24 de outubro de 2020

Opinião

Um banquete

Opinião 11/10/2020
José Geraldo Segantin
Especial para o GCN
As leituras da Palavra de Deus nos ajudam a sentir o que Ele quer nos oferecer: um banquete.

Sua presença alimenta a nossa vida. Meditemos.

Primeira Leitura: Isaías 25.

A leitura de hoje conta que Deus, num determinado tempo, vai organizar um banquete.

Deus, afirma o profeta, é como um grande soberano conseguiu uma retumbante vitória e quer comemorá-la com uma festa magnifica, digna de um soberano como ele.

Quem serão os convidados? Se perguntam ansiosos os ouvintes. Todos os povos da terra, sem qualquer exclusão, é a resposta. Sentar-se-ão à mesma mesa aqueles que antes se tinham odiado por longo tempo, os que tinham lutado entre si para roubar as riquezas, as terras, os bens uns dos outros.

Qual a vitória que será comemorada?

A morte será vencida. Não se trata aqui da morte física, mas de tudo aquilo que para o homem é morte e derrota: uma vida sem sentido e sem ideais, o escárnio, o fracasso, a dor, a fome, a doença, a marginalização. Tudo aquilo que não é “vida” será eliminado.

Segunda Leitura: Filipenses 4.

Com o trecho de hoje encerra-se a Carta aos Filipenses. São poucas palavras, comoventes, que revelam os sentimentos de profunda amizade que prendem Paulo aos cristãos de Filipo. Começa lembrando-lhes as contrariedades, as dificuldades, as privações que teve que suportar pela causa do Evangelho.

Os que dedicam sua vida à pregação do Evangelho continuam sendo homens sensíveis às ingratidões, como também às manifestações de apreço e de amizade.

No fim da carta, Paulo afirma que Deus ama e protege os seus enviados e recompensará com abundância os gestos de generosidade manifestados em relação a eles.

Evangelho:  Mateus 22.

Na parábola o Reino de Deus é comparado ao banquete para uma festa de núpcias.

O grande Rei é Deus. Ele organiza a festa de núpcias do seu Filho (Jesus).

A esposa é a humanidade inteira.

O banquete representa a felicidade dos tempos messiânicos. Quem acolhe a proposta do Evangelho começa a fazer parte do Reino de Deus e experimenta a alegria mais pura e profunda.  

Os convidados recolhidos ao longo dos caminhos e pelas praças bons e maus, limpos ou sujos, sem distinção, são os homens do mundo inteiro.

Os primeiros convidados não entram na festa. Recusam porque não querem largar os próprios interesses.

A vida nova dos cristãos é comparada frequentemente no Novo Testamento a uma roupa nova que se veste no dia do Batismo. Não é suficiente ter recebido o sacramento, é necessário assumir um comportamento totalmente novo. 



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

Veja mais José Geraldo Segantin

CLIMA EM FRANCA

20°
18°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena: 2311
    Sorteio: 03, 05, 09, 35, 43, 60 Data: 22/10/2020
  • Quina: 5398
    Sorteio: 09, 14, 37, 54, 80 Data: 23/10/2020