23 de fevereiro de 2020

Opinião

Convite

Saio de casa dirigindo o carro, rodo pela cidade, faço trajetos longos, mais curtos, pego avenidas, ruas e ruelas, entro por estradas e rodo

Opinião 24/01/2020 -
Saio de casa dirigindo o carro, rodo pela cidade, faço trajetos longos, mais curtos, pego avenidas, ruas e ruelas, entro por estradas e rodovias. Chego em casa , ao entrar pelo portão da garagem incólume, inteira e sem ter participado de acidentes, estaciono com prece de agradecimento a São Cristovão pela proteção. Não esqueço, porém, a observação entreouvida na roda de amigos, que me soou como vaticínio: “Sinto que mais cedo ou mais tarde, qualquer hora, mesmo que não tenha culpa, ainda vou atropelar um motoqueiro.”

Há quem os defenda afirmando que ganham por corrida e portanto precisam impor maior velocidade ao veículo, a fim de cumprir metas. Há outros que gostam do perigo. Há quem queira se exibir. Há, ainda, aqueles que, embora cautelosos e responsáveis, correm o risco de serem abalroados pelos apressados que batem neles, derrubam-nos e fogem. Desse tipo, todos já vimos inúmeros acidentes que revoltam, mas não escasseiam. Seus rivais no trânsito, motoristas de veículos motorizados – quaisquer que sejam – não são santos. Grande parte deles – praticamente a maioria, diria - se esquece, acha desnecessário ou não gosta de dar satisfações, de sinalizar intenções de virar para a esquerda ou direita. Por vezes se distrai e segue dançando de lá para cá entre as sarjetas que delimitam o espaço trafegável; é comum quem ache que seta é para distrair bebês sentados no seu colo enquanto espera parado; confunde placas de estacionamento especial para idosos, grávidas e cadeirantes; buzina para chamar atenção sob janelas de hospitais. Falei de quem insiste em ultrapassar pela direita? De quem não para nos cruzamentos, mesmo que aviso pintado no chão esteja novinho em folha? E de quem surge do nada e parece ter se materializado ao seu lado, buzina, passa na sua frente, derrapa e sai catando coquinho rua afora? Dirigir em Franca não é para pilotos tímidos ou mal preparados. Não bastassem esses tipos de ignorância, o motorista francano - expressão que engloba aquele que pilota veículos motorizados em geral – por mais estranho que pareça tem enfrentado buracos na pavimentação das ruas que vão de ferimentos leves do asfalto, à descoberta de crateras dos mais variados calibres e a ravinas e cânions tão profundos que, pessoalmente, não sei se os evito por medo de mergulhar neles e desaparecer ou se temo atropelar o japonês que poderá vir do outro lado do planeta e brotar dali.

Franca cresceu, perdeu as áreas porosas que absorviam a água das enxurradas. A área asfaltada substituiu a área nativa. Natural que quando chova, a volumosa quantidade de água que cai não possa, como no passado, entrar pela terra adentro, daí exceder o leito natural de córregos e riachos, causar prejuízo, sustos, inconvenientes, mortes e medo. O Prefeito de Franca está convidado para atravessar a pé as avenidas que ladeiam nossos córregos, durante uma tempestade.

 

Lúcia Helena Maníglia Brigagão
Jornalista, escritora, professora
luciahelena@comerciodafranca.com.br


COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Darsio
    30/01/2020
    Quem manda no Brasil é a ignorância. Um povo que, sem cultura age e pensa como gado. Isso explica a proposital deterioração da educação, pois se de fato formassemos cidadão não haveria espaço para para políticos corruptos e incompetentes. Para se ter uma ideia, ao defendermos políticas que proporcionem melhor distribuição de renda, tal como a melhoria no sistema de saúde pública, logo somos taxados de comunistas. O comunismo está mais para uma utopia, mas quando perguntamos a esses críticos o que seria o comunismo, logo constata-se que eles nada sabem. Ou seja, atacam as pessoas com algo que nada conhecem. É muita ignorância.
Veja mais Lúcia Brigagão

CLIMA EM FRANCA

27°
18°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: Data:
  • Quina:
    Sorteio: Data: