04 de março de 2021

Franca

EXCLUSIVO

A 100 km de distância, Araraquara e Serrana vivem realidades diferentes na pandemia

Duas cidades próximas no interior de São Paulo lidam com os extremos da pandemia. Uma, com tensão e isolamento total; outra, com esperança e imunização em massa.

Franca 23/02/2021
Heloísa Taveira
enviada especial a Araraquara e Serrana
Dirceu Garcia/GCN
Avenida vazia em Araraquara, em lockdown desde o meio-dia do último domingo
Desde o meio-dia de domingo, 21, a cidade de Araraquara, a pouco mais de 170 quilômetros de Franca, está em lockdown total. A medida de isolamento que terminava nesta terça-feira, 23, foi prorrogada até o próximo sábado, 26, com objetivo de frear a disseminação do coronavírus. A restrição de quase uma semana impede até mesmo o funcionamento de supermercados e postos de combustível.

 
A decisão da Prefeitura de Araraquara foi mais dura do que determina o plano de quarentena do governo estadual. A cidade vive uma explosão na transmissão do vírus e nas internações de pacientes da covid-19. Ao mesmo tempo, foram confirmados 12 casos da variante de Manaus. O cenário fez com que o sistema de saúde registrasse 100% de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).  
 
Fabiana Araújo é enfermeira sanitarista da Vigilância em Saúde e coordenadora de Ações de Combate à Covid-19. Ela relatou que logo no início do ano a evolução da pandemia era perceptível. “Nas primeiras semanas de janeiro começamos a ver um aumento de casos e da procura pelos serviços de saúde. Já esperávamos que isso acontecesse por conta das festas de fim de ano, mas a situação não reverteu”, disse. “Esse aumento cada vez maior dos casos e algumas diferenças clínicas da doença nos fez desconfiar que poderia estar circulando uma nova cepa.”
 
A partir dessa observação, algumas amostras de pacientes de Araraquara foram enviadas ao Instituto de Medicina Tropical da USP (Universidade de São Paulo) e foram confirmados 12 casos da nova cepa de Manaus. De acordo com Fabiana, é provável que muitos outros casos da variante estejam em circulação.  
 
“Obviamente que isso era uma amostragem, então a gente tem ciência de que não são só esses 12 casos. Já mandamos mais amostras e eles já sinalizaram que 80% das novas amostras também são da cepa de Manaus”, disse a enfermeira. Ela ressaltou também que ainda é cedo para afirmar se a nova cepa pode ser mais perigosa, mas afirmou que é "extremamente visível" que a variante é muito mais transmissível. 
 
Os indicadores da doença são monitorados diariamente pelos profissionais de Araraquara. Segundo Fabiana, esses números serão decisivos para as novas medidas adotadas pela Prefeitura. 
 
Adesão dos moradores
Apesar de uma parcela contrariada, a população da cidade tem aderido corretamente ao lockdown total. Nas ruas, pouquíssimas pessoas circulam em meio aos estabelecimentos fechados, o que fez com que parecesse que os quase 240 mil habitantes tivessem abandonado a cidade nesta terça-feira.
 
Durante as filmagens, a reportagem do GCN foi parada pela Polícia Militar. Em um trabalho de identificação, policiais recomendaram cuidado. As multas previstas no decreto municipal são de R$ 120 para pessoa física e de R$ 6 mil para empresas que descumprirem as regras. 
 
José Maria Silva, em sua Fiorino, era um dos poucos que circulavam. Ele estava ajudando o filho a fazer as entregas de uma rede de supermercado, que só pôde operar com o sistema delivery e com 30% dos funcionários. “Já tem um mês que eu não ganho nada, que eu não consigo trabalhar. A cidade está travada e eu não sei o que fazer”, disse. Apesar da dificuldade, José, que trabalha com locação de quadras de futebol, entende a situação.

“Do pessoal que joga bola comigo, morreram dois na semana passada. Um tinha 33 anos e o outro de 45. A gente que tem família fica preocupado e com medo de andar por aí. O pessoal não respeita.”

Gabriel Montagner Silva é o filho do seu José e terceiriza seu serviço para o supermercado. Durante a tarde, ele realiza as entregas pelo Centro de Araraquara. “A demanda triplicou. Tá muita correria, tanto é que a entrega que eu fiz agora era para ter chegado ontem. Por conta da grande demanda de pedidos, não deu tempo. Estamos em cinco pessoas entregando no mercado e está uma corrida para todo mundo”, disse. 

 
O rapaz, que entregava apenas no período da tarde, passou a fazer o dia todo. Ele percebeu que a população está preocupada. “Tem alguns que não ligam, a gente chega e nem de máscara estão. Mas a maioria está preocupada. Pedem até para deixar os produtos no chão e higienizam antes.”

Situação oposta
Poucas horas depois, na cidade de Serrana, a reportagem do GCN encontrou outro cenário: alta circulação de pessoas nas ruas e muitos sem máscara de proteção. A cidade encerrou sua primeira etapa de imunização em massa graças ao projeto do Instituto Butantan para estudar a eficácia da vacina Coronavac. 
 
Ao todo, cerca de 23% do público-alvo de Serrana já foi imunizado com a primeira dose. Maria Pâmela Carvalho, de 20 anos, tomou a vacina na última quinta-feira, 18. Ela chegou à Escola “Maria Celina”, que funciona como posto de vacinação, às 13 horas e só saiu de lá às 19. 


“Eles fazem uma série de perguntas e um exame de sangue, que demora 30 minutos para sair o resultado. Fiquei com muito sono e tive um pouco de febre, mas agora estou mais aliviada porque eu tenho uma filha e trabalho com o público”, disse. Maria Pâmela vai tomar a segunda dose no dia 18 de março. 
 
Quem já tem data marcada para a imunização também é a dona Darcy Simas, de 66 anos. Ela vai tomar a primeira dose nesta quarta-feira, 24. “Estou muito ansiosa e muito feliz. As pessoas da cidade estão gostando muito”, relatou Darcy. 
 
Em Serrana, a vacinação acontece de quarta a sexta-feira, das 14 às 20 horas, e sábado e domingo, das 9 às 15 horas. São nove escolas espalhadas pela cidade que funcionam como postos de vacinação.



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • André
    24/02/2021 1 Curtiu
    Um exemplo a não ser seguido! Absurdo ditadorzinho proibir pessoas de saírem de casa, de trabalharem para sustentar suas famílias, de pagarem suas contas! Pessoas morrerão de fome, de outras doenças evitáveis.
  • Cláudio
    24/02/2021 1 Curtiu
    Prefeito de Araraquara: PT Prefeito de Serrada: MDB Isso ja esplica tudo!!
Veja mais Região

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: , , , , , Data: 30/11/-0001
  • Quina:
    Sorteio: , , , , Data: 30/11/-0001