26 de janeiro de 2021

Gazetilha

Calma, mas sem letargia

O fato é que o vírus está entre nós. Não é um problema que talvez surja ou uma contingência com a qual possivelmente tenhamos que lidar.

Gazetilha 15/03/2020

“A política é uma praga tal que eu aconselho todos a não se meterem nela”
Thomas Jefferson, ex-presidente americano
 

O coronavírus, ou Covid-19, finalmente chegou com tudo ao Brasil. Após uma entrada discreta, a bordo de passageiros que desembarcavam do Norte da Itália, o Covid-19 apareceu em plena comitiva do presidente Jair Bolsonaro, que viajara à Flórida para uma reunião/jantar com seu colega americano, Donald Trump. O secretário de Comunicação do governo está infectado. Um senador da República também. Muitos outros que estavam no avião aguardam resultados.

O fato é que o vírus está entre nós. Não é um problema que talvez surja ou uma contingência com a qual possivelmente tenhamos que lidar. Isso ficou para trás. O Covid-19 já se espalha de brasileiro para brasileiro, sem que eles tenham estado no Exterior.

Desde o início, tenho repetido que é preciso evitar o pânico e manter serenidade, mas não vejo qualquer exagero nas medidas anunciadas pelo governo federal e estaduais. Pelo contrário, são ações necessárias.

A razão é, antes de tudo, matemática. O coronavírus, se nenhuma medida efetiva para evitar seu alastramento é adotada, se espalha em progressão geométrica. A cada três dias, dobram os infectados. Assim, os 100 casos hoje confirmados no Brasil seriam mais de 100 mil dentro de 30 dias. No final do segundo mês, 100 milhões de pessoas, ou quase metade do país, estaria portando a doença se aulas não tivessem sido suspensas, eventos cancelados, cruzeiros proibidos, viagens restringidas.

Exatamente por isso tenho imensa dificuldade de entender a razão pela qual, a despeito de todos os dados, elementos, contas, projeções e medidas já adotadas pelo governo federal e estadual, a prefeitura de Franca siga apenas assistindo, como se o coronavírus não fosse uma ameaça nem um problema real. Diferente da rede estadual de ensino e das universidades públicas, cujas aulas estão suspensas, a rede municipal de ensino, as creches e as autarquias seguem funcionando. Os Jogos da Melhor Idade, previstos para abril e que foram projetados para reunir 3 mil pessoas da faixa etária mais suscetível ao vírus, segue sem previsão de cancelamento. Fico pensando no que o prefeito espera para agir.

Talvez se usasse uns minutinhos da longa viagem que costuma empreender semanalmente a São Paulo para fazer a mesma conta que tem norteado a decisão das maiores autoridades da República, Gilson adotasse comportamento diferente. Se um único aluno – só um – da rede municipal de ensino for infectado, no final de 45 dias nada menos de 32 mil francanos poderiam estar contaminados se essas medidas adicionais não estejam acionadas. Como 5% dos casos evoluem para necessidade de internação em UTI, precisaríamos de mais de mil leitos exclusivos para o combate à doença, número muito acima da capacidade instalada.

É exatamente por isso que autoridades de todo o país tentam tudo para diminuir as aglomerações. Não há estrutura hospitalar para fazer frente à necessidade de internação se houver grande número de pacientes graves. Frear o ritmo do contágio no início e impedir que essa progressão geométrica se confirme é o que de melhor pode ser feito. A Itália, que ignorou essa premissa, hoje enfrenta o caos, com a população confinada em casa.

O presidente Bolsonaro, apesar da lentidão inicial, e os governadores de Estado, já entenderam isso. Só espero que Gilson de Souza acorde antes que seja tarde demais. Há muitas formas de combater o Covid-19. Apenas apostar que “vai dar tudo certim” não é uma delas.

 

Corrêa Neves Júnior, jornalista e vereador em Franca
email - junior@gcn.net.br
 



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Darsio Batista
    16/03/2020
    A questão que deveria chamar a atenção é a constatação de que o país não possui estrutura suficiente para lidar com os infectados em estado crítico. Não há leitos suficiente. Sabe-se que a nossa população envelhece rapidamente, o que a deixa mais vulnerável a doenças crônicas e, portanto, mais debilitada aos efeitos de vírus. E, o que assistimos nesses últimos anos? Michel Temer, apoiado pelo Congresso e por setores da imprensa, numa demonstração de estar na contramão da realidade brasileira, congelou os investimentos em saúde. Agora, para reduzir ainda mais as escassas verbas para o SUS, o governo Bolsonaro pretende flexibilizar o orçamento, de tal modo que saúde e educação se verão forçadas a brigarem uma com a outra na disputa dos parcos recursos. Enquanto isso, nada se fala em reduzir os gastos com as mordomias, privilégios e salários estratosféricos dos parlamentares, juízes e alto escalão do funcionalismo público. Guedes não abre mão de isentar o empresariado do pagamento de impostos, ao passo que procura depositá-los nos bolsos de quem trabalha. E, para piorar temos um presidente de profunda demência que, não se cansa de lutar por um golpe, atacando a tudo e a todos e, que concomitantemente tem feito deboche da epidemia do coronavírus. Enfim, pagaremos muito caro pela negligência e pelos crimes de uma classe política que não mediu esforços para sucatear ainda mais o SUS, algo que não a atingirá, pois possui acesso aos melhores serviços de saúde e tudo pago pelos contribuintes dependentes dos SUS.
  • Roberto Pires Silveira
    18/03/2020
    Apenas uma pequena correção: Trata-se, na verdade de \"a COVID19\", dado que este é o nome da doença causada pelo vírus denominado oficialmente como SARS-COV-2.
Veja mais Corrêa Neves Jr

CLIMA EM FRANCA

30°
19°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena: 2337
    Sorteio: 02, 09, 34, 49, 51, 55 Data: 23/01/2021
  • Quina: 5475
    Sorteio: 23, 37, 42, 46, 79 Data: 25/01/2021