01 de dezembro de 2020

Franca

ECONOMIA

Calçadistas se revoltam com decreto de Doria que aumenta ICMS do setor

Com duras críticas ao governo do Estado, as indústrias calçadistas pretendem entrar com ação na Justiça para que o novo decreto não entre em vigor.

Franca 22/10/2020
Victor Linjardi
da Redação
Arquivo GCN
O governador João Doria (PSDB) aumentou o ICMS de 32 setores da economia paulista, incluindo os calçados, em plena pandemia do coronavírus
O decreto publicado na última sexta-feira, 16, pelo Governo do Estado de São Paulo impactou o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de 32 setores da economia paulista, incluindo o calçadista. O aumento da taxa foi considerado “desastroso” para o setor, levando em conta os meses de paralisação por conta da pandemia do novo coronavírus.

O aumento faz com que o valor do ICMS passe de 3,5% para 4,3%. Essa diferença aumentará o valor dos produtos utilizados na fabricação de calçados e também no produto final. Em nota, o presidente do Sindifranca, José Carlos Brigagão, afirma que, além de ser um momento importuno para essa mudança, o governo estadual deveria colaborar para a retomada econômica.

“O Estado, ao invés de criar formas de incentivo para as indústrias retomarem sua produtividade, gerando emprego e renda e contribuindo para o aumento do consumo, vemos exatamente o contrário: o mesmo Estado, que paralisou diversas atividades industriais e comerciais por semanas e meses, cobra agora a conta de quem foi justamente o mais prejudicado.”

Para Brigagão, além de uma grande burocratização, pode haver queda nas vendas do produto. “Como nossa matéria-prima terá taxação maior, aumentará o preço do produto. Nosso produto também terá taxas maiores. Quem pagará por isso no final é o consumidor, vendo aumento do preço dos calçados.”

O presidente do Sindifranca teceu duras críticas à decisão do governador João Doria (PSDB), alegando que “é preciso entender de mercado na produção. A indústria não pode arcar com essa tributação e com as burocracias que temos visto”. Segundo ele, foi necessário que uma equipe de especialistas contábeis e financeiros se debruçasse sobre o novo decreto para entender as mudanças.

“Em seu discurso de apoio à indústria paulista, o Governador Doria enfatizou várias vezes o bordão ‘simplificação tributária e regulatória’, mas na prática, suas ações apontam na direção contrária.”

Os empresários do ramo na cidade se reunirão nesta quinta-feira, 22, com representantes das cidades de Jaú e Birigui. A promessa é que alguma medida judicial seja tomada para evitar as mudanças estipuladas.

“A publicação deste Decreto 65.255 é uma afronta à indústria calçadista paulista e causou profunda indignação a todos os empresários”, destacou o sindicato.



