29 de novembro de 2021

Gazetilha

GAZETILHA

Cruel, brutal e covarde

Não será nenhum espanto se quando alcançar a idade de Thábata Gonzales, seu algoz, Douglas Teixeira, já esteja livre. Poderá seguir com sua vida por décadas, abraçar seus pais, encontrar-se com amigos, ter filhos e assisti-los crescer, confortando-os diante dos desafios que sempre surgem na trajetória de qualquer um. Tudo isso ele arrancou de Thábata, hoje sepultada debaixo de sete palmos.

Gazetilha 21/11/2021
Corrêa Neves Jr.
Editor do GCN

“Há pouca razão nas armas”
Virgílio
, poeta romano

A madrugada da última quinta-feira, 18 de novembro, serviu de palco para um dos mais bárbaros e estúpidos crimes praticados em Franca nos últimos anos. Douglas Teixeira, um policial militar de 29 anos que participava das forças especiais da corporação, rumou até o jardim Piratininga, onde morava sua ex-mulher, Thábata Gonzales, uma analista financeira de 34 anos, e a matou, muito provavelmente, com um único disparo na cabeça.

No momento do assassinato duas crianças, filhas de Thábata, dormiam na casa. Douglas colocou o corpo da analista financeira no carro dela e seguiu para uma chácara onde vivem os pais dele, na rodovia que liga Franca a Claraval, deixando as duas crianças entregues à própria sorte.

Na tal chácara, quando já surgiam no horizonte os primeiros raios de sol, contou o que tinha feito, pegou a caminhonete do pai, largou o carro da ex-mulher com seu cadáver dentro e fugiu. O “machão” que adorava postar fotos sem camisa exibindo armas e músculos em redes sociais não teve coragem de enfrentar as consequências de seus atos. Como um rato, saiu correndo e escondeu-se num buraco qualquer, numa tentativa tosca, registre-se, de escapar do flagrante e evitar as grades da prisão.

Douglas acabou se entregando na tarde de sexta-feira, 36 horas depois do assassinato que cometeu. Estava acompanhado de um advogado. Apelou à Constituição para permanecer em silêncio e ignorou, solenemente, quaisquer esclarecimentos ao delegado.

Saiu de lá, quando já anoitecia, direto para o presídio Romão Gomes, unidade destinada a policiais que cometem crimes, na zona norte da capital, após a decretação de sua prisão temporária pela Justiça. Não viajou na caçamba onde costumam ser transportadas pessoas que fazem aquilo de que é acusado de ter feito. Estava sentado no banco de trás, escoltado por PMs que até horas antes eram seus companheiros de trabalho. Alguns, certamente, seus amigos.

Muitas dúvidas ainda cercam o caso, e o silêncio do “machão” covarde em nada ajuda a esclarecer. Não se sabe, por exemplo, se a ação foi premeditada, pensada, ou uma explosão de ira num momento de discussão. Ninguém tem ideia de por que ele foi até a casa da ex por volta de 5h da madrugada – pode ser que desde o início ele planejasse matá-la; pode ser que pensasse em estuprá-la, como ela já havia dito que ele fizera tempos antes, o que motivou o registro de um boletim de ocorrência; pode ser que se achasse no direito de infernizar sua vida.

Ignora-se, por enquanto, se ao chegar na casa dos pais e narrar o que tinha feito, foi aconselhado a se entregar imediatamente ou se encontrou respaldo para fugir e tentar evitar a prisão. Tampouco se sabe quem ofereceu abrigo ao assassino, armado e perigoso, que podia ter tirado a vida de mais alguém, durante um dia e meio.

