10 de abril de 2021

Nossas Letras

Bicho de Pé, uma história

“ O melhor lugar do mundo chamava-se Bicho de Pé - e é quase impossível ao leitor não se perguntar por quê”.

Nossas Letras 20/03/2021
Sônia Machiavelli
Especial para o GCN
Existem lugares físicos que podemos chamar de férteis por ensejar encontro com o outro, aceitação da diversidade dos seres, celebração das afinidades eletivas, debates sobre reflexões incomuns, decisões que podem impactar a vida e até deslumbrantes epifanias. Se construído por necessidade de liberdade e desejo de convívio, um espaço desse tipo pertencerá aos seus frequentadores, mas ao mesmo tempo ele os possuirá. O vínculo pode ser tão forte que mesmo depois de décadas permanecerá incólume na memória e no coração dos que puderam vivenciar experiências ricas e peculiares. O ambiente real se torna parte do patrimônio emocional.

Parece que Vicente de Paula Silveira, que abre o livro “Bicho de Pé, uma História”, lançado no final de 2020 pela Ribeirão Gráfica, esbarra nessa tese ao escrever que “Hoje eu posso fazer uma análise mais imparcial do que ocorreu naquela época, porque não estou mais, infelizmente, vivenciando esse fenômeno sociológico singular”. E prossegue: “Os anos se passaram e acrescentaram mais sabedoria em minha vida, e assim, recordando o que aconteceu, posso afirmar que ali, sem que ninguém soubesse explicitamente, reinava implicitamente o sonho utópico de Karl Marx, filósofo da revolução, que num momento de grande sabedoria filosófica afirmava: a cada um, segundo as suas necessidades e de cada um, segundo as suas possibilidades.” Mais de duzentas páginas além, outro dos sete autores, Paulo César Garcia, escreverá: “(...) e porque o mundo entrava numa fase diferente, com convenções questionadas, mudanças aceleradas e que trouxeram de longe as ideias hippies, intuitivamente e sem combinar nada, aproveitamos a deixa e fizemos daquela pobreza toda o melhor lugar do mundo”.

O melhor lugar do mundo chamava-se Bicho de Pé - e é quase impossível ao leitor não se perguntar por que batizar assim “o lar temporário dos prazeres do corpo e do espírito”, como o define Silveira. Este arrisca duas interpretações que podem responder à curiosidade inicial de quem navega nesse livro caudaloso; mas há outras. Sobre as características do lugar, dou um spoiler que, acredito, não irá comprometer as expectativas do leitor. Assim o descreve o cartesiano Marco Antônio Guimarães:

“Era uma casinha no fim da cidade, fazendo divisa com as fazendas e companhia aos sons da natureza e ao ventinho que vinha lá das Minas Gerais. Contava com dois quartos, sala, cozinha e um banheiro que dava para o quintal e tinha banheira enorme, daquelas esmaltadas e com pés que pareciam garras de felino, um convite à luxúria... O chão era de cerâmica ordinária, e o teto de telhas muito antigas e não tinha forro, permitindo ver o madeirame muito velho e sujo. Os poucos móveis eram toscos e na cozinha havia uma geladeira de madeira muito velha, daquelas que precisavam pôr gelo, e um fogão à lenha, o que era comum no interior. “

Faltou dizer que estava incrustada na cidade de Cristais, reiteradamente elogiada pelos sete autores nas qualidades topográficas, matas, entornos de cachoeiras e rios, cafeicultura e... por seu povo e sua história. Porque uma cidade é bem mais que ruas e casas e praças e igreja. Consciente disso, a cristalense Ruth Maria de Freitas Becker, em versos, prosa poética e crônicas mínimas, fixa em imagens pungentes moradores icônicos como Urbaninho, Matilde Benzedeira e a própria cidade: “Cristais!/ Abre teu seio e faz guarida, terra querida,/de meus sonhos, desejos e ideais./Acorda em mim a criança/ que cresceu em teus quintais.”

