26 de janeiro de 2021

Gazetilha

Ronaldinho à paraguaia

Ronaldinho – já enrolado numa série de problemas com a justiça por envolvimento num golpe do tipo 'pirâmide financeira'

Gazetilha 07/03/2020

“Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, em relação ao universo, ainda não tenho certeza absoluta”
Albert Einstein, cientista alemão
 

Vivemos tempos bizarros. Há uma praga descoberta num mercado de peixes no meio da China que ameaça contaminar o mundo, levou países a uma grave crise econômica, provocou o cancelamento de eventos esportivos, culturais e até da missa papal e segue, por ora, sem perspectiva de desacelerar.

Temos um presidente da República que reage a questionamentos de jornalistas ora dando “bananas” para os profissionais, como se fosse um garotinho mimado que fez “belém-belém” para algum desafeto do jardim de infância, ora escalando um humorista para falar em seu nome. Isso, quando não insulta minorias, ataca aliados, rifa apoiadores ou convoca a população para ir às ruas protestar contra os outros dois poderes da República.

Na nossa cidade, há um prefeito que, diante de dois pedidos de cassação de seu mandato, age na mais profunda negação, como se nada tivesse acontecido, como se não existisse qualquer crise a ser enfrentada, e viaja para São Paulo. Parece acreditar que o paço municipal fica na praça da República. E que a rodovia Anhanguera é antídoto para os problemas que afligem Franca.

Ainda assim, a rocambolesca história que envolve o ex-jogador de futebol da seleção brasileira, Ronaldinho Gaúcho, e seu irmão, Assis, numa empreitada esquisitíssima ao Paraguai, é absolutamente imbatível quando o quesito é bizarrice.

Ronaldinho – já enrolado numa série de problemas com a justiça por envolvimento num golpe do tipo “pirâmide financeira”, além de contabilizar vários escândalos na vida pessoal – desembarcou em Assunção, na última quarta-feira, na companhia do irmão. Sua presença fora anunciada na imprensa. Sua participação em eventos, idem. Havia torcedores à sua espera no aeroporto. O craque, brasileiro conhecido no mundo inteiro, célebre por suas atuações na seleção e no Barcelona, identificou-se com documentos que garantiam que ele era... paraguaio. Não sei não, mas algo me diz que o oficial de imigração teve uma crise de riso diante do documento.

Como nada é tão absurdo que não possa piorar, a dupla foi liberada. O invés de retornarem ao Brasil imediatamente, seguiram para o hotel. Dali, acabariam sendo levados primeiro para um depoimento no MP, que decidiu não formalizar queixa e liberá-los. Depois, diante da repercussão negativa, a Justiça achou por bem prendê-los. E é no cárcere de Assunção que Ronaldinho e Assis continuavam até a tarde deste sábado.

Tudo que cerca a história é patético, a começar da entidade de caridade que o contratou, chamada de Fraternidad Angelical, completamente desconhecida. Mas nada supera a idiotia de Ronaldinho no uso do passaporte falso, por uma simples, indelével e singular razão. Não é preciso apresentar o documento para entrar no Paraguai – nem no Uruguai, na Argentina, no Chile... Pelo acordo do Mercosul, pode-se viajar entre seus países apenas com a identidade. Se tivesse mostrado o RG, teria entrado no país sem quaisquer constrangimentos.

Por que ele resolveu exibir um passaporte paraguaio é pergunta sem resposta, capaz de desafiar o senso de lógica das mais brilhantes mentes da atualidade. Competente em campo, Ronaldinho tem se mostrado inepto fora dos gramados. Depois de sua aventura em Assunção, pode mudar de patamar e ser rebaixado a ridículo, do tipo que nem digno de pena é. Um melancólico e patético fim para alguém que já orgulhou e encantou o Brasil.

 

Corrêa Neves Júnior, jornalista e vereador em Franca
email - junior@gcn.net.br


COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Rosa Santa Batista
    12/03/2020
    Estou morando no Japão, desde que a estupidez brasileira elegeu o Bolsonaro. Já a estupidez francana supera muito a nacional, porque além do presidente e do prefeito, escolhe mal também o governador.
  • Francisco Matos
    12/03/2020
    Enfim um jornalista desta cidade comentou nesta materia que há um moleque no Planalto. Pra mim um doente que precisa urgentemente de yratsmento psiquiátrico em hospicio, isso antes de chegarmos ao apocalipse da Nação.
Veja mais Corrêa Neves Jr

CLIMA EM FRANCA

30°
19°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena: 2337
    Sorteio: 02, 09, 34, 49, 51, 55 Data: 23/01/2021
  • Quina: 5475
    Sorteio: 23, 37, 42, 46, 79 Data: 25/01/2021