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Rodrigo Cunha
    22/10/2020 8 Curtiram
    Enquanto a população está entretida com Comunismo X Capitalismo, teoria inexistente desde o fim do século 20, os políticos estão aprovando decretos e leis de interesse político-eleitoral, apenas pensando nas eleições e em como pagar o apoio financeiro das empresas nas eleições. Fiquem atentos e não se distraiam com besteiras de direitaXesquerda
  • José osmar
    22/10/2020 1 Curtiu
    Há muuuito tempo o PSDB abandonou FRANCA, já não chega na saúde.
  • 22/10/2020 5 Curtiram
    E vai ficar pior.. logo logo vem o veto da desoneração da folha de pagamento... Aguardem.
    • Darsio
      22/10/2020
      Quer dizer que você defende isenção de impostos ao empresariado, para que os mesmos sejam colocados dentro dos nossos bolsos? Você não acompanha as discussões sobre a reforma tributária? Não está por dentro da ressuscitação da CPMF pelo bozo? Acredita que a desoneração acarretará em mais empregos? Olha que a reforma trabalhista foi aprovada sob o mesmo discurso e, passados três anos, onde estão os empregos? E, olha que eu me refiro ao período pré-pandemia. Ou você é um empresário louco para não pagar impostos ou é um cidadão muito, mas muito ingênuo.
  • Luis
    22/10/2020
    É o Bolsodoria faz arminha, faz!?
  • Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    22/10/2020
    Kkkkkkkkkkk vocês elegeram agora aguentem !!!!
  • Francano
    22/10/2020
    E aquela aproximação do Sindifranca com o governo Dória? Fizeram tantas reuniões, tantas puxadas de saco, tanto circo e agora o governo só mostra o quanto não temos um sindicato forte. Mas é isso aí! Não dão aumento para funcionários nunca, o governo também resolveu mostrar quem é que manda. Chora Brigagão!!
  • paulo cesar faleiros de faria
    22/10/2020
    Pelo que me lembro, foi aqui, nesta cidade, que vários desses empresários doaram sapatos e botas quando o Governador foi eleito prefeito de São Paulo, indaguei, porque não doavam para a Prefeitura de Franca, fiquei sem resposta.
  • Darsio
    22/10/2020 1 Curtiu
    Mas, do que os empresários estão reclamando? Afinal, quem realmente paga ICMS é o consumidor, pois quase toda a carga tributária sempre recai sobre os preços dos produtos comprados por ele. E, não adianta vir com essa história de que sem ICMS o produto ficaria mais barato para o consumidor, pois se isso acontecesse o empresariado ambicioso por imensos lucros, encontraria várias desculpas para não abaixar os preços de seus produtos. Ou existe algum ingênuo que acredita nessa história de menos impostos, produtos mais baratos? Aliás, já passou da hora de haver uma CPI para investigar as isenções fiscais concedidas aos empresários, pois muita grana deixou de ser arrecadada para a manutenção dos serviços públicos e não se viu nenhum benefício a sociedade. Enquanto isso, o trabalhador que recebe algo próximo de dois salários mínimos, tem parte dos mesmos confiscada pelo imposto de renda. E, não venham com a desculpa da covid19, pois a economia calçadista há tempos vive patinando. Seria Franca a capital nacional do calçado masculino? Somente nos livros de história.
    • 22/10/2020
      Respondendo ao seu comentário lá em cima. O que estou dizendo é que o cenário é de mais peso ao fardo do consumidor, simples assim. O empresário vai jogar na conta do consumidor.
    • Júnior
      22/10/2020 1 Curtiu
      Você está certo, o consumidor que paga pelo produto mais caro com um ICMS mais alto. O problema é que estão tremendo por causa da concorrência de outros polos calçadistas. Os sapatos francanos ficarão mais caros no mercado, lojistas e consumidores vão procurar outros fornecedores.
  • Paulo
    22/10/2020 1 Curtiu
    Mas os francanos em peso não votaram Bolsodória? Façam arminha com o mão para o ICMS cair. E se chorar ainda tem o fim da desoneração da folha de pagamento.
  • josé
    22/10/2020
    É a famosa PL 529/20 , conhecida como \"pacote de maldades do Doria\" que virou lei após os deputados estaduais (que deveriam defender os interesses do povo) votarem a favor. Como agora virou lei, vai aparecendo todas as atrocidades desta PL, tudo em prol de aumentar a arrecadação estadual. Aguardem cenas dos próximos capitulos.
  • Andre
    22/10/2020 3 Curtiram
    Fique em casa! A economia a gnt vê depois! Tá aí! O depois chegou! Divirtam pandeminions
  • Rodrigo
    22/10/2020
    O jeito agora é mudar as empresas pra Claraval, Capetinga, porque esses governantes só prejudica a indústria.
  • Dorival
    22/10/2020
    Ficam em casa . Políticos corrupitos acabando com.o país . A vergonha deste pais falido . O povo na miséria
  • Francano
    22/10/2020 1 Curtiu
    O jeito é ir trabalhar no magalu mesmo! Pq em fábrica já pagavam um salário miserável e sem benefício algum. Pelo menos a gente acorda e para de enriquecer esses empresários carrascos de nossa cidade. Tão bem aí para a qualidade de vida dos colaboradores não, só querem saber do rancho, da lancha, da camionete e das amantes kkk
  • fab
    22/10/2020
    BOLSODORIA ! NÃO É ISSO QUE VCS GRITAVAM ????
  • Rogério
    22/10/2020 2 Curtiram
    Pensem bem em quem vcs vão votar, o Adérmis Marine é do mesmo partido do Gov. João Doria(PMDB).
Veja mais Local

CLIMA EM FRANCA

31°
19°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena: 2318
    Sorteio: 28, 44, 52, 54, 58, 60 Data: 14/11/2020
  • Quina: 5418
    Sorteio: 22, 35, 44, 53, 66 Data: 17/11/2020