21 de outubro de 2020

Opinião

LEITOS

O que fazer se você precisar de um leito de UTI e não tiver mais vagas?

O avanço do vírus provocou enorme colapso do sistema de saúde brasileiro, os boletins oficiais passaram a causar enorme angústia e preocupação já que a ocupação próxima de 100% dos leitos de UTI tanto nos hospitais públicos como particulares, leva à dúvida sobre o que fazer se for preciso de leito de UTI e a Rede Pública ou Plano de saúde não dispuser de vaga.

Opinião 27/07/2020

A proliferação do SARS-CoV-2, popularmente conhecido como Coronavírus, inaugurou um novo modo de viver, que exige rígidas práticas de isolamento social, o uso de máscara em locais públicos, lavagem constante das mãos e uso de álcool gel.

O avanço do vírus também provocou enorme colapso do sistema de saúde brasileiro, os boletins oficiais passaram a causar enorme angústia e preocupação já que a ocupação próxima de 100% dos leitos de UTI tanto nos hospitais públicos como particulares, leva à dúvida sobre o que fazer se for preciso de leito de UTI e a Rede Pública ou Plano de saúde não dispuser de vaga.

Numa análise sobre o Direito do paciente é possível estabelecer que, havendo prescrição médica para internação em leito de UTI, com base científica e a melhor prática médica ao caso, não restam dúvidas do Direito do paciente ao ajuizamento de Ação de Obrigação de Fazer com pedido de Antecipação de Tutela, ou seja, com o pedido “Liminar”, contra o Poder Público ou contra a Operadora de Plano de Saúde, para que estes paguem a internação na rede particular, ainda que fora da rede credenciada no caso dos Planos.

Isso porque, a manutenção da saúde e, consequentemente, da própria vida é direito inerente a todo ser humano, portanto, natural, inalienável, irrenunciável e impostergável, e que a tem sua inviolabilidade garantida pela Constituição Federal da República do Brasil (CR/88), em seu artigo 5º, “caput”.

A CR/88 em seu art. 5°, “caput”, garante a inviolabilidade do direito à vida e, para tanto, prevê no artigo 196 e seguintes o instrumento jurídico amplo aos cidadãos, ao impor textualmente ao Estado (compreendido aqui em seu sentido lato, incorporando, portanto, todas as suas facetas como a executiva, legislativa e, em especial, a judiciária) o dever impostergável de propiciar a todos os cidadãos o acesso universal do direito à saúde, que nos dizeres da nossa Constituição “é direito de todos e dever do Estado” (ar. 196)..

Por outro lado, no tocante aos contratos de Plano e Saúde regulamentados à Lei n°9.656/1998, consta expressamente no art. 10 da referida lei que as Operadoras de Plano de Saúde devem oferecer “cobertura assistencial médico-ambulatorial e hospitalar (…) quando necessária a internação hospitalar, das doenças listadas na Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, da Organização Mundial de Saúde”.

Defende-se que a internação deve ser pelo tempo em que for necessária, a pacientes com suspeita ou já confirmado diagnóstico de Covid-19, em qualquer estabelecimento hospitalar pertencente à rede credenciada da Operadora, independente do cumprimento do prazo de carência.

Inclusive, algumas empresas de plano de saúde utilizaram a Resolução 13/1998 do Conselho de Saúde Suplementar (Consu) para limitar o tempo de internação em 12 horas. No entanto, o Poder Judiciário no julgamento de Ação Civil Pública determinou a garantia do atendimento e tratamento sem limitação de tempo, fixando multa de R$ 50 mil reais por paciente que viesse a ter a cobertura recusada por tal motivo.

Vale lembrar que os pacientes que também se encontram internados, mas por motivos que não estejam ligados a Covid-19, desde que já apresentem melhora ou estabilização do quadro de saúde, existe a possibilidade de serem “desospitalizados”, conforme orientação médica, passando a internação para a modalidade HOME CARE.

Havendo prescrição para o tratamento médico contínuo na modalidade HOME CARE, não pode prevalecer qualquer negativa do poder público ou das Operadoras de Plano de Saúde.

O respeito à indicação médica é tamanho que o próprio Tribunal de Justiça Paulista, diante de reiteradas decisões, e com o objetivo de uniformizar o entendimento do Tribunal, editou a Súmula 90, com os seguintes dizeres: "Havendo expressa indicação médica para a utilização dos serviços de 'home care', revela-se abusiva a cláusula de exclusão inserida na avença, que não pode prevalecer."

Com isso, a Justiça se torna, mais uma vez, a principal aliada do paciente que depende dos serviços de saúde do Poder Público ou de Plano de Saúde Particular, podendo o próprio paciente ou familiar próximo utilizar-se dos serviços da Defensoria Pública ou da contratação de Advogado particular, para orientação jurídica do caso e eventual ajuizamento da ação, possibilitando assim assegurar os direitos aqui mencionados.

Dr. Augusto Rodarte de Almeida
Advogado



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

Veja mais Artigos

CLIMA EM FRANCA

26°
17°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena: 2310
    Sorteio: 13, 17, 28, 29, 42, 53 Data: 20/10/2020
  • Quina: 5395
    Sorteio: 16, 28, 42, 66, 75 Data: 20/10/2020