistral, docente, conferencista e autor de Ética Ambiental
 



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

Veja mais Artigos

CLIMA EM FRANCA

28°
18°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: Data:
  • Quina:
    Sorteio: Data: