29 de novembro de 2021

Opinião

OPINIÃO - GUILHERME CORTEZ

O que vem depois da poeira?

Na última semana, Franca virou notícia no Brasil e no mundo inteiro. Infelizmente, não por um grande feito ou motivo de orgulho, mas devido à assustadora tempestade de terra. As imagens da nuvem de poeira quilométrica invadindo a cidade foram destaque nos principais meios de comunicação do país e na imprensa internacional. Mais do que um fenômeno meteorológico inusitado, a tempestade de terra foi sintoma de uma profunda crise ambiental vivida na nossa região e em todo o mundo. O habub, como é conhecido esse evento, é comum em regiões desérticas do globo.

Opinião 02/10/2021
Guilherme Cortez
especial para o GCN
Na última semana, Franca virou notícia no Brasil e no mundo inteiro. Infelizmente, não por um grande feito ou motivo de orgulho, mas devido à assustadora tempestade de terra que engoliu vários municípios da região no domingo passado. As imagens da nuvem de poeira quilométrica invadindo a cidade foram destaque nos principais meios de comunicação do país e na imprensa internacional.

Mais do que um fenômeno meteorológico inusitado, a tempestade de terra foi sintoma de uma profunda crise ambiental vivida na nossa região e em todo o mundo. O habub, como é conhecido esse evento, é comum em regiões desérticas do globo, como o deserto do Saara, a República do Sudão, a Península Arábica e o sul dos Estados Unidos.

O fato de que um fenômeno corriqueiro no deserto do Saara tenha acontecido nos interiores de São Paulo e Minas Gerais é prova de que não há nenhuma normalidade no que estamos vivendo. Há semanas, a população de Franca tem sido castigada com o racionamento de água devido à seca do Rio Canoas, que abastece a cidade, enquanto grandes focos de queimadas devastaram as zonas rurais de Batatais e Restinga e cobriram o céu da região com fumaça. Agora, a poeira. Quem acha que não há nada de errado está fora de consciência.

Um conjunto de fatores provocou a tempestade que cobriu a cidade – todos relacionados à crise ambiental que estamos vivendo. No domingo passado, massas de ar frio trazendo a chuva encontraram o solo da região descoberto e completamente seco, fruto das altas temperaturas, baixa umidade, queimadas, desmatamento e do uso de práticas agrícolas ultrapassadas, como a monocultura e o revolvimento. A passagem do inverno para a primavera costuma ser um período seco e muito quente por aqui. Mas, ano após ano, os termômetros sobem e a umidade baixa. Fruto disso, o Rio Canoas enfrenta uma estiagem histórica e não está sendo capaz de abastecer toda a população da cidade.

O estado de São Paulo está localizado na mesma latitude dos desertos do Kalahari, da Namíbia e da Austrália. A única coisa que separa nossa região do clima desértico é a umidade conduzida da Amazônia pelas massas de ar (conhecidas como “rios aéreos”). Contudo, o Brasil sob o governo de Jair Bolsonaro está batendo recordes de desmatamento e queimadas da floresta. Sem a Amazônia, o Sudeste fica seco, avança a desertificação e fenômenos como o habub e a falta de água se tornam comuns.

O planeta Terra está prestes a atingir a marca de 1,5 ºC mais quente do que antes do início da industrialização no mundo. Embora pareça um número insignificante, cientistas e estudiosos do clima apontam que esse aumento representaria consequências trágicas para o futuro da vida humana. Queimadas, secas, enchentes, alagamentos, desabastecimento de água e alimentos, epidemias e má qualidade do ar se tornariam frequentes nas nossas vidas.

Por muito tempo, tudo isso pareceu uma realidade distante, papo de “ecochatos” ou qualquer coisa que o valha. Infelizmente, não podemos nos esconder mais atrás desses comodismos. O clima está, literalmente, jogando tempestades de terra e areia sobre nossas casas, secando nossas torneiras e queimando fazendas diante dos nossos olhos.

Da mesma forma como somos responsáveis por termos chegado a essa situação, podemos ser por evitar desfechos catastróficos. O primeiro passo é reconhecer a realidade. A pandemia nos mostrou que o negacionismo não é bom conselheiro. Nesse sentido, várias cidades do mundo decretaram estado de emergência climática, como forma de reconhecer os impactos do aquecimento global e se comprometerem a reverter seus efeitos. O prefeito de Franca deveria seguir esse exemplo.

