07 de abril de 2020

Franca

FALSIFICADORES

Operação do Gaeco prende 8 pessoas na região de Franca

De acordo com o Gaeco, a operação mirou três organizações criminosas responsáveis pela falsificação de agrotóxicos.

Franca 05/03/2020 - Repórter: Kaique Castro, especial para o GCN
Foto de: Dirceu Garcia/Comércio da Franca
O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) de Franca deflagrou na manhã desta quinta-feira, 5, a “Operação Princípio Ativo”, contra falsificadores de agrotóxicos. Ao todo o Gaeco prendeu 22 pessoas e 13 estão foragidas. Oito pessoas foram trazidas para a Penitenciária de Franca. O Gaeco teve o apoio da Polícia Militar e da Corregedoria da Polícia Civil.Cerca de 190 mandados foram cumpridos em cidades da região de Franca, além de outras cidades de São Paulo e de mais três estados. Mais de 600 policiais militares e dezenas de promotores de justiça se envolveram na operação.

De acordo com o Gaeco, a operação mirou três organizações criminosas responsáveis pela falsificação de agrotóxicos. Essas organizações contavam com um policial civil e outros agentes públicos

“Há dois anos estávamos investigando essas organizações criminosas, realizando as diligências e todos os procedimentos investigativos. A operação tinha o foco em desmantelar toda a arquitetura do esquema criminoso. O objetivo principal deles é a falsificação de produtos agrotóxicos, mas para a pratica desse crime final, outros delitos eram praticados como a falsificação de documentos públicos e particular, corrupção ativa e passiva e lavagem de bens e valores. A gama de delitos dessa organização é bastante extensa ” afirmou o promotor de Justiça Adriano Mellega.

Os mandados foram executados nas cidades de Buritizal, Cristais Paulista, Franca, Igarapava, Ituverava, Monte Aprazível Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Serrana, além de outros locais situados nos Estados de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.

Em Ribeirão Preto uma gráfica e um laboratório foram fechados. O líder do esquema criminoso foi preso em Rio Quente (GO).

“A formatação e escalonamento dos grupos criminosos é complexo e extenso, sendo que a organização possui ao menos 09 (nove) células interligadas, desde a chefia da organização, passando núcleos de financiadores, falsificadores e corretores, até o núcleo envolvendo agentes públicos, sendo esse último composto por um policial civil.”
Ainda segundo o Gaeco, além dos prejuízos causados na saúde as falsificações de produtos agrotóxicos impactam no setor econômico, já que os esquemas causam impactos de bilhões.

“Durante as investigações apurou-se, ademais, que as atividades criminosas inerentes à falsificação e contrabando de agrotóxicos causam, no cenário nacional, somando os impactos diretos e indiretos, prejuízos na casa de R$11,0 Bilhões de reais aos setores econômicos, R$ 3,2 Bilhões em PIB, 39,7 mil postos de trabalho e R$ 1,4 bilhão em salário dos trabalhadores, fora o prejuízo direto a indústria de defensivos agrícolas de cerca de R$ 5,4 Bilhões”. 



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

Veja mais Polícia

CLIMA EM FRANCA

29°
19°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: Data:
  • Quina:
    Sorteio: Data: