20 de setembro de 2020

Opinião

Neutro

Pela capacidade de reconhecer sons, desenvolvemos empatias. Bandas marciais despertam-nos euforia. Orquestras filarmônicas nos elevam o espírito para além das nuvens. Ritmos nos põem em movimento e canções de ninar são capazes de acalmar gigantes enfurecidos.

Opinião 12/09/2020
Lúcia Brigagão
Especial para o GCN
A audição, essa capacidade de ouvir, benza-a Deus, é potencial abençoado dos animais. Sem desfazer dos demais sentidos, diria que é o mais importante deles. Por serem capazes de ouvir e perceber variedade enorme de sons, animais racionais e irracionais, se safam de perigos e ameaças.   Os sons agradáveis despertam neles sensações igualmente prazerosas. Identicamente agradáveis. Porque escutam, os seres são capazes de se comunicar e, especialmente os humanos, de formatar linguagens que lhes permitem formular e parir ideias, obras literárias, discursos de amor e, alguns, infelizmente de ódio. Apenas e portanto porque somos capazes de ouvir, somos capazes de falar.  A audição é o sentido de alerta que nos auxilia em nossa própria defesa. Por meio dela podemos ouvir a buzina do automóvel; o alarme de incêndio; antecipamos tempestades e nos protegemos. Somos capazes de ouvir e fazer música, além de nos deleitarmos com elas, desde as mais simples melodias, até aquelas mais elaboradas, dodecafônicas, atonais, bem complicadas.  Podemos desfrutar da maravilhosa sensação que nos provoca a voz do ser amado e, noutro sentido, escaparmos do desprazer do encontro com pessoas desagradáveis ao percebermos, pelo som que emitem, que elas se aproximam... Pela capacidade de reconhecer sons, desenvolvemos empatias. Bandas marciais despertam-nos euforia. Orquestras filarmônicas nos elevam o espírito para além das nuvens. Ritmos nos põem em movimento e canções de ninar são capazes de acalmar gigantes enfurecidos.

Infelizmente, porque somos capazes de ouvir estamos expostos ao desprazer de agressões que nos chegam através dessa preciosa capacidade. No trânsito, por exemplo, a buzinada estridente, para informar que atrás de nós tem alguém muito importante e com tanta pressa que exige passagem. Nos discursos políticos as mentiras deslavadas, promessas descabidas, as saídas ardilosas e desculpas esfarrapadas na tentativa de engabelar o ouvinte. Nos tribunais de justiça as sentenças despropositadas, impróprias e inadequadas que protegem, amparam, apadrinham e socorrem poderosos  e atacam, perseguem e tiranizam os mais frágeis - aqueles que precisam muito mais de proteção e imparcialidade.

Porque somos capazes de ouvir, estamos sujeitos ao besteirol que, como onda de excrementos, invade a mídia e nos atinge. Exemplo disso é a reforma proposta para a “Última flor do Lácio, inculta e bela”. Sugestão que vem para esclarecer e – jamais – confundir, é chamada de “Neutro”. Vão acabar com o feminino, o masculino. Todas as palavras serão neutras.  Um doce para quem pitacar sobre a origem e invenção do novo vocabulário.

Sou boa de ouvido: percebo desafinações nas músicas, sou considerada razoavelmente afinada para cantar, querida ex-professora de piano afirmava que eu teria “ouvido absoluto”, jargão conhecido dos aficionados. Pois confesso, estranhei. E olhe que sou craque na língua do Pê. Pois fiquei boiando ao ser apresentada ao “Neutro”. Senão, vejamos algumas mudanças. Algumas, apenas: o entendimento completo desafia meus neurônios

Ela e ele, para começo de conversa,  serão apenas ile. Dela e dele, dile. Aquele e aquela virarão aquile; nela e nele, nile. Essa e esse, se tornam isse. Daquele e daquela, daquile. Desta e deste, diste. Sua e seu se tornam sue; nossa e nosso, nosse. Exemplos de frases: “Elas/eles são amigas/amigos” será, genericamente, “Iles são amigues”. Outro exemplo: “João deu um beijo nela/nele” - fico imaginando a cara da minha mãe ao ouvir a frase, que no Neutro seria assim: “João deu um beijo nile.” Experimente entender: “Sue amigue veio aqui. Ile gosta muito de nosse amigue Júlia.

Regras: palavras terminadas em a ou o terão essas vogais trocadas por e: menine, garote, velhe, alune, filhe, namorade. Palavras terminadas em co e ca (médico, médica) terão a desinência genericamente trocada pelo que: genericamente médique, nesse caso. Pedagogo, pedagoga? Psicólogo, psicóloga? Treine: troque os finais pelo genérico gue e veja como fica.

Não. Não foi Dilma quem inventou. Mas foi a turma dela.  Estou considerando a possibilidade de ficar muda.



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Asdrúbal da Franca
    5 dias atrás
    Parece que a nobre colunista anda escrevendo artigos que absorvem e reproduzem fake news. Isso de dizer \"Não foi Dilma quem inventou. Mas foi a turma dela\", me cheira a \"cuidado com os comunistas, eles comem criancinhas!\", que chegam no zap da minionzada medonha a toda hora. Quem está avacalhando a língua pátria e tornando a cultura brasileira uma esculhambação geral é a escumulha que ocupa o poder há 21 meses, com a aprovação e delírio fanático da pseudo-elite brasileira (que inclui boa parte da elite francana também).
    • Francisco Matos
      4 dias atrás
      Parabéns, o Senhor retrata o fato concreto. A professora é explicitamente detentora do capitalismo selvagem. Para ela se Lucifer estiver no poder é garantia que a casa grande está sobrevivendo e fazendo a senzala acreditar que é normalidade. Quanto a elite francana, eu que aqui nasci há 70 anos, estou ATUALMENTE enjoado com tanta hipocrisia.
  • Renata Reis Verissimo do Nascimento
    2 dias atrás
    Sra.e prezada Lúcia é uma pena os eles nao ouvem Bach. Bravo!
Veja mais Lúcia Brigagão

CLIMA EM FRANCA

31°
21°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena: 2301
    Sorteio: 17, 18, 35, 36, 47, 52 Data: 19/09/2020
  • Quina: 5370
    Sorteio: 07, 10, 29, 41, 68 Data: 19/09/2020