29 de novembro de 2020

Opinião

Atire a primeira pedra

Opinião 25/10/2020
Pastor Isaac Ribeiro
Especial para o GCN
“Mulher, onde estão os teus acusadores? Ninguém te condenou? Ela disse: ninguém Senhor. E disse lhe Jesus: Nem eu também te condeno. Vai-te e não peques mais.”

(João, 8.11)

Com estas palavras Jesus despediu uma mulher trazida até a sua presença por fariseus e mestres da lei. Este encontro, registrado no capítulo oito de João, é fonte de muitas lições sobre uma espiritualidade fundamentada no princípio do amor, manifesto através de atos de compreensão e misericórdia. Quando a mulher chegou até a presença de Jesus, já estava sentenciada e praticamente executada. Os homens que a levaram àquela situação queriam apenas usá-la para incriminar Jesus por suas próprias palavras. Queriam que o mestre incorresse no erro do contraditório, ou seja, se dissesse que não deviam condená-la estaria infligindo a lei que foi dada por Deus a Moisés, e naturalmente dando-lhes ferramentas para incrimina-lo. Por outro lado, se dissesse para condená-la, a sua atitude seria usada, como argumento de que pregava o amor, mas não praticava o mesmo. A princípio, Jesus ignorou a chegada dos religiosos, sempre tão prestigiados pela população em geral. Quando resolve quebrar o silêncio, dirige-se aos religiosos e diz: “Quem de vocês estiver sem pecado, que seja o primeiro a atirar uma pedra nesta mulher” e voltou a escrever no chão. Estas palavras invertem as posições. De acusadores, os religiosos passam a réus de suas próprias consciências, e começando pelos mais velhos até os mais novos, todos, emudecidos, deixam o local. 

Em seguida, Jesus pergunta à mulher onde estavam os seus acusadores, e se alguém a havia condenado. Vemos nesta pergunta, um ato terapêutico profundo. Jesus se dirige a uma mulher que sabia que era pecadora, e pergunta-lhe onde estavam os puros que a condenavam e a julgavam. Onde estavam os perfeitos que, diferentemente dela, não cometiam pecados? A mulher responde que eles haviam ido embora sem condená-la. A resposta da pecadora era necessária no processo da cura. Era necessário que ela dissesse com os seus próprios lábios: “Não, ninguém me condenou”, para ouvir, em seguida, de Jesus: “Nem Eu tampouco te condeno. Vai e não peques mais”. Caro leitor, a lei do amor é aquela que nos faz soltar as pedras, que nos faz voltar para dentro de nós mesmos, tomados pela consciência de que também precisamos de perdão e restauração. Se existe uma coisa que Jesus sempre combateu foi à hipocrisia. Nada aborrece mais o mestre, do que a falsidade presente na religiosidade daqueles que honram-no com lábios, mais que mantém seus corações longe da verdade de Deus. Vamos pensar nisto.

 Deus vos abençoe.  



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

Veja mais Pastor Isaac Ribeiro

CLIMA EM FRANCA

29°
18°

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena: 2318
    Sorteio: 28, 44, 52, 54, 58, 60 Data: 14/11/2020
  • Quina: 5418
    Sorteio: 22, 35, 44, 53, 66 Data: 17/11/2020