Para deter as mudanças no clima, precisamos substituir nossa atual matriz energética a base de petróleo e carvão por fontes renováveis, limpas e não poluentes, além de interromper as queimadas e o desmatamento das nossas áreas verdes. Podemos fazer a nossa parte na região.

Muitas pessoas notaram a semelhança entre a tempestade do último domingo com as queimadas permanentes do filme Interestelar. No longa, os protagonistas procuram alternativas para a sobrevivência da espécie humana em outros planetas. Até agora, não temos notícias e nem tecnologia suficiente para transpor nossa sociedade para outros astros. Ao contrário dos personagens, não temos outra saída além de evitar que as consequências das mudanças climáticas se tornem uma ameaça para o nosso futuro.

Guilherme Cortez
é advogado.



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Leitor
    31/12/1969 10 Curtiram
    Materia politicamente tendenciosa. GCN@GLOBO.COM
  • Gustavo
    31/12/1969 1 Curtiu
    Parabéns pela matéria ,nada além da verdade ,pena o poder legislativo não mover uma colher em favor a natureza
  • Marcos
    31/12/1969 8 Curtiram
    Bom dia, é culpa do clima tacarem fogo proposital em pastos e fazendas ? Sempre foi assim e não é por conta de Bolsonaro para de ficar politizando tudo amigo , não é pra ser imposto nada , nem opinião . Respeito é via de mão dupla.
  • Cleuber Alves de Sousa
    31/12/1969 9 Curtiram
    Um advogado cientista, não disse advogado e cientista, realmente estamos nos tempos dos especialistas em tudo!!! Os dados apresentados são apenas de um lado. Por davor busquem os trabalhos do Prof. Luis Carlos Molion, especialista em clima e analisem, não fiquem só com um lado.
  • Lee Santana
    31/12/1969
    É ISSO AI MOÇADA, BORA DESTRUIR O POUQUINHO DE VERDE QUE EXISTE E CONSTRUIR ARRENHACEÚS E FAZER PASTAGENS, DEPOIS QUE TUDO ACABAR A GENTE RECLAMA COM DEUS !!!!
  • Andre
    31/12/1969 8 Curtiram
    Mano! Os jornas conseguiu associar Bolsonaro com os fenômenos climáticos! Mas precisou de uma baita mentira, comumente chamada de #FakeNews, para tal, pois com a verdade o autor do texto de opinião/militância política não se sustenta, basta uma visita no site do INPE para constatar a mentira deslavada do Guilherme Cortez. É muito despeito e paixão pelo presidente, só pode ser isso!
  • Márcio Silva
    31/12/1969
    Ótimo texto. O assunto é preocupante é exige providências imediatas. Parabens ao autor!
  • Leonel alves de freitas
    31/12/1969 9 Curtiram
    Pronto a culpa da nuvem de poera e do bolsonaro kkkkk so falta culpa os agricultor de coloca comida na sua boca tambem tal do esquerdista nao tem dialogo esquece
  • André
    31/12/1969 2 Curtiram
    Esse mlk é chato demais, ainda bem que não se elegeu vereador
  • Antonio
    31/12/1969 1 Curtiu
    Esse artigo bateu o recorde...mais idiota, impossível. Más está publicado no lugar correto ...
  • Cidadão de Bem
    31/12/1969 2 Curtiram
    Nosso plano continua funcionando a contento. Meu Mito espalhará a desgraça onde quer que ele toque, até não sobrar mais nada. Só assim evitaremos o \"comunismo\". Vamos destruir tudo para que não reste mais nada para eles. Estamos no caminho certo, com as bênçãos de Deus.
  • Desacreditada
    31/12/1969
    Como as pessoas comentando ainda continuam atacando o que não interessa? Achei que a burrice é cegueira por escolha fosse até certo ponto, mas aparentemente eles podem virar mendigos, passar sede, fome, perder a família toda queimada em casa e vão continuar adorando um homem que só destrói o país. E o mundo todo está errado, é inacreditável como a mentalidade de um brasileiro bolsonarista se volta para si mesmo. Uma conspiração contra eles, coitados né? Acho assustador que a lavagem cerebral continua firme e forte, nada a derruba. Não sei mais o que fazer porque se você discorda do governo já automaticamente é considerado esquerdista e adora o Lula. É como se essa polarização extremista não fosse imbecil em primeiro lugar.
Veja mais Artigos

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: , , , , , Data: 30/11/-0001
  • Quina:
    Sorteio: , , , , Data: 30/11/-0001