ECONOMIA

ECONOMIA

Calçado lidera as exportações em Franca; café ocupa segundo lugar

Calçado lidera as exportações em Franca; café ocupa segundo lugar

O presidente do Sindifranca, José Carlos Brigagão, acredita que o setor calçadista de Franca está iniciando um caminho de recuperação, mesmo em um ano bastante afetado pela pandemia. O café é o segundo produto, e em terceiro vem o couro.

O presidente do Sindifranca, José Carlos Brigagão, acredita que o setor calçadista de Franca está iniciando um caminho de recuperação, mesmo em um ano bastante afetado pela pandemia. O café é o segundo produto, e em terceiro vem o couro.

Por N. Fradique | 20/01/2022 | Tempo de leitura: 2 min
da Redação

Por N. Fradique
da Redação

20/01/2022 - Tempo de leitura: 2 min

Arquivo/GCN

O calçado lidera o ranking de exportação com um volume de US$ 55 milhões
Um levantamento aponta que Franca exportou em 2021 o valor de US$ 140.996.157,00, superando o montante do ano anterior, que foi de US$ 118.584.754,00, gerando um aumento de 19% no total do faturamento com as exportações. No caso das importações, a cidade atingiu US$ 15.345.073,00 em 2021, sendo 12,5% maior que o ano de 2020.
 
O calçado lidera o ranking de exportação com um volume de US$ 55 milhões. O café é o segundo produto com US$ 54,8 milhões. Em terceiro vem o couro, com US$ 23,7 milhões. Juntos, esses três itens representam em torno de 95% do total dos produtos exportados. 
 
Os dados fazem parte do Boletim Econômico da Prefeitura de Franca divulgado neste começo de ano.
 
O presidente do Sindicato da Indústria de Calçados de Franca (Sindifranca), José Carlos Brigagão, acredita que o setor calçadista de Franca está iniciando um caminho de recuperação, mesmo em um ano bastante afetado pela pandemia.

“Esse faturamento de R$ 54,2 milhões de dólares em 2021 nos aponta uma recuperação. Apesar de estar longe dos valores de 1993, é um bom reiniciou e nos mostra que é possível o calçado voltar aos números daquele ano. Temos aí um excelente exemplo na Europa, que é o setor calçadista de Portugal, que renasceu das cinzas”, disse Brigagão nesta quarta-feira, 19. 
 
O ano de 1993, citado por Brigagão, registrou o maior número de exportação da história do calçado de Franca, com 15,5 milhões de pares e faturamento da ordem de US$ 256,5 milhões de dólares. Atualmente, o Governo Federal não informa mais a exportação em pares e sim em quilos.
 
“Eu costumo desafiar os empresários calçadista de Franca a dizer-me qual polo calçadista da América Latina concorre com o calçado de couro de Franca. Não temos”, finaliza Brigagão.
 
O economista Deyvid Silveira, um dos responsáveis pelo Boletim Econômico da Prefeitura de Franca, destaca os indicadores favoráveis ao calçado, mas ressalta o equilíbrio nos dados dos produtos na balança de exportação.

“O calçado sempre esteve à frente em Franca, mas nos últimos anos o café apresentou uma alavancada nos dados de exportação no município. Quando se fala em região, pode ser que o café já supera há algum tempo. Mas os números colocam os dois produtos bem próximos”, disse o economista.
Um levantamento aponta que Franca exportou em 2021 o valor de US$ 140.996.157,00, superando o montante do ano anterior, que foi de US$ 118.584.754,00, gerando um aumento de 19% no total do faturamento com as exportações. No caso das importações, a cidade atingiu US$ 15.345.073,00 em 2021, sendo 12,5% maior que o ano de 2020.
 
O calçado lidera o ranking de exportação com um volume de US$ 55 milhões. O café é o segundo produto com US$ 54,8 milhões. Em terceiro vem o couro, com US$ 23,7 milhões. Juntos, esses três itens representam em torno de 95% do total dos produtos exportados. 
 
Os dados fazem parte do Boletim Econômico da Prefeitura de Franca divulgado neste começo de ano.
 
O presidente do Sindicato da Indústria de Calçados de Franca (Sindifranca), José Carlos Brigagão, acredita que o setor calçadista de Franca está iniciando um caminho de recuperação, mesmo em um ano bastante afetado pela pandemia.

“Esse faturamento de R$ 54,2 milhões de dólares em 2021 nos aponta uma recuperação. Apesar de estar longe dos valores de 1993, é um bom reiniciou e nos mostra que é possível o calçado voltar aos números daquele ano. Temos aí um excelente exemplo na Europa, que é o setor calçadista de Portugal, que renasceu das cinzas”, disse Brigagão nesta quarta-feira, 19. 
 
O ano de 1993, citado por Brigagão, registrou o maior número de exportação da história do calçado de Franca, com 15,5 milhões de pares e faturamento da ordem de US$ 256,5 milhões de dólares. Atualmente, o Governo Federal não informa mais a exportação em pares e sim em quilos.
 
“Eu costumo desafiar os empresários calçadista de Franca a dizer-me qual polo calçadista da América Latina concorre com o calçado de couro de Franca. Não temos”, finaliza Brigagão.
 
O economista Deyvid Silveira, um dos responsáveis pelo Boletim Econômico da Prefeitura de Franca, destaca os indicadores favoráveis ao calçado, mas ressalta o equilíbrio nos dados dos produtos na balança de exportação.

“O calçado sempre esteve à frente em Franca, mas nos últimos anos o café apresentou uma alavancada nos dados de exportação no município. Quando se fala em região, pode ser que o café já supera há algum tempo. Mas os números colocam os dois produtos bem próximos”, disse o economista.

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Ricardo Jovial
    20/01/2022
    Destes US$ 140.996.157,00, apenas uns 500 mil dólares foram para o bolso dos trabalhadores envolvidos(e olhe lá), o restante após a generosa fatia para o governo em forma de imposto foi tudo para os dono de fábrica poder desfilar de Land Rover e torrar em sítio de Rifaina.