29 de novembro de 2021

Franca

SAÚDE NA UTI

Secretário promete mais cadeiras e bancos no PS Infantil; superlotação deve persistir

Dificuldade na contratação de médicos é um dos motivos do gargalo no Pronto-Socorro Infantil "Dr. Magid Bachur Filho".

Franca 5 dias atrás
Higor Goulart
da Redação
Higor Goulart/GCN
Mais de 50 crianças e seus pais aguardavam por atendimento com os mais diversos sintomas, na manhã desta quarta-feira

Crianças e pais sentados no chão. Cadeiras completamente ocupadas. Dificuldade em transitar no local. Essa é a dura realidade do Pronto-Socorro Infantil "Dr. Magid Bachur Filho" nas últimas semanas. Não diferentemente desse panorama, nesta quarta-feira, 24, mais de 50 crianças aguardavam por atendimento na unidade com os mais diversos sintomas.

Como essas crianças precisam estar acompanhadas de seus responsáveis, o salão do PSI (Pronto-Socorro Infantil) não foi capaz de comportar todos durante a manhã. Por isso, muitos pais tiveram que esperar com seus filhos na parte externa, que não conta com cobertura e tem poucos bancos para se sentarem. Uma única opção: sentar no chão, para não ter que ficar de pé.

A situação tem sido tão preocupante na unidade, que o secretário de Saúde Municipal, Lucas Souza, chegou cedo no Pronto-Socorro Infantil. Por volta das 7 horas, já estava no local para acompanhar o movimento e o trabalho médico. “Logo que cheguei, passou meia hora e chegaram 15 crianças para atendimento. Então, é uma demanda muito grande. Estão chegando em média por hora de 20 a 22 crianças ”, disse o secretário.

Nas palavras do secretário, atualmente não justifica expandir o Pronto-Socorro Infantil. "Pretendemos instalar mais bancos na parte externa. Teremos também a chegada de mais longarinas (bancadas de cadeiras) para recepção, para acomodarmos. Mas, quando a gente aumenta a equipe, a recepção comporta", disse Lucas.

Nem mesmo uma equipe de quatro médicos dedicados ao atendimento no período da manhã, além de um outro que chegou depois, foi capaz de resolver a situação nesta quarta-feira de manhã. A espera era ainda, em média, de quase duas horas.

E esse pesadelo no PSI tem se repetido há semanas. Os números de atendimento são tão elevados, com uma média de 450 crianças atendidas por dia, que é possível se comparar com o pico de atendimento no Pronto-Socorro "Dr. Álvaro Azzuz" no auge da pandemia. “A gente tem percebido um número muito alto de atendimentos no Pronto-Socorro Infantil. Notamos que é até quatro vezes maior do que em anos anteriores. É uma média de 450 a 500 pacientes por dia”, disse o secretário.

Para Lucas, uma solução que resolveria todo o problema seria o redimensionamento da equipe do PSI, desde a recepção até o atendimento do médico pediatra, mas isso esbarra no desafio de encontrar profissionais disponíveis.

“A única solução é fortalecer uma equipe. A equipe de enfermagem já foi redimensionada para a demanda atual. Já em relação à equipe médica, nós temos encontrado um pouco de dificuldade porque às vezes o médico tem plantão em algum outro hospital, então, readequar a agenda é um pouco mais difícil", explicou.

Ainda assim, essas medidas não têm resolvido o problema, por exemplo, do salão principal, que não consegue comportar todos os que chegam para aguardar o atendimento.



COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Everton Rodrigo
    31/12/1969
    Entra prefeito sai prefeito, e o problema continua o mesmo e as promessas também.
  • Indignada
    31/12/1969 1 Curtiu
    O problema é que os SEMI DEUSES da terra, ou seja, alguns médicos, contrariando a lei de NEWTON, ocupam vários lugares ao mesmo tempo no espaço. Por isso o atendimento dos pacientes de forma geral, na rede pública, privada e até particular, a cada dia só piora!!! O dinheiro é quem impera no momento, quanto mais ganho, mais status terei. Parece que o pensamento agora é esse: \" eles que esperem, vou correr atrás do meu\". Pra nossa infelicidade, aquele médico que atendia toda a família, cuidava de todas os tipos de doenças, tinha \"TEMPO\" para ouvir e olhar para o paciente, e acertava quase sempre na mosca na primeira consulta, morreu!!!! Agora, achar um profissional dedicado a curar um doente, é como ganhar na loteria. Que Deus esteja com todos, e a sorte também!!!
Veja mais Local

MAIS LIDAS

COLUNISTAS

ECONOMIA Atualizado 1 hora atrás

  • Dólar Comercial:
    Data:
  • Dólar Turismo:
    Data:
  • Euro:
    Data:

LOTERIAS Atualizado 1 hora atrás

  • Mega-Sena:
    Sorteio: , , , , , Data: 30/11/-0001
  • Quina:
    Sorteio: , , , , Data: 30/11/-0001