RECEITAS DA SONIA

RECEITAS DA SONIA

Brownie

Brownie

Para quem olha pela primeira vez um pedaço de brownie, a impressão que tem é a de um bolo solado, que não cresceu por falta de fermento. Para quem experimenta, é uma delícia que as pupilas gustativas acusam de imediato. O sabor do chocolate associado à baunilha e o contraste da casquinha seca e quebradiça com o interior cremoso são associações que parecem acessar a área do cérebro responsável pela recompensa. Quem disse que a gente come só um?

Para quem olha pela primeira vez um pedaço de brownie, a impressão que tem é a de um bolo solado, que não cresceu por falta de fermento. Para quem experimenta, é uma delícia que as pupilas gustativas acusam de imediato. O sabor do chocolate associado à baunilha e o contraste da casquinha seca e quebradiça com o interior cremoso são associações que parecem acessar a área do cérebro responsável pela recompensa. Quem disse que a gente come só um?

Por Sonia Machiavelli | 08/10/2021 | Tempo de leitura: 3 min
especial para o GCN

Por Sonia Machiavelli
especial para o GCN

08/10/2021 - Tempo de leitura: 3 min

Ingredientes

 

  • 1 xícara (chá) de açúcar refinado
  • 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
  • 3 xícaras (chá) de chocolate em pó ou achocolatado
  • 200 gramas de manteiga sem sal
  • 4 ovos
  • 4 colheres (sopa) de nozes picadas (opcional)

Para quem olha pela primeira vez um pedaço de brownie, a impressão que tem é a de um bolo solado, que não cresceu por falta de fermento. Para quem experimenta, é uma delícia que as pupilas gustativas acusam de imediato. O sabor do chocolate associado à baunilha e o contraste da casquinha seca e quebradiça com o interior cremoso são associações que parecem acessar a área do cérebro responsável pela recompensa. Quem disse que a gente come só um?

Reza a lenda que ele surgiu na cozinha de uma dona de casa norte-americana que se esqueceu de juntar fermento ao bolo de chocolate. É bem plausível; muitas receitas que se tornaram conhecidas por agradarem a amplo leque de pessoas apareceram na mesa depois de um erro que as transformou em clássicos. É o caso da torta de maçã dos franceses, que só é o que é porque uma das irmãs Tatin a derrubou na grelha logo que a retirou do forno. Há muitos exemplos na culinária dos povos onde acidente, descuido ou equívoco criam novas formas de apresentar uma receita até então tradicional.

De toda forma, sempre teremos o Larousse Gastronomique para nos informar oficialmente quando uma nova versão surgiu. No caso do brownie, a respeitável publicação nos conta que a primeira referência apareceu no jornal “New England”, em 1896. Mas a receita só seria publicada no livro de culinária “The Boston Cooking- School CookBook”, de Fannie Merritt Farmer, em 1906. Já era então muito consumido e caminhava para se tornar uma das três sobremesas mais apreciadas no cardápio dos norte-americanos, quando servido com sorvete ou frutas. Sem acompanhamentos, tornou-se comum no café da manhã, no lanche da tarde, depois do jantar, à noite, quando batia a vontade de comer algo doce. .

Farinha, manteiga, chocolate, açúcar e ovos são os ingredientes tradicionais da receita de brownie. Existem muitas variações pelo mundo, em sua maioria alterando a quantidade de chocolate e acrescentando nozes e outros tipos de castanhas. Muitos chefes utilizam complementos diferentes, como calda de damasco, maracujá e framboesa. Você pode servir junto com outras coberturas, como sorvete de creme e calda quente de chocolate. Mas sozinho ele já é uma iguaria deliciosa. E muito fácil de preparar.

Numa tigela coloque o açúcar e os ovos e bata com o fouet ou garfo. Junte a manteiga derretida- mas não quente. Volte a mexer. Acrescente aos poucos a farinha e depois o chocolate ou o achocolatado. Mexa até ficar bem homogêneo. Se quiser juntar nozes picadinhas ou outras frutas secas essa é a hora. Volte a misturar para que elas se entranhem na massa. Coloque na forma untada com manteiga e polvilhada com farinha misturada com chocolate em pó.

