30 de julho de 2021

Franca

REUNIÃO

Após apresentação do orçamento, parceria entre Prefeitura e IMA fica distante

Hospital pediu quase R$ 14 milhões para implantar leitos de UTI e Enfermaria Covid, mas não detalhou plano de trabalho.

Franca 10/06/2021
N. Fradique
da Redação
Divulgação
Reunião entre Alexandre Ferreira, representantes do IMA e vereadores, quarta-feira, na Prefeitura
Após uma reunião entre diretores do IMA (Instituto Medicina do Além)/Hospital da Caridade e o prefeito Alexandre Ferreira (MDB), nessa quarta-feira, 9, na Prefeitura, a parceria entre o hospital e o poder público, para implantação de leitos para tratamento de pacientes da covid naquela unidade de saúde, ficou mais distante. Um dos entraves seria o prédio, que precisa de adequações - levaria pelo menos dois meses para tudo ficar em condições de funcionamento.
 
Na última terça-feira, 8, a entidade havia protocolado uma proposta de intenção para instalação de 28 leitos para atender pacientes com a doença. De acordo com a proposta, seriam implantados 20 leitos de enfermaria e 8 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) no hospital, contrato firmado através de uma OS. O IMA pediu R$ 13.967.448,00 para um período de 6 meses, o que daria R$ 2.327.908,79 por mês. 
 
Durante a reunião, Alexandre elencou vários itens que precisam ser preenchidos para que o plano de trabalho volte a ser discutido. Uma vistoria da Vigilância Sanitária ao prédio apontou que o local precisa de adequações, entre elas melhorias na tubulação de oxigênio, rampas, acesso para veículos de emergência, ventilação e pisos apropriados. 
 
“Na proposta, o hospital fala de suporte ventilatório, não é UTI, mas também fala que é UTI. Então pedi para eles (hospital) detalharem melhor. Acontece que o prédio não está pronto, não tem como colocar pacientes lá. A Vigilância Sanitária atestou isso. Eles próprios disseram isso aqui, assinaram uma ata afirmando que o prédio não está pronto e que precisa de ajustes”, disse o prefeito Alexandre, nesta quinta-feira, 10.
 
O prefeito acrescentou que espera um plano de trabalho detalhado, como exige a legislação. “O hospital coloca lá: recursos humanos, utilidade pública, compra de equipamentos. Mas precisa detalhar quem são, onde estarão, quantos são, onde eles vão trabalhar, quantos equipamentos são. Se é compra, se é aluguel, qual valor”, questionou. “Não trouxeram o cronograma de obras, quanto vão gastar, o período que vão fazer. Eles apresentam que os leitos seriam instalados em 60 dias. Se precisam de 30 dias para começar e 60 para acabar, é porque realmente o prédio não está pronto”, disse Alexandre.
 
Ao final da reunião, ficou definido que o hospital voltará a apresentar um novo plano de trabalho dentro de sete dias. “Gostaríamos que eles agilizassem o mais rápido possível essas informações e eles pediram sete dias para poder apresentar isso a nós. Esses mais de R$ 13 milhões apresentados, agora, precisam ser detalhados”, finalizou o prefeito.
 
Apesar da negociação de parceria não ter avançado como esperado, o diretor do IMA, João Berbel, disse que a reunião foi produtiva. “Tivemos uma reunião muito proveitosa. Entregamos duas propostas ao prefeito. Uma delas é abrir 8 leitos de UTIs e 20 leitos de enfermaria. A outra é alugar nosso espaço para se tornar uma extensão do pronto-socorro. Vamos organizar para colocar a instituição para funcionar o mais rápido possível”, disse. 
 
O IMA ainda dependerá da Câmara Municipal, que precisa votar um projeto de liberação de regularização do alvará do hospital.
 
Estiveram na reunião com Alexandre Ferreira nesta quarta-feira, no Gabinete da Prefeitura, os diretores do IMA, João Berbel, Wellington Berbel, Cláudia Poubel e o advogado Mansur Jorge Said Filho. Os vereadores Gilson Pelizaro (PT), Marcelo Tidy (DEM), Lurdinha Granzotte (PSL), Ronaldo Carvalho (Cidadania), Kaká (PSDB), Claudinei da Rocha (MDB), Lindsay Cardoso (Cidadania), Ilton Ferreira (PL), Zezinho Cabeleireiro (PP) e Della Motta (Podemos), além do secretário de Saúde, Lucas Souza, e assessores de gabinete.


COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • António
    10/06/2021 3 Curtiram
    Prefeito o valor parece alto, mas divide pelo número de leitos, pela quantidade de dias e veja quanto ganha um médico plantonista, sem falar da alimentação, lavanderia, limpeza e descartáveis. Não está fora da realidade.
    • Felipe
      10/06/2021 2 Curtiram
      Veja bem, existem dois tipo de leitos: Semi intensiva e enfermaria. Cada leito possui um custo e consequentemente merecem um percentual do valor de acordo com sua complexidade.
  • Paulo
    10/06/2021
    Sinceramente, o prefeito não quer usar o IMA, fica criando empecilhos, pq o Gilson conseguiu?
    • Felipe
      10/06/2021 1 Curtiu
      Porque o Gilson foi super competente em tudo né?
    • Alex
      11/06/2021
      E por que o Girsu está sendo processado?
  • Oliveira
    10/06/2021 1 Curtiu
    14 milhões??? Kkkkkkk Tá de brincadeira, Hospital da Caridade? Onde? Sem plano de trabalho? Acha que somos trouxa mesmo, isso é Brasil.....
  • Bom senso!!
    10/06/2021 3 Curtiram
    O que Franca precisa é de vacina. Precisamos de um governo que lute para intensificar a vacinação dos moradores da cidade. Precisamos voltar às nossas rotinas. Franca só retornará a real normalidade com a vacinação. Essa estória de pleitear leitos não resolve o problema da cidade, além de acarretar mais ônus. Simples assim....
  • Leila
    10/06/2021
    Estão dificultando muito as coisas , a vida das pessoas não tem preço
  • Mônica Nascimento Lobato Carrijo
    10/06/2021 4 Curtiram
    Fico observando essa situação entre o I.M.A e a Prefeitura desde o começo. É lamentável essa situação. Numa situação em que estamos vivendo com tantas mortes por covid, pq os responsáveis pelo Hospital de caridade não dá o hospital pra prefeitura instalar esses leitos sem cobrar nada. A Prefeitura seria responsável por toda reforma e instalação, sem pagar nada ao hospital e seria feito um contrato pra usar o espaço por um determinado tempo. Depois que vencesse esse prazo, voltam a conversar. É um hospital de caridade e da Religião Espírita, cuja religião prega tanto a caridade e agora querem cobrar milhões de reais pra usar o espaço que foi construído através dd doações. Não estou entendendo cobrar isso. Cada o dor e a caridade que vcs pregam. Acorda pra vida gente. Cada dia morre mais gente e vcs pensando em dinheiro. Que Deus abençoe todos nós
    • ROSINEI Cristina Kalil
      10/06/2021
      Boa noite. Vc traduziu tudo o que queriamos falar. Aonde está a caridade um olhar de comisseraçao para com o outro. Vamos said dessa. Se Deus quiser.
    • Fred
      11/06/2021
      O valor é para manter os atendimentos, custo operacional, pagar os médicos, enfermeiros, oxigênio etc.
  • Cidadão Francano
    10/06/2021 3 Curtiram
    O problema é ninguém entender que os valores envolvidos são para as adequações que a própria prefeitura exige enquanto pessoas morrem em cadeiras. Será que se a vigilância visitasse as unidades de saúde pública estariam todas em perfeitas condições? O hospital não quer o dinheiro para uso próprio, dispôs de uma estrutura melhor que muita unidade de saúde e a prefeitura coloca entraves a todo momento, enquanto isso várias pessoas morrendo por dia sem receber direitos básicos: direito a saúde, dignidade e respeito. O prefeito que é a autoridade com poder de decisão com uma postura dúbia que a cada hora diz uma coisa, a população
  • Gerardo Prado
    10/06/2021
    Mais barato comprar leito no Einstein kkkkkkk
  • Paulo
    11/06/2021
    Prefeito pq Franca não participou do dia D de vacinação? Outros prefeitos tiveram competência em receber as vacinas ?
  • Maria
    11/06/2021
    Se , está faltando leito , porque não se unirem, o prefeito e o IMA, pra salvarem essas vidas ? A União faz a força, e onde foi a verba do governo federal, que foi repassado à prefeitura pra custear o Covid?? Achou que está faltando união pra salvar vidas. Muito triste precisar da saúde aqui , e que não é o caso de nenhum de vocês! Precisam se entenderem, o hospital (IMA) teve ajuda de muitos que estão morrendo agora, o de está o reconhecimento??? Concordo com aqueles que acham que eles deviam passar pra prefeitura se responsabilizar pelos gastos e atender quem está precisando, falta flexibilidade e amor, todos estão endurecidos e sem compaixão!! Muito triste isso, se existe ima diretoria, é porque foram votados e se existe um prefeito, é porque foi eleito pelo povo .
Veja mais Local

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: , , , , , Data: 30/11/-0001
  • Quina:
    Sorteio: , , , , Data: 30/11/-0001