18 de fevereiro de 2020

Gazetilha

Cinco minutos

Faz uma semana que nenhuma conversa em Franca termina sem algum comentário sobre a trágica e brutal execução de Jéssica Carloni

Gazetilha 09/02/2020 - Repórter: Corrêa Neves Júnior
Foto de:
“Quanto menor o coração, mais ódio carrega”
 Victor Hugo, escritor francês
 

Faz uma semana que nenhuma conversa em Franca termina sem algum comentário sobre a trágica e brutal execução de Jéssica Carloni, numa chácara do Residencial Zanetti, lotada de gente que comemorava um aniversário. O algoz de Jéssica foi seu ex-marido, Antônio Rodrigues, o Buiú. Juntos tiveram uma filha, hoje com 6 anos.

Diante de tudo o que houve, duas perguntas têm sido repetidas à exaustão. A primeira: por que, se ela havia recorrido a uma medida protetiva, não chamou a polícia assim que ele chegou? A segunda: se havia tanta gente na festa, por que ninguém fez nada?

Assisti o vídeo das câmeras de segurança da chácara obtidas com exclusividade pelo Comércio. As imagens, perturbadoras, esclarecem pontos importantes e ajudam a tirar dúvidas. A principal delas é que, diferente da impressão de algumas testemunhas, Antônio Rodrigues não ficou meia hora no local. Entre chegar e atacar a ex-mulher, passam-se apenas cinco minutos.

São 17h10 quando Buiú chega. Ele conversa com alguns rapazes. O papo dura pouco mais de 3 minutos. Às 17h14, ele deixa o grupo, passa pelo portão e vai até seu carro buscar a faca. São 17h15 e ele retorna pelo jardim, já no rumo de Jéssica, que conversava com amigos. A faca cai do bolso. Ele para, apanha a faca e retoma sua caminhada. Não fala nada, não chama Jéssica para conversar. Ela está de costas, sentada. Precisamente às 17h15m40s, Buiú dá o primeiro golpe na ex-mulher. Outros tantos se seguem numa explosão de ódio e fúria. Imediatamente as pessoas começam a deixar o local.

Há que ser feita justiça para um rapaz magro, sem camisa, o único que tenta ajudar. Dez segundos depois do ataque começar, às 17h15m50s, ele empurra o agressor e faz gestos para que Buiú pare. Ninguém o ajuda. Buiú ameaça esfaquear o rapaz que, sem apoio de mais ninguém, desiste de intervir.

Às 17h17m, as câmeras captam quão sórdido e insensível pode ser um ser humano. Um outro frequentador, que a tudo assiste, impassível, caminha lentamente para fora carregando o cooler de cerveja junto consigo, como se estivesse assistindo a um filme que chega ao final.

Dois minutos se passam e não há mais praticamente ninguém no recinto além do assassino e da vítima. O rapaz do cooler volta – sem o cooler. Conversa com Buiú e aparentemente o aconselha a fugir dali. O assassino então deixa a chácara às 17h21m26s e vai para o seu carro. Um minuto depois, volta. Gesticula e fala alguma coisa em direção ao corpo de Jéssica. Descontrolado, chuta a cabeça da vítima e pisa em seu corpo. Depois, lava as mãos e, enfim, deixa o local. Minutos mais tarde, seria preso pela polícia, sem esboçar qualquer reação. Confessou o crime e teve a prisão preventiva decretada.

Quanto à primeira pergunta, ainda que Jéssica tivesse pensado em sair dali ou chamar a polícia, é difícil que tivesse condições de fazer uma coisa ou outra. Mesmo que tivesse acionado o 190, é improvável que qualquer viatura conseguisse chegar a tempo de evitar o ataque. Jéssica era uma presa sem chance de defesa. Buiú esteva determinado a matar. E matou.

Sobre a segunda, é certo que o instinto de sobrevivência falou mais alto. Tão humano - e tão indigno. Lamentavelmente, com exceção feita a um único rapaz, ninguém fez qualquer gesto para, nem mesmo, tentar ajudar. Os “amigos” converteram-se todos em meros espectadores. Jéssica está morta, Buiú está preso, os “amigos” seguem com suas vidas. Só não sei como farão com suas consciências. Isso, se tiverem alguma.

 

Corrêa Neves Júnior, publisher do Comércio e vereador.
email - junior@gcn.net.br


COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Monica Cardoso
    09/02/2020
    Gosto muito do jornal Gcn gostaria de seguir mais de perto dos as notícias
  • Breno
    09/02/2020
    Para parar só na bala. Numa situação dessa e o cara pegar o cooler? E brincadeira
  • Bakinho
    10/02/2020
    Aí tem uma grande mentira , ela não falava com amigos.....Que amigos são esses??? Amigos são os que eu tenho ,garanto que entrariam na frente de quem fosse não importa nem que arma fosse também, ..
  • iraci
    10/02/2020
    com tanta gente que se diziam amigos, deixar um louco fazer isso, e so uma pessoa tenta fazaer? se tivessem juntados, jogado cadeiras, ele não teria feito isso, teriam evitado sim, deixar a meninda se rgolpeada, e as pessoas saindo ,ela indefesa, confiou nos amigos, e ele snada fizeram p/protege-la, lamentável, e muito triste
  • Maria Helena de Oliveira Viana
    10/02/2020 1 Curtiu
    Parabéns Corrêa Neves, disse tudo.
  • Pedro henrique
    10/02/2020
    Um vagabundo desse tem picar manda pedaco por pedaco pelo sedex pra familia dele . essas que dizia que era amiga era amiga um ova pq fizeram nada pra ajuda menina pelo menos da cadeira na mao dele iinfelizmente mais caso desse acontece na nossaa cidade
  • Ronaldo
    10/02/2020
    Pelo que vejo tudo não passou de uma armadilha todos que estavam na festa já sabia que ele ia matar ela por isso que insistiram pra ela ir e permanecer na festa que sabe até não foi alguém que estava lá que ligou pro assassino
Veja mais Corrêa Neves Jr

CLIMA EM FRANCA

28°
20°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: Data:
  • Quina:
    Sorteio: Data: