RECEITAS DA SONIA

RECEITAS DA SONIA

Petisco de grão-de-bico

Petisco de grão-de-bico

O grão-de-bico se presta a muitas receitas. Como aperitivo fica ótimo e pode ser preparado rapidamente.

O grão-de-bico se presta a muitas receitas. Como aperitivo fica ótimo e pode ser preparado rapidamente.

Por Sonia Machiavelli | 11/12/2021 | Tempo de leitura: 3 min
especial para GCN

Por Sonia Machiavelli
especial para GCN

11/12/2021 - Tempo de leitura: 3 min

Ingredientes:

  • 2 latas de grão-de-bico 
  • 1 colher (sopa) de colorau
  • 1 colher (sopa) de páprica doce
  • 1 colher (sopa) de páprica defumada
  • Raspas de 1 limão
  • 2 colheres (sopa) de azeite
  • Sal e pimenta-do-reino moída a gosto
     

O nome é autoexplicativo. Seu desenho não é esférico como o da ervilha, por exemplo, pois tem uma pontinha delicada a que chamamos “bico”. Em inglês é chickpea; em francês, pois chiche; em espanhol, garbanzo; em árabe, onde seu consumo é grande, alhimas.

Foram os imigrantes sírios e libaneses os responsáveis pela introdução do grão-de-bico na culinária brasileira, inicialmente como ingrediente de uma pasta temperada com molho de gergelim, o que lhe confere sabor de oriente. Depois chegaram os espanhóis, que nos ensinaram a magia de um ensopado espesso e nutritivo onde se reúnem grãos e pedaços de frango, o já conhecido “puchero”. Mas faz pouco tempo, talvez duas décadas, que o consumo do grão-de-bico foi incrementado por aqui. A opção por um segmento que cresce a olhos vistos, o dos apreciadores de produtos naturais, levou a uma demanda expressiva. Há muitos estabelecimentos em nosso país, inclusive em nossa cidade, que usam o substantivo composto como nome de suas lojas especializadas.

O apreço por essa leguminosa aumentou de forma expressiva desde que foi incluída na lista dos pulses, que são grãos secos com alto poder nutritivo e até curativo. Os botânicos designam com esse vocábulo todo tipo de fruto derivado de um único pistilo, “cuja deiscência se faz por duas fendas longitudinais: a da sutura do capelo e a da nervura mediana da folha capelar.” Difícil de entender, né? Tem a ver com a abertura dos órgãos de reprodução das plantas. Só escrevi isso para explicar porque o grão-de-bico pertence ao grupo dos pulses (como feijões, ervilhas secas e lentilhas) e a soja, tão incensada, não. Resumindo a ópera, os pulses são excelentes para nosso corpo. Mix de micronutrientes ricos em fibras, vitaminas e sais minerais, apresentam baixos níveis de gordura. Não contêm colesterol e apresentam boas quantidades de folato, substância que se transforma em ácido fólico, reconhecido como eficaz no combate ao mau humor e à depressão.

O grão-de-bico se presta a muitas receitas. Até há pouco tempo, o fato de ter de colocá-lo de molho para depois cozinhá-lo, tomava um pouco de tempo de quem estivesse na cozinha. Hoje já temos o produto enlatado, o que representa enorme ganho de tempo. Basta retirar da lata ou da embalagem a vácuo, enxaguar e usar. Como aperitivo fica ótimo e pode ser preparado rapidamente. Para dar partida, acenda o forno. Ele deve estar aquecido a 180 graus. Retire os grãos-de-bico da embalagem, passe por água corrente e deixe escorrer bem. Transfira para uma assadeira. Se for uma antiaderente, melhor. Regue com o azeite e salpique com a páprica defumada, o colorau e a pimenta-do-reino moída na hora. Salpique o sal em seguida, com moderação. Misture bem os temperos aos grãos, usando as mãos e depois movimentando a assadeira em vaivém. Leve ao forno e deixe assar por cerca de 40 minutos, abrindo no meio do tempo para uma sacudida. Retire do forno, misture as raspas de limão, deixe esfriar e sirva a seguir. Guardados em potes bem fechados, duram um mês.