Com estilos diferentes, também descrevem a cidade, a casa e os acontecimentos que ela presenciou um entusiasmado José Valdair Costa Rios ( a quem agradeço o livro e a dedicatória); um autoral Francisco Eugênio Nunes Gusso; um lírico José Carlos Gonçalves Dias (Calunga), cuja sensibilidade encanta nos muitos poemas reunidos no livro. Como “Cristais”: “Perto do rio que divide/ São Paulo-Minas Gerais/ fiquei uns tempos morando/ na cidade de Cristais// Chegando de madrugada/ vi fumaça na chaminé/ de uma casa engraçada /chamada “Bicho de Pé.”/ Era casa de violeiros,/ poetas, gente sem sono,/ onde todos moravam/ e que ninguém era dono// Fui muito bem recebido/ e lá montei a morada,/dormindo, olhando as estrelas/ no vão das telhas quebradas,/ ouvindo canções, poesias/ daquela terra encantada...// O dia amanheceu depressa,/ sereno e cristalino,/ Saí nas ruas brincando,/como se fosse um menino.”

No Bicho de Pé se encontravam, para falar da vida e dos acontecimentos do mundo, esses e outros moços e moças : Manolo, Tonico, Irineu, Miguelzinho, Rozendo, Deley,Chaleira, Totonho, Oscar Kelner, Martinha, Virgínia, Vitória, Lúcia, Maria Zélia, Tânia... Os assuntos incluíam política (plena ditadura), agricultura, filosofia, livros clássicos e outros recém lançados, liberdade, música, poesia, artes. Havia sempre alguém declamando um poema. Tocando saxofone. Em cantoria coral. Ou dançando. Uma vez, a casa hospedou dois renomados violonistas- Paulo Porto Alegre e Oscar Ferreira de Souza. Também havia alimento para o corpo, mas parece que o cardápio era sempre o mesmo- cupim assado e salada de tomates. Com cachaça e cerveja, claro.

Em todos os textos - que ora se aproximam de narrativas, ora são depoimentos ou ainda memórias- subjaz o humor em suas variadas nuances. Protagonistas são os próprios narradores, o que confere autenticidade ao conjunto. A leveza faz contraponto à seriedade de algumas questões mais profundas, externadas por aqueles que tendo por figura inspiradora Reginaldo Raiz, sentiam-se tocados por grande energia e desenvolviam uma ética onde a amizade ocupava o primeiro lugar. Pessoas de uma mesma geração e de formação profissional diferente, conviveram de forma intensa durante década decisiva de suas existências , aquela que abrange a entrada na vida adulta, onde o trabalho era então o prosseguimento natural de quem terminava seus estudos.

Poetas e prosadores costumam imaginar espaços de sonho que ficam eternizados em seus escritos. Gabriel Garcia Marquez ergueu Macondo. O grego Kavafis, sua Ítaca. Marcel Proust, uma Combray. Monteiro Lobato, o imortal sítio. Manuel Bandeira, o reino chamado “Pasárgada”, declamado várias vezes por Calunga, e não sem razão. Já os poetas/prosadores de Cristais Paulista criaram no mundo real o lugar por eles imaginado, onde viveram histórias curiosas, emocionantes e desveladoras, que eu gostei muito de ler, com certa inveja de não ter morado em Cristais nem conhecido todos os “personagentes” (palavra criada por Guimarães Rosa) que habitaram o Bicho de Pé.

Fica a sugestão para os leitores. Os mais velhos poderão resgatar situações vividas por toda a geração nascida no início dos anos 50; os mais jovens vão descortinar um mundo muito diferente da contemporaneidade, mas nem por isso menos belo e valoroso. Sobretudo um mundo mais pleno de sonhos, que, disse Shakespeare, são constituídos da mesma matéria que faz de um ser, humano.