Sobretudo, e mais importante ainda neste caso em particular, segue um mistério absoluto as circunstâncias em que foi escrita e enviada uma mensagem, supostamente por Thábata, para sua mãe. No texto, encaminhado às 5h23 da madrugada de quinta-feira, 18, Thábata ensaia uma despedida e pede que a mãe cuide de seus fiilhos, além de declarar amor a alguns familiares. “Mãe, cuide bem das crianças, proteja com unhas e dentes, como a mãe maravilhosa q vc sempre foi. Gratidão por nossa família”, diz. “Mãe, busca as crianças assim que você acordar. Eles estão sozinhos e eu não estarei mais aqui”, continua. O texto completo e a reprodução da mensagem podem ser conferidos neste link.

Quem lê a mensagem descolada dos fatos imagina se tratar da despedida de uma suicida, o que, sabe-se, não foi o caso. Assim, restam duas hipóteses, ambas medonhas, para qual a origem da estranhíssima mensagem. Na primeira, Douglas Teixeira obrigou-a a escrevesse uma mensagem aos pais antes de matá-la. Na segunda, o próprio Douglas escreveu o texto e enviou depois de ter matado sua antiga companheira. Nas duas alternativas, parece claro que o objetivo do “machão” era atribuir a autoria do crime à própria vítima, numa tentativa, patética, de evitar ser responsabilizado. Em qualquer uma das opções, é pavoroso constatar o tipo de gente que anda por aí autorizada a portar armas. Caráter passou longe. Decência, inexiste. Misericórdia, Douglas não sabe o que é. E amor é sentimento que, de fato, parece nunca ter experimentado.

Espera-se que, ao final do inquérito policial, o delegado Márcio Murari, chefe da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), tenha conseguido responder estas dúvidas e muitas outras. Um inquérito sólIdo é meio caminho andado para que o Ministério Público possa oferecer uma denúncia robusta que permita, num julgamento justo, chegar ao único veredicto possível: culpado.

Ainda assim, que ninguém espere que Douglas Teixeira apodreça na cadeia. Isso simplesmente não vai acontecer por uma série de circunstâncias que fazem do Brasil um dos países com as maiores distorções no sistema penal do mundo. Assassinos como Douglas Teixera, ainda que tenham tirado a vida de suas vítimas com extrema crueldade e covardia, mesmo que sejam tipificados com todos os agravantes possíveis, raramente são condenados a mais de 20 anos de cadeia.

Considerados todas as atenuantes e progressões aplicáveis, é virtualmente impossível que quem mate uma pessoa chegue a ficar dez anos preso. O mais provável é que permaneça cinco ou seis anos atrás das grades, pouco mais, pouco menos. Será assim com Douglas Teixeira.

Não será nenhum espanto se quando alcançar a idade de Thábata Gonzales, seu algoz, Douglas Teixeira, já esteja livre. Poderá seguir com sua vida por décadas, abraçar seus pais, encontrar-se com amigos, ter filhos e assisti-los crescer, confortando-os diante dos desafios que sempre surgem na trajetória de qualquer um. Terá a chance de amar e ser amado, de se emocionar, de sorrir e chorar. Terá tempo até de se arrepender.

Nenhuma dessas opções poderá ser exercida por Thábata graças à atrocidade cometida por Douglas. O tempo que passará na cadeia é nada diante do mal que causou. Ficar encarcerado até o último dos seus dias seria a opção válida, mas no nosso Brasil, inexiste prisão perpétua - mesmo em casos onde o condenado tenha punido a vítima com a pena de morte sem julgamento ou direito a defesa, como Douglas fez com Thábata.

É preciso extrair de tragédias como o feminicídio de Thábata Gonzales algumas lições. Ela não foi a primeira e não será a última. Fico me perguntando quantos outros casos como este teremos que assistir até que se faça uma profunda revisão no código penal, passando também por uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) para permitir que em casos como este seja aplicável a prisão perpétua. Sem direito a progressões, a visitas íntimas, a saidinhas, ou a quaisquer benefícios que signifiquem liberdade. Gente como Douglas Teixeira merece - e precisaria - apodrecer na cadeia. Até o seu último suspiro.