Leve ao forno a 180 º, preaquecido. Asse por vinte minutos. Duas observações. Primeira: a assadeira deve ser pequena para essa quantidade de massa, tipo 25x15x4cm. Se for grande, a massa se espalha demais e não dá certo. Segunda: para ver se está assado, não vale a prova do palito, pois o brownie é bem úmido por dentro. Então, fique atenta(o) ao tempo, não mais de 25 minutos. Quando perceber que a casquinha se formou, está no ponto. Depois de morno, corte em quadrados ou retângulos, na própria forma. Depois me conte se não é uma delícia.

Ingredientes

 

  • 1 xícara (chá) de açúcar refinado
  • 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
  • 3 xícaras (chá) de chocolate em pó ou achocolatado
  • 200 gramas de manteiga sem sal
  • 4 ovos
  • 4 colheres (sopa) de nozes picadas (opcional)

Para quem olha pela primeira vez um pedaço de brownie, a impressão que tem é a de um bolo solado, que não cresceu por falta de fermento. Para quem experimenta, é uma delícia que as pupilas gustativas acusam de imediato. O sabor do chocolate associado à baunilha e o contraste da casquinha seca e quebradiça com o interior cremoso são associações que parecem acessar a área do cérebro responsável pela recompensa. Quem disse que a gente come só um?

Reza a lenda que ele surgiu na cozinha de uma dona de casa norte-americana que se esqueceu de juntar fermento ao bolo de chocolate. É bem plausível; muitas receitas que se tornaram conhecidas por agradarem a amplo leque de pessoas apareceram na mesa depois de um erro que as transformou em clássicos. É o caso da torta de maçã dos franceses, que só é o que é porque uma das irmãs Tatin a derrubou na grelha logo que a retirou do forno. Há muitos exemplos na culinária dos povos onde acidente, descuido ou equívoco criam novas formas de apresentar uma receita até então tradicional.

De toda forma, sempre teremos o Larousse Gastronomique para nos informar oficialmente quando uma nova versão surgiu. No caso do brownie, a respeitável publicação nos conta que a primeira referência apareceu no jornal “New England”, em 1896. Mas a receita só seria publicada no livro de culinária “The Boston Cooking- School CookBook”, de Fannie Merritt Farmer, em 1906. Já era então muito consumido e caminhava para se tornar uma das três sobremesas mais apreciadas no cardápio dos norte-americanos, quando servido com sorvete ou frutas. Sem acompanhamentos, tornou-se comum no café da manhã, no lanche da tarde, depois do jantar, à noite, quando batia a vontade de comer algo doce. .

Farinha, manteiga, chocolate, açúcar e ovos são os ingredientes tradicionais da receita de brownie. Existem muitas variações pelo mundo, em sua maioria alterando a quantidade de chocolate e acrescentando nozes e outros tipos de castanhas. Muitos chefes utilizam complementos diferentes, como calda de damasco, maracujá e framboesa. Você pode servir junto com outras coberturas, como sorvete de creme e calda quente de chocolate. Mas sozinho ele já é uma iguaria deliciosa. E muito fácil de preparar.

Numa tigela coloque o açúcar e os ovos e bata com o fouet ou garfo. Junte a manteiga derretida- mas não quente. Volte a mexer. Acrescente aos poucos a farinha e depois o chocolate ou o achocolatado. Mexa até ficar bem homogêneo. Se quiser juntar nozes picadinhas ou outras frutas secas essa é a hora. Volte a misturar para que elas se entranhem na massa. Coloque na forma untada com manteiga e polvilhada com farinha misturada com chocolate em pó.

Leve ao forno a 180 º, preaquecido. Asse por vinte minutos. Duas observações. Primeira: a assadeira deve ser pequena para essa quantidade de massa, tipo 25x15x4cm. Se for grande, a massa se espalha demais e não dá certo. Segunda: para ver se está assado, não vale a prova do palito, pois o brownie é bem úmido por dentro. Então, fique atenta(o) ao tempo, não mais de 25 minutos. Quando perceber que a casquinha se formou, está no ponto. Depois de morno, corte em quadrados ou retângulos, na própria forma. Depois me conte se não é uma delícia.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.