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Jose Valdair Costa Rios
    4 dias atrás
    Tenho um profundo respeito e uma grande admiração por Sônia Maquiavelli, não só por ela ser uma exímia artesã das letras, mas também pelo ser humano que é revelado em tudo que escreve. Não a conheço pessoalmente, no entanto, é assim que a julgo: pelo produto que nos oferece. Encanta-me sua sensibilidade e sua sabedoria ao lidar com as palavras, transformando-as em textos tão bem construídos, sejam poemas, crônicas, resenhas ou simplesmente um comentário despretensioso... Em tudo, percebe-se a marca de reflexões literárias, filosóficas, artísticas, e tantas outras dos mais diversos campos do conhecimento, o que lhe confere um carimbo de acurado saber e de sensível observadora da vida, nas suas mais sutis singularidades. E é por isso, embora com um certo atraso, que quero registrar, como coautora do livro “Bicho de Pé, uma história”, o quanto me senti honrada e até envaidecida com as considerações de tão brilhante escritora sobre nossos escritos. Ao ler sua resenha, senti que meus seis amigos autores e eu não havíamos lançado sementes em terras inférteis. Senti que valeu a pena despirmo-nos de nossos temores e de nossas censuras e termos tirado das gavetas da nossa memória algumas de nossas “histórias”, muitas alicerçadas na própria vivência de um tempo pretérito, tão rico, tão pleno... O período de “incubação” de nossa obra foi árduo, longo, reticente, porém, imensamente prazeroso e enriquecedor. Compartilhávamos os textos, opinávamos, criticávamos. Às vezes, dávamos uma pausa, como se estivéssemos temerosos, incrédulos quanto à possibilidade de o livro se concretizar, mas sempre um ou outro, meio timidamente, se manifestava com uma nova criação, incentivando, mesmo que indiretamente, os demais. E assim, após uma compartilhada gestação, o livro finalmente nasceu. E agora criou asas, voa e faz pousada em muitas mentes. Algumas, certamente, o acolherão com carinho, lhe darão guarida... Outras poderão simplesmente jogá-lo em um cantinho qualquer... O importante, porém, é que ele existe. Finalizando, quero esclarecer que, entre os sentimentos que enobrecem as pessoas, para mim, particularmente, a gratidão ocupa um lugar de destaque. E é esse o sentimento que expresso em relação às palavras de Sônia Maquiavelli sobre “Bicho de Pé, uma história”. Muito obrigada! Agradeço em meu nome e no dos outros seis escritores. Ruth Maria de Freitas Becker Pedregulho, 05 de abril de 2021
  • Jose Valdair Costa Rios
    3 dias atrás
    AGRADECIMENTO `A SÔNIA MACHIAVELLI Partindo da premissa de que não é possível pensar sem símbolos, segundo pesquisas no campo da Psicologia, ao lermos a inteligente resenha de Sônia Maquiavelli sobre nosso livro “Bicho de Pé, uma história”, sentimos, ali, uma carga simbólica marcante. E isso nos motivou ao ato de pensar, cumprindo, inclusive, uma função altamente pedagógica e introduzindo-nos novamente ao mundo encantado de nossos textos. Seus apropriados comentários constituem um amálgama de ficção e realidade, descritos com a maestria de quem domina sabiamente o campo fértil da literatura em prosa e versos, de forma cativante, empática, conduzindo o leitor a um passeio por espaços e tempos pretéritos povoados de histórias singulares. E nós, autores, lendo seu texto, tão bem tecido, temos a fascinante e orgulhosa sensação de que viajamos nas asas do tempo, e, assim, abrimos, mais uma vez, as portas de nossas saudosas lembranças, deixando desfilar, em nossas mentes de autores, as emoções dos tempos idos e vividos, usando a linguagem machadiana. Além de possibilitar-nos essa imersão às nossas memórias, que deram origem à nossa primeira obra, sua extraordinária e bem sucedida experiência no campo das letras também nos proporciona a necessária segurança e o importante incentivo, na condição de escritores neófitos. Tenha certeza, as suas considerações nos estimulam a continuar nos enveredando pelo mundo das ideias e, humildemente, a vesti-las de palavras transformando-as em prosa e verso. Portanto, nós, os autores de “Bicho de Pé, uma história”, ainda que tardiamente, externamos a você, Sônia Maquiavelli, os nossos agradecimentos pelos seus comentários elogiosos que nos enchem de orgulho, alimentam a nossa memória e eternizam os momentos felizes que vivemos com amigos, amores e familiares. Gratidão eterna e nosso desejo de que continue sempre abençoada com esse dom maravilhoso que você tem de escrever com tanta sabedoria e sensibilidade. Franca, dia 04 de abril de 2021. OS AUTORES Vicente de Paula Silveira José Valdair Costa Rios Paulo César Garcia Francisco Eugenio Nunes Gusso Marco Antônio Guimarães Ruth Maria de Freitas Becker José Carlos Gonçalves Dias
Veja mais Textos

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: , , , , , Data: 30/11/-0001
  • Quina:
    Sorteio: , , , , Data: 30/11/-0001