Também me angustia muito imaginar quantos outros cadáveres terão que ser empilhados até que essa sociedade que cultua armas e violência, que exalta o machismo e a posse, como se mulheres fossem propriedades de homens, entenda o absurdo desta premissa. Ninguém é de ninguém. As pessoas amam, namoram e se relacionam num pacto que precisa ser mútuo. Quando um não mais quer, cabe ao outro respeitar. Vale lutar pelo amor, vale tentar resgatar, vale procurar conquistar - só não vale impor, exigir, condicionar, muito menos obrigar.

As famílias e as escolas precisam urgentemente se envolver nesta discussão, assim como as igrejas, numa profunda reflexão sobre as implicações práticas do "até que a morte nos separe", que precisa ser atualizada para os tempos que vivemos. Nenhum casamento, nenhuma relação deve ser mantida se um de seus participantes assim não deseja mais. É simples e óbvio como tem que ser. "Thabátas" não podem seguir morrendo porque outros "Douglas" não aceitam o término do relacionamento. Crianças não podem ficar órfãs porque o namorado da mãe assim decidiu.

Douglas Teixeira aprontou uma desgraceira, destruiu a vida de muita gente e comprometeu o futuro de duas crianças. É indigno, injusto e imoral que a ele seja reservado, como será, a chance de recomeçar. Que fique registrado: Douglas Teixeira, 29 anos, não é apenas uma pessoa que "errou", mas um assassino brutal e cruel. Erros podem ser reparados; o dele, não. Por isso, chamá-lo do que ele é significa reservar o mínimo respeito pela memória de Thabata Gonzales. Hoje e para sempre, Douglas Teixeira deve ser lembrado e conhecido como o assassino que se tornou. 