Use a criatividade e distribua em potes, taças, bols coloridos e transparentes. Fica lindo na mesa de Natal.

Ingredientes:

  • 2 latas de grão-de-bico 
  • 1 colher (sopa) de colorau
  • 1 colher (sopa) de páprica doce
  • 1 colher (sopa) de páprica defumada
  • Raspas de 1 limão
  • 2 colheres (sopa) de azeite
  • Sal e pimenta-do-reino moída a gosto
     

O nome é autoexplicativo. Seu desenho não é esférico como o da ervilha, por exemplo, pois tem uma pontinha delicada a que chamamos “bico”. Em inglês é chickpea; em francês, pois chiche; em espanhol, garbanzo; em árabe, onde seu consumo é grande, alhimas.

Foram os imigrantes sírios e libaneses os responsáveis pela introdução do grão-de-bico na culinária brasileira, inicialmente como ingrediente de uma pasta temperada com molho de gergelim, o que lhe confere sabor de oriente. Depois chegaram os espanhóis, que nos ensinaram a magia de um ensopado espesso e nutritivo onde se reúnem grãos e pedaços de frango, o já conhecido “puchero”. Mas faz pouco tempo, talvez duas décadas, que o consumo do grão-de-bico foi incrementado por aqui. A opção por um segmento que cresce a olhos vistos, o dos apreciadores de produtos naturais, levou a uma demanda expressiva. Há muitos estabelecimentos em nosso país, inclusive em nossa cidade, que usam o substantivo composto como nome de suas lojas especializadas.

O apreço por essa leguminosa aumentou de forma expressiva desde que foi incluída na lista dos pulses, que são grãos secos com alto poder nutritivo e até curativo. Os botânicos designam com esse vocábulo todo tipo de fruto derivado de um único pistilo, “cuja deiscência se faz por duas fendas longitudinais: a da sutura do capelo e a da nervura mediana da folha capelar.” Difícil de entender, né? Tem a ver com a abertura dos órgãos de reprodução das plantas. Só escrevi isso para explicar porque o grão-de-bico pertence ao grupo dos pulses (como feijões, ervilhas secas e lentilhas) e a soja, tão incensada, não. Resumindo a ópera, os pulses são excelentes para nosso corpo. Mix de micronutrientes ricos em fibras, vitaminas e sais minerais, apresentam baixos níveis de gordura. Não contêm colesterol e apresentam boas quantidades de folato, substância que se transforma em ácido fólico, reconhecido como eficaz no combate ao mau humor e à depressão.

O grão-de-bico se presta a muitas receitas. Até há pouco tempo, o fato de ter de colocá-lo de molho para depois cozinhá-lo, tomava um pouco de tempo de quem estivesse na cozinha. Hoje já temos o produto enlatado, o que representa enorme ganho de tempo. Basta retirar da lata ou da embalagem a vácuo, enxaguar e usar. Como aperitivo fica ótimo e pode ser preparado rapidamente. Para dar partida, acenda o forno. Ele deve estar aquecido a 180 graus. Retire os grãos-de-bico da embalagem, passe por água corrente e deixe escorrer bem. Transfira para uma assadeira. Se for uma antiaderente, melhor. Regue com o azeite e salpique com a páprica defumada, o colorau e a pimenta-do-reino moída na hora. Salpique o sal em seguida, com moderação. Misture bem os temperos aos grãos, usando as mãos e depois movimentando a assadeira em vaivém. Leve ao forno e deixe assar por cerca de 40 minutos, abrindo no meio do tempo para uma sacudida. Retire do forno, misture as raspas de limão, deixe esfriar e sirva a seguir. Guardados em potes bem fechados, duram um mês.

Use a criatividade e distribua em potes, taças, bols coloridos e transparentes. Fica lindo na mesa de Natal.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.