22 de outubro de 2020

Franca

CORRUPÇÃO NA FEAC

Esquema alvo do Gaeco envolve suposto pagamento de propina a Marlon Centeno

Marlon utilizaria laranjas para participar dos chamamentos públicos que ajudariam a direcionar o vencedor. O escolhido pagaria a Marlon, então, uma propina do valor total do contrato.

Franca 24/09/2020
Kaique Castro
da Redação
Dirceu Garcia/GCN
Promotores do Gaeco apreendem documentos e computadores na sede da Feac
O Gaeco (Grupo de Atuação Especializado Contra o Crime Organizado) de Franca deflagrou na manhã desta quinta-feira, 24, a operação “Longa Manus”. Oito mandados de busca e apreensão foram cumpridos na cidade. O principal alvo dos promotores é o ex-presidente da Feac (Fundação Esporte, Arte e Cultura) Marlon Centeno, que é suspeito de liderar um esquema de fraude nas licitações com o terceiro setor.

Segundo o Ministério Público, todas as licitações investigadas eram feitas na sede da Feac e não há qualquer envolvimento com a Prefeitura. Quatro pessoas foram alvos das medidas de busca e apreensão. Os mandados foram cumpridos nas residências dos investigados e endereços vinculados aos investigados, além do prédio da Feac, onde documentos e computadores foram apreendidos.

O Gaeco não informou os nomes dos suspeitos. O caso é investigado desde 2019, onde os promotores apuram suspostos desvios de verbas públicas pelo então presidente Marlon Centeno. O caso é tratado com sigilo pelos promotores.


Leia mais

Investigado por corrupção, Marlon diz que denúncias têm motivações eleitoreiras; Gilson mantém silêncio

Gaeco faz operação de busca e apreensão de documentos na Feac


“Durante as investigações apurou-se que entidades municipais apresentam projetos para firmar convênios e receber verbas públicas da Feac. Diante disso, o Presidente da Fundação Pública à época teria colocado pessoa de sua confiança em algumas entidades para que parte dessas verbas retornassem para ele, por intermédio de laranjas”, explicou o MP em nota à imprensa.

 

Como funcionaria o esquema

Segundo informações apuradas pelo GCN, o esquema seria liderado por Marlon Centeno sem participações de outros servidores das Feac ou da Prefeitura. A ação criminosa era em cima dos projetos que seriam tocados por ONGs.

Marlon utilizaria laranjas para participar dos chamamentos de licitações que ajudariam a direcionar o vencedor. O escolhido pagaria a Marlon, então, uma propina sobre o valor total do contrato.

A Feac gerencia R$ 11 milhões por ano, grande parte deles em parcerias com o terceiro setor.



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Sebastião
    24/09/2020
    Esse cara nunca me enganou, amicíssimo de um ex-vereador do PT (que pulou fora do barco no momento que esse fazia água) os dois sabem muito bem como a \"coisa funciona\".
  • Sebastião
    25/09/2020
    Um hora a casa cai.
  • !! Atenção !!
    25/09/2020
    Pesquisa aí que vai achar uns professor de futebol , dessas quadras abertas ao público envolvido nisso.. Só acho
Veja mais Local

CLIMA EM FRANCA

25°
17°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena: 2310
    Sorteio: 13, 17, 28, 29, 42, 53 Data: 20/10/2020
  • Quina: 5396
    Sorteio: 03, 11, 30, 54, 57 Data: 21/10/2020