Corrêa Neves Jr é jornalista e editor do GCN



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Mag
    31/12/1969
    Assassino covarde. Tinha que ser bolsonarista...
  • José Alves Filho
    31/12/1969
    MATERIA LUCIDA E EDUCATIVA , MUITO BEM ESCRITA , AS MULHERES DESSE PAIS QUE TANTO SE EVOLVEM EM QUESTÕES POLITAS , ENVOLVIDAS NA BANDEIRA NACIONAL , DEVERIAM SE UNIR E PRECIONAR O CONGRESSO NACIONAL PRISÃO PERPÉTUA EM CASOS DE FEMINICIDIO, SE UNAO MELHERES PARA UM BEM COMUN VERDADEIRO , EM FAVOR DAS SUAS PRÓPRIAS VIDAS !
  • Carlos Roberto Almeida Prado
    31/12/1969 3 Curtiram
    Esse é o elemento que, até pouca horas antes de assassinar a mãe de seus filhos, era autoridade fardada, armada e tida como defensor das leis e da sociedade, doutrinado para Servir e Proteger, escolhido como preparado e bem treinado e, como eles próprios dizem, a melhor polícia do país imagino se não fosse. E agora?, está em um spa destinado aos da sua corporação, come, bebe, dorme, se exercita, tem visitas, apoio psicológico para a tragédia que, diga-se de passagem, foi ele mesmo que causou. E assim caminha a humanidade, uns matam, outros morrem, e bola pra frente, não é assim a coisa??.
  • Fabiano
    31/12/1969 1 Curtiu
    Infelizmente o sistema penal desse país não puniu o verme do Lula,,não punirá esse verme assassino e nenhum outro,,,seja o bolsonaro ou quem for,,no Brasil a criminalidade e a corrupção é o q impera....tenhamos esperança que um dia isso mude,,,coisa que é difícil,,pra não dizer impossível.....
  • Márcia Gonzales
    31/12/1969 3 Curtiram
    Assassino frio e cruel. Quantas vítimas ainda será capaz de fazer? Quando sair e entrar em outro relacionamentos aceitará o fim ou continuará matando, quando mostrar sua verdadeira face e for rejeitado. Precisamos lutar por justiça, para que ele não tenha a chance de fazer novas vítimas. #thabatagonzales
  • Leone alves de freitas
    31/12/1969 1 Curtiu
    Ta certo esse cara e um baita filho da puta merece passa o resto da vida na cadeia com certeza mais que tal nao faze essa tragedies de palanque amigo menos political e mais respeito
  • Sou eu
    31/12/1969 1 Curtiu
    Sem comentários pra esse tira de merda covarde calculista e frio isso serve para alguns que apoiam esse governo que acha que arma é a solução de tudo esse monstro destrui uma família não generalizando a polícia militar que faz um grande trabalho na cidade mais esse ai douglas Teixeira precisa ser lembrado sempre pela sua arrogancia crueldade e frieza cometida pelo seus atos descanse em paz thabata .e seus familiares e fillhos que Deus conforte o coração de todos vcs
  • Darsio
    31/12/1969
    Em menos de dois meses, tivemos em Franca, duas pessoas assassinadas por policiais. Já se passou da hora de termos exames mais rígidos na contratação de policiais, sobretudo no que se refere aos de natureza psicológica. Na sociedade existem muito machões que se veem os donos de suas namoradas ou esposas. As tratam como mercadorias para uso e abuso. E, desse nicho temos visto que saem policiais, como esse vagabundo que acabara de assassinar sua ex-esposa. Reconhecemos que existem policiais corretos e que devem ser valorizados , mas não vamos bancar os idiotas e acreditar que também não existem os potenciais praticantes de feminicídios.
  • Gabiroba
    31/12/1969
    E o pior é saber tá cheio de machão (como este) armado legalmente por aí. Da medo de saber que uma população está se armando para se \"defender\" caso precise. Ou será que estes portadores de armas não usaria. Suas pistolas em um desentendimento, num calor de uma briga de trânsito ou simplesmente numa situação de stress ou medo... Muito triste por mais este feminicidio, e por saber que era um policial. Lamentável.
  • Maria Helena de OliveiraViana
    31/12/1969 1 Curtiu
    Parabéns Correa Neves pela matéria, concordo plenamente com tudo até quando vai acontecer esses crimes e ficar impune, precisa rever com urgência o código penal, prisão perpétua para esses assassinos covardes. Que apodreçam na prisão. Indignada.
  • lazara
    31/12/1969
    e brasil naõ ha leis, enfelismente,logo estara livre, quanta maldade, fraco em naõ aceitar o fim,
  • Tania Bertoni
    31/12/1969 1 Curtiu
    Infelizmente,ela será mais um número nas estátiscas.Essa tal prisão temporária,não deveria existir.Meu filho perdeu a vida de uma maneira Brutal,e os assassinos???? apenas um foi preso,isso pq ele já havia sido preso temporariamente,saiu emum dia,e sete dias depois matou meu filho em um assalto.
  • Delson Alves Pereira
    31/12/1969
    Brasil pais da impunidade LAMENTAVEL
  • Adriano
    31/12/1969
    Infelizmente mais uma tragédia que ocorre através de arma de fogo. E ainda tem gente que defende a idéia de que qualquer um possa ter arma. Se um policial, que supostamente recebeu treinamento, acompanhamento psicológico e tudo mais, exatamente para evitar que isso acontecesse, acabou fazendo isso, imagina o que um cidadão comum, sem nenhum tipo de treinamento ou acompanhamento psicológico pode fazer andando armado? Não é armando a população que vamos conseguir diminuir a criminalidade. É investindo em educação, em emprego, dando melhores condições de segurança, treinando melhor nossa polícia e também dando a ela melhores condições de trabalho, que vamos conseguir fazer isso.
Veja mais Corrêa Neves Jr

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: , , , , , Data: 30/11/-0001
  • Quina:
    Sorteio: , , , , Data: 30/11/-0001