20 de outubro de 2020

Opinião

É lixo demais!

O consumismo tornou a civilização incivilizada. Ou seja: os humanos parecem não se importar com o desperdício.

Opinião 17/05/2020

            O consumismo tornou a civilização incivilizada. Ou seja: os humanos parecem não se importar com o desperdício. Absorveram a cultura do descarte. Produzem resíduos sólidos em quantidade inimaginável e, com isso, apressam o final dos tempos.

            Não é catastrofismo. Só o Estado de São Paulo, produz mais de 61 toneladas de lixo por dia. Quase 80% desse material é destinado a aterros sanitários. Não há cálculo sobre a percentagem do que poderia ser reaproveitado e gerar economia. Com expressivo benefício para o sofrido ambiente.

            Em países do primeiro mundo, existe uma logística reversa de aproveitamento de praticamente tudo o que a indústria produz. Na Escandinávia, por exemplo, não existem “desmanches” de carro. Quem fabrica um veículo tem a obrigação de acompanhar a sua vida útil e de se encarregar do descarte final – aproveitamento na indústria de origem – sem onerar a qualidade de vida.

            Aqui, há um abuso resultante de ignorância e de impunidade. As pessoas costumam se comportar de forma egoística e jogam tudo aquilo que não interessa mais em qualquer espaço. Não há lugar em que inexista esse testemunho da falta de postura cívica. Sintoma de desrespeito em relação a si mesmo – quem gosta de viver no lixo? – ao próximo e à natureza.

            Algo que parece insignificante mas tem consequências é o hábito de se entregar folheto nas ruas movimentadas. Inúmeros jovens abordam os transeuntes e impingem propaganda variada, seja para anunciar conserto de celulares, seja para lançamento de unidades imobiliárias ou refeições para satisfazer os milhões que trabalham longe de casa e têm de almoçar em restaurantes.

            É comum que as pessoas apanhem o material e logo adiante se livrem dele, lançando-o ... na rua! Isso vai parar em bocas de lobo, depois em rede de esgoto, em curso d’água e nos nossos defuntos rios.

            O grau civilizatório de um país se afere também pelo trato conferido ao resíduo sólido que produz. Nações adiantadas sabem aproveitar detritos para geração de energia, adubo, o que se converterá em mais emprego e renda para a população.

            Outro pecado brasileiro: desperdiça-se quantidade de alimento que nutriria enorme contingente populacional. Não existe uma logística inteligente de aproveitamento das sobras e a proteína que falta na mesa do faminto vai parar num lixão!

            Estamos longe de condições minimamente razoáveis. O pior é que já nem sabemos nos indignar com a sujeira que nos cerca. Preste atenção por onde você passa, antes de concluir que há exagero nesta reflexão.

 

*José Renato Nalini é Reitor da UNIREGISTRAL, docente da Pós-Graduação da UNINOVE e Presidente da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS – 2019-2020.    



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

Veja mais Artigos

CLIMA EM FRANCA

24°
17°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena: 2309
    Sorteio: 09, 11, 29, 30, 33, 60 Data: 17/10/2020
  • Quina: 5394
    Sorteio: 15, 22, 30, 48, 73 Data: 19/10/2020